• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured05/07/2022

Menos de 7% dos adultos dos EUA têm boa saúde cardiometabólica

Crédito: CC0 Public Domain

05/07/22 - 09h22min

Menos de 7% da população adulta dos EUA tem boa saúde cardiometabólica, uma crise de saúde devastadora que exige ação urgente, de acordo com pesquisa liderada por uma equipe da Escola Friedman de Ciência e Política de Nutrição da Universidade Tufts (EUA) em uma perspectiva pioneira sobre tendências de saúde cardiometabólica e disparidades. O trabalho foi publicado na revista Journal of the American College of Cardiology. A equipe também incluiu pesquisadores do Tufts Medical Center.

Os pesquisadores avaliaram os americanos em cinco componentes da saúde: níveis de pressão arterial, açúcar no sangue, colesterol no sangue, adiposidade (sobrepeso e obesidade) e presença ou ausência de doenças cardiovasculares (ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, etc.). Eles descobriram que apenas 6,8% dos adultos dos EUA tinham níveis ideais de todos os cinco componentes em 2017-2018. Entre esses cinco componentes, as tendências entre 1999 e 2018 também pioraram significativamente para adiposidade e glicemia. Em 1999, 1 em cada 3 adultos tinha níveis ótimos de adiposidade (sem sobrepeso ou obesidade); esse número diminuiu para 1 em cada 4 em 2018. Da mesma forma, enquanto 3 em cada 5 adultos não tinham diabetes ou pré-diabetes em 1999, menos de 4 em cada 10 adultos estavam livres dessas condições em 2018.

Números impressionantes

“Esses números são impressionantes. É profundamente problemático que nos Estados Unidos, uma das nações mais ricas do mundo, menos de 1 em cada 15 adultos tenha uma saúde cardiometabólica ideal”, disse Meghan O’Hearn, doutoranda na Escola Friedman de Ciência e Política de Nutrição e principal autora do estudo. “Precisamos de uma revisão completa do nosso sistema de saúde, sistema alimentar e ambiente construído, porque esta é uma crise para todos, não apenas um segmento da população.”

O estudo analisou uma amostra nacionalmente representativa de cerca de 55 mil pessoas com 20 anos ou mais de 1999 a 2018 dos 10 ciclos mais recentes da Pesquisa Nacional de Exames de Saúde e Nutrição. A equipe de pesquisa se concentrou em níveis ótimos, intermediários e ruins de saúde cardiometabólica e seus componentes, em vez de apenas presença ou ausência de doença. “Precisamos mudar a conversa, porque a doença não é o único problema”, disse O’Hearn. “Não queremos apenas estar livres de doenças. Queremos alcançar uma saúde e bem-estar ideais.”

Os pesquisadores também identificaram grandes disparidades de saúde entre pessoas de diferentes sexos, idades, raças e etnias e níveis de educação. Por exemplo, adultos com menos educação tinham metade da probabilidade de ter saúde cardiometabólica ideal em comparação com adultos com mais educação, e os mexicanos-americanos tinham um terço dos níveis ideais em relação aos adultos brancos não hispânicos. Além disso, entre 1999 e 2018, enquanto a porcentagem de adultos com boa saúde cardiometabólica aumentou modestamente entre americanos brancos não hispânicos, caiu para americanos mexicanos, outros hispânicos, negros não hispânicos e adultos de outras raças.

“Isso é realmente problemático. Determinantes sociais da saúde, como segurança alimentar e nutricional, contexto social e comunitário, estabilidade econômica e racismo estrutural, colocam indivíduos de diferentes níveis de educação, raças e etnias em maior risco de problemas de saúde”, disse Dariush Mozaffarian, reitor da Escola Friedman de Ciência e Política de Nutrição e autor sênior do estudo. “Isso destaca o outro trabalho importante que está sendo realizado na Escola Friedman e na Universidade Tufts para melhor entender e abordar as causas subjacentes da má nutrição e das disparidades de saúde nos EUA e em todo o mundo.”

Impactos em despesas

O estudo também avaliou níveis “intermediários” de saúde – não ótimos, mas ainda não ruins – incluindo condições como pré-diabetes, pré-hipertensão e obesidade. “Uma grande parte da população está em um ponto crítico de inflexão”, disse O’Hearn. “Identificar esses indivíduos e abordar suas condições de saúde e estilo de vida precocemente é fundamental para reduzir os crescentes encargos com a saúde e as desigualdades na saúde.”

As consequências do terrível estado de saúde entre os adultos norte-americanos vão além da saúde pessoal. “Seus impactos nos gastos nacionais com saúde e na saúde financeira de toda a economia são enormes”, disse O’Hearn. “E essas condições são amplamente evitáveis. Temos as intervenções e políticas de saúde pública e clínicas para poder lidar com esses problemas”.

Pesquisadores da Escola Friedman trabalham ativamente em muitas dessas soluções, disse O’Hearn, incluindo iniciativas como Food is Medicine (usar boa nutrição para ajudar a prevenir e tratar doenças); incentivos e subsídios para tornar a alimentação saudável mais acessível; educação do consumidor para uma alimentação saudável; e o envolvimento do setor privado para impulsionar um sistema alimentar mais saudável e equitativo. “Há muitos caminhos diferentes pelos quais isso pode ser feito”, afirmou O’Hearn. “Precisamos de uma abordagem multissetorial, e precisamos de vontade política e desejo de fazê-lo.”

“Esta é uma crise de saúde que estamos enfrentando há algum tempo”, disse O’Hearn. “Agora há um crescente imperativo econômico, social e ético de dar a esse problema muito mais atenção do que vem recebendo.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


alimentação