Migrações humanas pela Arábia aproveitaram mudanças climáticas

Curtos períodos mais úmidos em meio à secura predominante serviram para fazer da região uma rota migratória de animais e hominídeos

Sítio Khall Amayshan 4, no norte da Arábia Saudita, onde foram encontradas evidências de visitas repetidas dos primeiros humanos nos últimos 400 mil anos, associadas a restos de lagos antigos. Crédito: Palaeodeserts Project (Michael Petraglia)

Uma pesquisa recente no norte da Arábia Saudita feita por cientistas internacionais trouxe novas descobertas sobre a pré-história humana nas vastas áreas interiores do país, ainda pouco exploradas. As revelações, que incluem as evidências mais antigas de humanos na Arábia, de 400 mil anos atrás, são descritas como um avanço na arqueologia árabe pelo dr. Huw Groucutt, principal autor do estudo e chefe do Grupo de Pesquisa de Eventos Extremos da Sociedade Max Planck, baseada no Instituto Max Planck de Ecologia Química, em Jena (Alemanha). O trabalho foi apresentado em artigo na revista Nature.

A descoberta de milhares de ferramentas de pedra revela várias ondas de ocupação humana e mostra as mudanças na cultura humana ao longo do tempo. No sítio Khall Amayshan 4 (KAM 4), localizado em uma depressão entre grandes dunas, os pesquisadores encontraram evidências de seis fases da formação de um lago, cinco delas associadas a ferramentas de pedra feitas por humanos primitivos há cerca de 400 mil, 300 mil, 200 mil, 100 mil e 55 mil anos. Cada fase da ocupação humana é caracterizada por um tipo diferente de cultura material, documentando a transição da cultura do “machado de mão” do Paleolítico Inferior Acheuliano para diferentes tipos de tecnologias do Paleolítico Médio baseadas em lascas de pedra. Escavações no oásis de Jubbah, 150 km a leste, também recuperaram ferramentas de pedra, datando de 200 mil e 75 mil anos atrás.

“Machado de mão”, ferramenta de pedra de 400 mil anos do sítio Khall Amayshan 4. Crédito: Palaeodeserts Project (Ian Cartwright)
Arábia verde

A datação dos sítios arqueológicos – obtida principalmente por meio de uma técnica chamada datação por luminescência, que registra o período de tempo desde que minúsculos grãos de sedimento foram expostos à luz solar pela última vez – mostra que cada ocupação data de uma época em que se sabe que as chuvas aumentaram no região. Além disso, todos os conjuntos de ferramentas de pedra estão associados aos sedimentos característicos produzidos por lagos de água doce. As descobertas, portanto, mostram que, dentro de um padrão dominante de aridez, fases curtas ocasionais de aumento das chuvas levaram à formação de milhares de lagos, pântanos e rios que cruzaram a maior parte da Arábia, formando rotas de migração chave para humanos e animais como os hipopótamos.

Embora hoje o deserto de Nefud seja uma região muito árida, buracos profundos entre as grandes dunas de areia criaram lugares para a formação de pequenos lagos durante aumentos ocasionais nas chuvas. Como resultado, a região de Nefud foi periodicamente transformada de uma das partes mais inabitáveis ​​do sudoeste da Ásia em uma exuberante pastagem que oferecia oportunidades para movimentos populacionais repetidos.

Tempestade chega durante a escavação arqueológica dos restos de um antigo lago no norte da Arábia Saudita, onde humanos antigos viviam ao lado de animais como hipopótamos. Crédito: Palaeodeserts Project (Klint Janulis)
Várias direções

Ao contrário dos ossos e de outros materiais orgânicos, as ferramentas de pedra preservam-se com muita facilidade e seu caráter é amplamente influenciado por comportamentos culturais aprendidos. Como resultado, eles iluminam o pano de fundo de seus criadores e mostram como as culturas se desenvolveram ao longo de suas próprias trajetórias em diferentes áreas. As descobertas de Khall Amayshan 4 e do oásis de Jubbah refletem pulsos de ocupação de curta duração que representam as fases iniciais das ondas migratórias.

Cada fase da ocupação humana no norte da Arábia mostra um tipo distinto de cultura material, sugerindo que as populações chegaram à região provenientes de várias direções e áreas de origem. Essa diversidade lança uma luz única sobre a extensão das diferenças culturais no sudoeste da Ásia durante esse período e indica populações fortemente subdivididas.

Em alguns casos, as diferenças na cultura material são tão grandes que indicam a presença contemporânea de diferentes espécies de hominídeos na região. Isso sugere que a Arábia também pode ter sido uma zona de interface para diferentes grupos de hominídeos originários da África e da Eurásia.

Implicações mais amplas

Os fósseis de animais indicam um padrão semelhante: embora o registro fóssil do norte da Arábia mostre um caráter africano proeminente, algumas espécies vieram do norte, enquanto outras representam residentes de longa data da Arábia.

Os resultados destacam a importância de preencher as lacunas no mapa hominídeo. “A Arábia sempre foi vista como um lugar vazio no passado”, disse o dr. Groucutt. “Nosso trabalho mostra que ainda sabemos bem pouco sobre a evolução humana em vastas áreas do mundo e destaca o fato de que muitas surpresas ainda estão por aí.”

“É notável: sempre que estava úmido, as pessoas estavam lá”, disse o líder do projeto, prof. Michael Petraglia, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana. “Este trabalho coloca a Arábia no mapa global da pré-história humana”, acrescentou.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago