• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência05/08/2022

Mistério: dias da Terra estão durando mais, e a ciência não sabe por quê

Crédito: Nasa

05/08/22 - 11h31min

Relógios atômicos, combinados com medições astronômicas precisas, revelaram que a duração de um dia de repente está ficando mais longa, e os cientistas não sabem por quê.

Isso tem impactos críticos não apenas em nossa cronometragem, mas também em coisas como GPS e outras tecnologias que governam nossa vida moderna.

Desaceleração

Nas últimas décadas, a rotação da Terra em torno de seu eixo – que determina a duração de um dia – vem se acelerando. Essa tendência vem tornando nossos dias mais curtos; de fato, em junho de 2022, estabelecemos um recorde para o dia mais curto no último meio século.

Mas, apesar desse recorde, desde 2020 essa aceleração constante mudou curiosamente para uma desaceleração – os dias estão ficando mais longos novamente, e o motivo é até agora um mistério.

Enquanto os relógios em nossos telefones indicam que há exatamente 24 horas em um dia, o tempo real que leva para a Terra completar uma única rotação varia muito pouco. Essas mudanças ocorrem ao longo de períodos de milhões de anos até quase instantaneamente – até terremotos e tempestades podem desempenhar um papel.

Acontece que um dia raramente é exatamente o número mágico de 86.400 segundos.

O planeta em constante mudança

Ao longo de milhões de anos, a rotação da Terra foi diminuindo devido aos efeitos de atrito associados às marés impulsionadas pela Lua. Esse processo adiciona cerca de 2,3 milissegundos à duração de cada dia a cada século. Alguns bilhões de anos atrás, um dia da Terra tinha apenas cerca de 19 horas.

Nos últimos 20 mil anos, outro processo vem trabalhando na direção oposta, acelerando a rotação da Terra. Quando a última era glacial terminou, o derretimento das camadas de gelo polar reduziu a pressão da superfície e o manto da Terra começou a se mover constantemente em direção aos polos.

Assim como um bailarino gira mais rapidamente ao aproximar os braços do corpo – o eixo em torno do qual gira –, a taxa de rotação do nosso planeta aumenta quando essa massa do manto se aproxima do eixo da Terra. E esse processo diminui cada dia em cerca de 0,6 milissegundo a cada século.

O fator terremotos

Ao longo de décadas e mais, a conexão entre o interior e a superfície da Terra também entra em jogo. Grandes terremotos podem alterar a duração do dia, embora normalmente em pequenas quantidades. Por exemplo, acredita-se que o Grande Terremoto de Tōhoku de 2011 no Japão, com uma magnitude de 8,9, tenha acelerado a rotação da Terra em 1,8 microssegundo – relativamente pouco.

Além dessas mudanças em grande escala, em períodos mais curtos o clima e o tempo também têm impactos importantes na rotação da Terra, causando variações em ambas as direções.

Os ciclos de maré quinzenais e mensais movem a massa ao redor do planeta, causando mudanças na duração do dia em até um milissegundo em qualquer direção. Podemos ver variações de maré nos registros de duração do dia em períodos de até 18,6 anos. O movimento da nossa atmosfera tem um efeito particularmente forte, e as correntes oceânicas também desempenham um papel. A cobertura de neve sazonal e as chuvas, ou a extração de águas subterrâneas, alteram ainda mais as coisas.

Usar radiotelescópios para medir a rotação da Terra envolve observações de fontes de rádio como quasares. Crédito: Nasa Goddard

Por que a Terra está desacelerando de repente?

Desde a década de 1960, quando os operadores de radiotelescópios ao redor do planeta começaram a desenvolver técnicas para observar simultaneamente objetos cósmicos como quasares , tivemos estimativas muito precisas da taxa de rotação da Terra.

Uma comparação entre essas estimativas e um relógio atômico revelou uma duração do dia aparentemente cada vez menor nos últimos anos.

Mas há uma revelação surpreendente quando tiramos as flutuações da velocidade de rotação que sabemos que acontecem devido às marés e aos efeitos sazonais. Apesar de a Terra atingir seu dia mais curto em 29 de junho de 2022, a trajetória de longo prazo parece ter mudado de encurtamento para alongamento desde 2020. Essa mudança não tem precedentes nos últimos 50 anos.

Oscilação como causa

A razão para esta mudança não é clara. Pode ser devido a mudanças nos sistemas climáticos, com eventos La Niña consecutivos, embora estes tenham ocorrido antes. Pode ser o aumento do derretimento das camadas de gelo, embora elas não tenham se desviado enormemente de sua taxa constante de derretimento nos últimos anos. Poderia estar relacionado à enorme explosão do vulcão em Tonga injetando enormes quantidades de água na atmosfera? Provavelmente não, dado que ela ocorreu em janeiro de 2022.

Os cientistas especularam que essa mudança recente e misteriosa na velocidade de rotação do planeta está relacionada a um fenômeno chamado “oscilação de Chandler” – um pequeno desvio no eixo de rotação da Terra com um período de cerca de 430 dias. Observações de radiotelescópios também mostram que a oscilação diminuiu nos últimos anos; os dois podem estar ligados.

Uma possibilidade final, que achamos plausível, é que nada específico mudou dentro ou ao redor da Terra. Pode ser apenas efeitos de maré de longo prazo trabalhando em paralelo com outros processos periódicos para produzir uma mudança temporária na taxa de rotação da Terra.

Precisamos de um ‘segundo bissexto negativo’?

Entender com precisão a taxa de rotação da Terra é crucial para uma série de aplicações – sistemas de navegação como o GPS não funcionariam sem ele. Além disso, a cada poucos anos, os cronometristas inserem segundos bissextos em nossas escalas de tempo oficiais para garantir que eles não saiam de sincronia com nosso planeta.

Se a Terra mudar para dias ainda mais longos, talvez precisemos incorporar um “segundo bissexto negativo” – isso seria sem precedentes e poderia quebrar a internet.

A necessidade de segundos bissextos negativos é considerada improvável no momento. Por enquanto, podemos receber a notícia de que – pelo menos por um tempo – todos nós temos alguns milissegundos extras todos os dias.

* Matt King é diretor do ARC Australian Centre for Excellence in Antarctic Science na Universidade da Tasmânia (Austrália); Christopher Watson é professor sênior na Escola de Geografia, Planejamento e Ciências Espaciais da Universidade da Tasmânia.

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


dia