Morcegos praticam espionagem para caçar presas

Entre as táticas descritas estão a audição do canto de acasalamento de rãs e mariposas e dos sons produzidos por outros morcegos indicativos de fartura de alimento

Morcego captura escorpião: a presa é encontrada a partir dos sons de seus movimentos. Crédito: © Merlin Tuttle

Na batalha diária entre predadores e presas, cada um deles desenvolve maneiras cada vez mais sofisticadas de capturar ou escapar do outro. Rachel Page, cientista do Smithsonian Tropical Research Institute, e Ximena Bernal, professora associada da Universidade Purdue  (EUA), concluíram em uma revisão de estudos que os morcegos usam tanto a informação privada quanto a social para atacar suas presas. O artigo foi publicado na revista “Functional Ecology”.

“Os morcegos são um grupo empolgante para estudar, porque desenvolveram muitas estratégias diferentes de caça”, disse Page. “Nesta revisão, analisamos amplamente os morcegos em todo o mundo para investigar os padrões e processos subjacentes às adaptações sensoriais e cognitivas que os morcegos evoluíram para caçar com sucesso suas presas.”

Ao caçarem em espaços abertos, acima da floresta ou sobre a água, os morcegos dependem principalmente de seus sistemas de ecolocalização. Quando recebem um eco de uma presa, eles produzem sinais cada vez mais frequentes – gerando o que é chamado de zumbido de alimentação – enquanto tentam a captura.

LEIA TAMBÉM: Peixes usam sinal químico para alertar outros sobre predadores

Já os morcegos que caçam em espaços mais fechados e desordenados geralmente não podem usar apenas a ecolocalização para encontrar suas presas. Os ecos que refletem a vegetação são difíceis de distinguir dos ecos das presas. Mas esses morcegos são muito bons em ouvir sons emitidos por presas.

Respiração identificada

Morcegos da Nova Zelândia, que se alimentam até 40% do tempo caçando no chão da floresta, escutam o movimento e usam seu olfato para detectar presas na serrapilheira (a camada formada pela deposição dos restos de plantas e acúmulo de material orgânico vivo que reveste superficialmente o solo). Morcegos vampiros são capazes de reconhecer os sons do padrão de respiração de um indivíduo específico, voltando noite após noite para se alimentar do mesmo sangue. Morcegos da espécie Otonycteris hemprichii, que habitam o deserto, escutam os sons emitidos pelos escorpiões enquanto se movem pelo ambiente e usam-nos para identificar suas presas.

“Procurar presas exige muito tempo e energia, mas uma das coisas surpreendentes que os morcegos fazem para minimizar o esforço de busca é espionar as presas enquanto elas se comunicam – e também espionar outros morcegos para descobrir onde estão capturando presas”, disse Bernal.

Enquanto as rãs túngaras machos chamam, esperando atrair uma companheira, os morcegos Trachops cirrhosus percebem os chamados de acasalamento como um sinal de jantar. Os insetos Tettigoniidae (conhecidos como esperanças) também chamam para atrair parceiros. Diferentes espécies de morcegos respondem a diferentes chamadas desses insetos, dividindo os alimentos disponíveis. E, como as rãs, algumas mariposas também formam grupos de machos cantadores para atrair fêmeas – atraindo morcegos ao mesmo tempo.

Os morcegos observam outros morcegos enquanto caçam. Eles prestam atenção especial aos locais onde seus concorrentes fazem zunidos, indicando pontos com muitas presas.

Habilidades auditivas

Os morcegos tendem a ter habilidades auditivas que correspondem às suas estratégias de caça. Aqueles que se baseiam exclusivamente na ecolocalização para encontrar comida tendem a emitir chamadas de ecolocalização altas e de longo alcance e têm ouvidos menores. Já os coletores têm ouvidos grandes, audição de baixa frequência e produzem chamadas de ecolocalização mais silenciosas.

Não importa qual estratégia de caça usem ou onde caçam, os morcegos parecem ter habilidade em aprender uns com os outros. Eles não apenas aprendem com sua própria espécie, como também aprendem com outras espécies de morcegos.

“Ficamos intrigados quando olhamos para as árvores genealógicas dos morcegos para ver onde diferentes estratégias de caça surgiram à medida que esses animais evoluem”, disse Page. “Se tantas espécies de morcegos têm audição de baixa frequência e podem detectar sinais de acasalamento de presas, e esses sinais de acasalamento são excelentes faróis de fragmentos de presas de alta densidade, por que mais espécies de morcegos não estão aproveitando esses sinais altos e visíveis?”

“Apesar do fato de os morcegos serem um excelente grupo para aprender sobre as adaptações sensoriais dos predadores, a grande maioria dos morcegos é pouco estudada”, disse Bernal. “Talvez mais pesquisas nos ajudem a entender como as estratégias de predação evoluíram.”