Muçulmanos mantinham próspero comércio de vinhos na Sicília

Não se sabe se os ocupantes islâmicos da ilha mediterrânea também consumiam o produto, mas há evidências de que eles investiram bastante nessa atividade econômica

Ânfora dos séculos 9-11 d.C., do tipo usado para o comércio de vinho da Sicília durante o domínio muçulmano. Crédito: Universidade de York

Pesquisadores britânicos e italianos encontraram resíduos químicos de uvas em recipientes medievais, indicando um próspero comércio de vinho na Sicília islâmica. Seu estudo sobre a descoberta foi publicado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS)”.

Eles descobriram que ânforas dos séculos 9-11, tradicionalmente usadas para transportar vinho, continham vestígios químicos de uvas. Elas foram encontradas em lugares distantes como Sardenha e Pisa, sugerindo que o vinho foi exportado pelo Mediterrâneo.

Trabalhando com pesquisadores da Universidade de Roma Tor Vergata, a equipe de pesquisa da unidade BioArch da Universidade de York (Reino Unido) analisou o conteúdo das ânforas. O grupo identificou traços químicos presos no corpo do recipiente e encontrou compostos comparáveis ​​aos encontrados em potes de cerâmica usados por alguns produtores hoje para o amadurecimento do vinho.

Junto com uma comparação de cacos encharcados de vinho degradados no solo, a equipe concluiu que as frutas presas no vaso eram de fato uvas, o que implica a produção de vinho.

Base econômica sólida

O império islâmico expandiu-se para as regiões mediterrâneas durante os séculos 7-9 d.C. em regiões do mundo que produziam e consumiam vinho em grande escala.

O professor Martin Carver, do Departamento de Arqueologia da Universidade de York, disse: “O álcool não desempenhou – e ainda não desempenha – um papel importante na vida cultural da sociedade islâmica. Por isso, estávamos muito interessados ​​na questão de como essa comunidade medieval prosperou em uma região dominada pelo vinho. Eles não apenas prosperaram, mas construíram uma base econômica sólida que lhes deu um futuro muito promissor. A indústria do vinho foi um dos elementos centrais de seu sucesso”.

O comércio de vinho já existia na Sicília antes da ocupação islâmica. Mas teria sido principalmente vinho importado, com ênfase no consumo e não na produção. A nova evidência arqueológica sugere que a comunidade islâmica viu uma oportunidade nisso e voltou sua atenção para a produção e exportação.

Não há evidências, no entanto, que sugiram que os membros da comunidade realmente bebiam o vinho que comercializavam. A evidência direta do consumo de álcool é difícil de demonstrar no registro arqueológico. Além disso, não há fontes históricas na Sicília neste momento para determinar o que a comunidade estava bebendo.

Novas técnicas de análise

A drª Léa Drieu, assistente de pesquisa de pós-doutorado no Departamento de Arqueologia da Universidade de York, que realizou a análise, disse: “Tivemos que desenvolver algumas novas técnicas de análise química para determinar que eram traços de uva que estávamos vendo e não alguns outro tipo de fruta. Mas os resíduos orgânicos reveladores encontrados nas ânforas na Sicília, em Palermo e em outros lugares, mostraram que o conteúdo era quase certamente vinho”.

Os comerciantes islâmicos de vinho parecem ter dado ao vinho siciliano uma nova “marca”. Eles usaram um tipo particular de ânfora, que os pesquisadores agora podem rastrear por todo o país e além para identificar suas rotas comerciais.

A pesquisa mais ampla da equipe nessa área mostra grande prosperidade neste período, impulsionada não só pelo comércio do vinho, mas por novas safras, comércio de peixes salgados, queijos, especiarias e açúcar. As rotas comerciais mostram o aumento da produção e das ligações comerciais entre os mundos cristão e islâmico. Isso trouxe uma nova era de prosperidade, que funcionou ao lado das “velhas” indústrias existentes na Sicília.

O professor Oliver Craig, que dirige o centro BioArCh, onde a pesquisa foi realizada, declarou: “Agora que temos um teste rápido e confiável para produtos de uva em recipientes de cerâmica, será interessante investigar a história mais profunda, e até mesmo a pré-história, de produção e comércio de vinho no Mediterrâneo”.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago