Mistério resolvido: Por que “neva” sal no Mar Morto?

Descoberta pode ajudar os cientistas a entender como grandes depósitos de sal se formaram no passado geológico da Terra

Mar Morto
Mar Morto / Foto: Nadav Lensky/Geological Survey of Israel

O Mar Morto, um lago salgado cercado pela Jordânia, Israel e a Cisjordânia, é quase dez vezes mais salgado que o oceano. Os seres humanos visitaram o Mar Morto por milhares de anos para experimentar suas supostas propriedades curativas e para flutuar em suas águas extremamente densas e flutuantes, e a menção do mar remonta aos tempos bíblicos.

Agora, uma nova pesquisa explica por que os cristais de sal estão se acumulando nas partes mais profundas do chão do Mar Morto, uma descoberta que pode ajudar os cientistas a entender como grandes depósitos de sal se formaram no passado geológico da Terra.

Grande parte da água doce que alimenta o Mar Morto foi desviada nas últimas décadas, diminuindo os níveis de água do mar e tornando-a mais salgada do que antes. Os cientistas notaram pela primeira vez em 1979, após o início desse processo, que os cristais de sal estavam se precipitando para fora da camada superior de água, “nevando” e se empilhando no leito do lago. A camada de sal no leito do lago tem crescido cerca de 10 centímetros mais espessa a cada ano.

O processo que conduz esta “neve” de cristais de sal e o acúmulo de camadas de sal no lago tem intrigado os cientistas, porque não faz sentido de acordo com as leis da física.

Agora, um novo estudo na revista Water Resources Research, da União Geofísica Americana, propõe que pequenos distúrbios no lago, causados ​​por ondas ou outro movimento, criam “dedos salgados” que vagarosamente afunilam sal até o leito do lago.

“Inicialmente, você forma esses minúsculos ‘dedos’ que são pequenos demais para observar … mas eles interagem rapidamente quando se movem para baixo e formam estruturas cada vez maiores”, disse Raphael Ouillon, engenheiro mecânico da Universidade da Califórnia em Santa Bárbara, autor do novo estudo.

“Os dedos iniciais podem ter apenas alguns milímetros ou alguns centímetros de espessura, mas estão em toda a superfície do lago”, disse Eckart Meiburg, também engenheiro mecânico da UC Santa Barbara e co-autor do estudo. “Juntos, esses pequenos dedos geram uma tremenda quantidade de fluxo de sal.”

A nova descoberta ajuda os pesquisadores a entender melhor a física do Mar Morto, mas também ajuda a explicar a formação de enormes depósitos de sal encontrados na crosta terrestre.

“No geral, isso faz do Mar Morto um sistema único”, disse Nadav Lensky, geólogo do Serviço Geológico de Israel e co-autor do novo estudo. “Basicamente, temos aqui uma nova descoberta que achamos ser muito relevante para a compreensão do arranjo dessas bacias que eram tão comuns na história da Terra.”

Um mistério salgado

Como o Mar Morto se tornou mais salgado nas últimas décadas, muito desse sal se concentrou perto de sua superfície. Durante o verão, o calor extra do Sol aquece a superfície do Mar Morto e divide-o em duas camadas distintas: uma camada superior aquecida sobre uma camada inferior mais fria. Como a água evapora da camada superior no calor do verão, ela se torna mais salgada do que a camada mais fria abaixo.

Os pesquisadores perceberam que a neve salgada que eles observavam era originária dessa camada salina superior, mas essa água morna não se mistura com a água mais fria abaixo, porque é muito mais quente e menos densa. Então, eles ficaram confusos sobre como o sal da superfície estava entrando na camada mais fria e despencando para o fundo do lago.

Lensky e seus colegas propuseram uma explicação em 2016, e a nova pesquisa testa essa teoria pela primeira vez.

Eles propõem que quando a camada superior do lago é perturbada por ondas ou outro movimento, minúsculas parcelas de água morna entram na piscina mais fria de água abaixo. O calor difunde-se mais rapidamente que o sal, de modo que esta parcela de água quente esfria rapidamente. Mas quando esfria, ele retém menos sal, então o sal precipita e forma cristais que afundam no fundo.

No novo estudo, os pesquisadores criaram uma simulação computadorizada de como a água e o sal fluiriam no Mar Morto se a teoria dos dedos salgados estivesse correta. Eles descobriram que a teoria dos dedos de sal previu corretamente o fluxo descendente de neve salgada e o acúmulo de camadas de sal no meio do leito do lago. Como o nível do lago está diminuindo, devido ao bombeamento de água doce do vizinho Rio Jordão, as camadas de sal estão concentradas na parte central do lago, de acordo com os autores.

Compreender depósitos de sal em outro lugar

A nova descoberta também ajuda a explicar a formação de depósitos maciços de sal encontrados na crosta terrestre.

“Sabemos que muitos lugares ao redor do mundo têm depósitos espessos de sal na crosta terrestre, e esses depósitos podem ter até um quilômetro de espessura”, disse Meiburg. “Mas não temos certeza de como esses depósitos de sal foram gerados ao longo da história geológica”.

Um exemplo notável é a camada grossa de sal sob o Mar Mediterrâneo. Os pesquisadores sabem que cerca de seis milhões de anos atrás, o Estreito de Gibraltar se fechou devido aos movimentos das placas tectônicas da Terra. Isso cortou o fornecimento de água do Oceano Atlântico para o Mediterrâneo, criando um mar interior raso gigante.

Depois de várias centenas de milhares de anos, os níveis de água do Mediterrâneo caíram tanto que o mar quase secou, ​​deixando para trás grossos depósitos de sal. A nova descoberta sugere que esses depósitos se formaram durante esse período de uma maneira similar ao que está acontecendo agora no Mar Morto. Quando o Estreito de Gibraltar se abriu novamente, a água inundou a bacia e os depósitos de sal foram enterrados sob novas camadas de sedimentos, onde permanecem até hoje.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança