Morte de árvores por pragas equivale à emissão de 5 milhões de carros

Pesquisa mostra que as pragas não só reduzem a capacidade de sequestrar carbono das árvores como, ao levá-las à morte e à decomposição, ajudam a aumentar a emissão de dióxido de carbono na atmosfera

Pinheiros atacados pelo inseto Adelges tsugae no Parque Nacional das Great Smoky Mountains, na Carolina do Norte. Foto: Songlin Fei

(Universidade Purdue) – Insetos e patógenos invasores causam estragos em freixos, olmos, castanheiras e outras árvores, varrendo algumas delas quase completamente para fora das florestas americanas. Além do impacto ecológico, um estudo da Universidade Purdue mostra que o armazenamento de carbono perdido para essas pragas a cada ano é o mesmo que a quantidade de carbono emitida por 5 milhões de veículos.

Songlin Fei, professor do Departamento de Florestas e Recursos Naturais da universidade, disse que as árvores mortas anualmente pelas 15 pragas mais invasivas contêm 5,53 teragramas de carbono (TgC), o equivalente a cerca de 5,44 milhões de toneladas. Suas descobertas foram publicadas esta semana na revista “Proceedings of National Academy of Sciences”.

“Nem todas essas árvores mortas se tornam imediatamente fontes de carbono, mas estão sendo retiradas da biomassa viva, que funciona como sumidouro de carbono. Parte da biomassa morta acabará por entrar na atmosfera”, disse Fei.

LEIA TAMBÉM: Invasão de javalis causa prejuízo em Santa Catarina

As perdas são especialmente preocupantes, já que alguns estudiosos sugeriram que o sequestro de carbono florestal poderia combater as mudanças climáticas, capturando e retendo mais carbono da atmosfera. Fei disse que as perdas devido a espécies invasoras podem prejudicar essas esperanças.

“Se estamos pensando nas florestas como uma ferramenta para mitigar as mudanças climáticas, a própria ferramenta está sendo desafiada por essas pragas invasivas”, disse Fei. “Não só a ferramenta está danificada, mas também está se tornando um impedimento.”

 

Periculosidade medida

Fei e seus colegas do Serviço Florestal dos Estados Unidos analisaram 10 anos de pesquisas florestais cobrindo 93 mil lotes de campo no território contíguo dos EUA. Eles mediram a perda de árvores devido a pragas invasivas – acima e além das mortes de árvores naturais – pelos insetos e patógenos mais nocivos rastreados pelo Serviço Florestal.

As pragas mais prejudiciais, em termos de perda de biomassa acima do que se poderia esperar das perdas naturais, foram a broca cinza-esmeralda, a doença dos olmos holandeses, a casca de faia e o inseto Adelges tsugae. As espécies mais prejudiciais para a taxa de mortalidade, medidas em porcentagem da perda de biomassa, foram a murcha do louro, que também afeta o abacateiro (11,4%), o fungo Cryphonectria parasitica (6,3%) e a antracnose (5%).

Os autores do estudo disseram que o a atual perda anual de invasores é de apenas 0,04% do total de biomassa viva nos EUA, mas o problema pode crescer. Das 15 pragas estudadas, três só invadiram cerca de metade do seu alcance potencial e sete invadiram menos de 35%.

“Embora as perdas totais de biomassa aqui relatadas sejam apenas uma porcentagem relativamente pequena da biomassa total, é importante enfatizar que a trajetória dos impactos futuros dessas pragas pode ser antecipada para aumentar, já que a maioria das pragas prejudiciais aqui analisadas não chegou a invadir as faixas completas dos ambientes que podem acolhê-las”, escreveram eles. “Dada a contínua expansão da extensão das pragas existentes e o estabelecimento antecipado de novas pragas não nativas no futuro, políticas proativas destinadas a mitigar futuras invasões provavelmente renderão benefícios secundários de redução das emissões de gases de efeito estufa.”

blog comments powered by Disqus