Ministério do Meio Ambiente quase zera orçamento para clima

Corte mais dramático afeta políticas sobre mudanças climáticas no Brasil, programa que perdeu 95% dos seus recursos. Oito ex-ministros da pasta se reunirão amanhã para avaliar o atual contexto da política ambiental brasileira e divulgar um posicionamento (fato inédito na história do país)

Shutterstock

Ministério do Meio Ambiente vem se mostrando, cada vez mais, um grande inimigo do próprio meio ambiente. Grandes questões que sempre foram bandeiras da pasta, na nova gestão perdem investimento e força. O Globo destaca hoje os cortes significativos no orçamento de ações de combate às mudanças do clima, na gestão de resíduos, no uso sustentável da biodiversidade, no combate a incêndios, em licenciamento e fiscalização ambiental.

O corte mais dramático está no programa para implementar políticas sobre mudanças climáticas no Brasil, que perdeu 95% dos seus recursos que somavam R$ 11,8 milhões. O valor equivale a 22,7% do total do orçamento não obrigatório do Ministério do Meio Ambiente, de cerca de R$ 825 milhões. E demonstra que, apesar de o presidente Jair Bolsonaro não ter retirado o país do Acordo de Paris, acaba de anunciar que também não fará quase nada para conter o aquecimento global.

Outro corte na carne acontece na implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos que perdeu R$ 6,4 milhões de seus R$ 8,1 milhões — retirada de 78,4% da verba total. A prevenção e controle de incêndios florestais teve bloqueio de 38,4%, equivalente a R$ 17,5 milhões. A ação de licenciamento ambiental federal perdeu 42% da verba de R$ 7,8 milhões. Já o programa de apoio à criação de unidades de conservação perdeu R$ 45 milhões, ou um quarto de seu orçamento.

A notícia coincide com a divulgação de um estudo mundial (publicado ontem por PLANETA) sobre a importância de todos esses temas para a preservação da vida na Terra – vida de um milhão de espécies ameaçadas pela ação do ser humano e, consequentemente, a vida do próprio ser humano no planeta.

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, terá sua atuação avaliada por oito ex-ministros do cargo (Crédito: José Cruz/Agência Brasil)

A atuação do atual Ministério do Meio Ambiente anda preocupando até mesmo os ex-ministros da pasta. Oito deles já anunciaram uma reunião presencial amanhã (quarta-feira, 08/05), para “avaliar o atual contexto da política ambiental brasileira e divulgar um posicionamento”. O jornalista ambiental André Trigueiro destaca que esta é a primeira vez na história que uma reunião do tipo acontece, já que tendo ocupado o mesmo cargo, todos eles sabem muito bem das dificuldades da função e mantêm uma ética de não criticarem em grupo a um deles. Mas, no momento, parece importante a esses ex-ministros um posicionamento mais drástico. Eles resumem os últimos 27 de gestão ambiental brasileira, que garantiu ao país respeito e liderança internacional no tema.

COMPARTILHAR