Morte de panda na Tailândia irrita chineses e ameaça empréstimo de animais

Falecimento em zoológico da Tailândia de um símbolo nacional causou indignação nas mídias sociais chinesas

Chuang Chuang: morte longe de casa. Crédito: R. Liu

A “diplomacia dos pandas” usada pela China para, por meio de empréstimos desses animais a zoológicos estrangeiros, estreitar laços com esses países, está ameaçada com a morte súbita de um panda gigante em um zoo tailandês. Segundo o jornal “The Guardian”, a ocorrência causou indignação na China e pipocaram exigências nas redes sociais do país para que não haja mais empréstimos desses animais.

De acordo com a mídia da Tailândia, o macho Chuang Chuang, de 19 anos, entrou em colapso na tarde da última segunda-feira, depois de comer bambu no zoológico de Chiang Mai, no norte do país. Autoridades chinesas informaram que o caso vai ser investigado por especialistas da China Conservation e do Centro de Pesquisa do Panda Gigante, mas essa notícia não aplacou a revolta de vários internautas do país.

LEIA TAMBÉM: No reino dos pandas-gigantes

A morte de Chuang Chuang virou um dos principais tópicos da plataforma Sina Weibo (o “Twitter chinês”). Muitas postagens mencionam dúvidas sobre a morte do panda e a qualidade dos alimentos e instalações no zoológico de Chiang Mai.

“Por favor, não alugue mais pandas para a Tailândia! Não!”, clamou um internauta citado pelo jornal inglês. “Chuang Chuang é provavelmente o panda mais amargo do mundo! Que tipo de bambu ele recebeu? Se você não puder bancar [um panda], não o alugue.”

“Você deve cuidar bem de nossos tesouros nacionais emprestados a você, Tailândia”, escreveu outro usuário. “Agora Chuang Chuang se foi. Não adianta dizer nada. Se você não pode cuidar de nossos tesouros nacionais, não os tome emprestados. Estou muito triste.”

Hospedagem cara

Houve diversos questionamentos sobre o programa da China de emprestar seus ameaçados pandas gigantes para outros países. Na “diplomacia do panda”, zoológicos estrangeiros desembolsam milhões de dólares para hospedar os animais.

Chuang Chuang estava desde 2003 no zoológico de Chiang Mai com sua companheira, Lin Hui. O par não conseguiu acasalar enquanto viveu junto em cativeiro. Lin Hui deu à luz um filhote em 2009 por inseminação artificial.

Um usuário do Sina Weibo pediu que Lin Hui voltasse para casa após a morte de Chuang Chuang. “Se você não conseguir cuidar deles, devolva-os”, escreveu. “Chuang Chuang já perdeu sua vida. Por favor, envie Lin Hui para casa.”

Segundo a ONG World Wildlife Fund (WWF), os pandas vivem em média de 14 a 20 anos na natureza. Em cativeiro, porém, eles chegam a atingir 30 anos.