Mudança climática aumentará número de casos de pedras nos rins

Mesmo num cenário com emissões de CO2 mais baixas e ampliação das áreas florestadas, número de casos ainda subiria

Cálculo renal: viés de alta no número de casos com o aquecimento do planeta. Crédito: Monster4711/Wikimedia Commons

O aumento das temperaturas devido à mudança climática levará a um aumento nos casos de cálculos renais nas próximas sete décadas, mesmo se medidas forem postas em prática para reduzir as emissões de gases de efeito estufa, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores do Hospital Infantil da Filadélfia (CHOP, nos EUA). Com base em dados do estado da Carolina do Sul, o estudo constatou que o aumento será mais acentuado se nenhuma ação for tomada, mas ocorrerá um aumento mesmo com ações de mitigação, custando ao sistema de saúde estadual aproximadamente US$ 57 milhões neste último cenário e US$ 99 milhões se nada for feito.

Os resultados foram publicados na revista Scientific Reports.

“Embora seja impossível prever com certeza como as políticas futuras irão desacelerar ou acelerar as emissões de gases de efeito estufa e as mudanças climáticas antropogênicas, e saber exatamente quais serão as temperaturas diárias futuras, nossa análise sugere que um planeta em aquecimento provavelmente causará um aumento na carga de cálculos nos rins nos sistemas de saúde”, disse Gregory E. Tasian, urologista pediátrico assistente na Divisão de Urologia do Hospital Infantil da Filadélfia e autor sênior do estudo.

Aumento no risco após dias quentes

A pedra nos rins é uma condição dolorosa causada por depósitos duros de minerais que se desenvolvem na urina concentrada e causam dor ao passar pelo trato urinário. A incidência da doença aumentou nos últimos 20 anos, principalmente entre mulheres e adolescentes. Pesquisas anteriores demonstraram que as altas temperaturas ambientes aumentam o risco de desenvolver cálculos renais. Nos Estados Unidos, há um aumento na incidência de cálculos renais de norte a sul, e observa-se um rápido aumento no risco de apresentações de cálculos renais após dias quentes. No entanto, estudos anteriores não projetavam com precisão como a mudança climática afetará a carga de cálculos renais no futuro.

Para fazer isso, os pesquisadores criaram um modelo destinado a estimar o impacto do calor nas futuras apresentações de cálculos renais na Carolina do Sul. Os pesquisadores optaram por usar a Carolina do Sul como estado modelo porque ela fica dentro do “cinturão de cálculos renais” dos Estados Unidos, uma região no sudeste dos Estados Unidos com maior incidência de doenças de cálculos renais. O estado também usa um banco de dados de sinistros de todos os pagadores, o que significa que os pesquisadores podem capturar diagnósticos de pedras em toda a população, independentemente do status do pagador.

Os pesquisadores primeiramente determinaram a relação entre as temperaturas médias diárias históricas em todo o estado e as apresentações de cálculos renais na Carolina do Sul de 1997 a 2014. Os pesquisadores usaram as temperaturas de bulbo úmido (WBT), uma métrica de calor úmido que contabiliza tanto o calor ambiente quanto a umidade e é uma métrica mais precisa para prever cálculos renais. Eles então usaram esses dados para prever o número relacionado ao calor de pedras nos rins e os custos associados até 2089 com base no WBT diário projetado em dois cenários de mudança climática.

Diferentes cenários

O primeiro cenário de mudança climática (RCP 4.5) representa um futuro “intermediário”, com mudanças para fontes de energia com emissões mais baixas, o uso de tecnologia de captura de carbono, emissões de CO2 precificadas e uma expansão de áreas florestais dos dias atuais para 2100. O segundo cenário (RCP 8.5) representa um futuro com emissões de gases de efeito estufa basicamente sem inibições. O RCP 4.5 projeta um aumento de 2,3°C na temperatura média por período de 5 anos de 2010-2014 a 2085-2089, enquanto o RCP 8.5 projeta um aumento de 3,6°C no mesmo período.

Usando seu modelo, os pesquisadores descobriram que em 2089, as pedras nos rins devido ao calor aumentariam em todo o estado em 2,2% da linha de base no futuro “intermediário” do RCP 4.5 e em 3,9% no RCP 8.5. Com base em um custo médio por paciente de linha de base de mais de US$ 9.000, os pesquisadores previram que de 2025 a 2089, o custo total atribuível a esses cálculos renais em excesso seria de US$ 56,6 milhões para RCP 4,5 e US$ 99,4 milhões para RCP 8,5.

“Nossa análise é um modelo para conceituar como a carga da doença de pedra nos rins deve progredir com a mudança climática e também como as mitigações das emissões de gases de efeito estufa podem compensar parte dessa carga”, disse o primeiro autor Jason Kaufman, quartanista da Escola de Medicina Perelman da Universidade da Pensilvânia.

“Com a mudança climática, não falamos com frequência sobre o impacto na saúde humana, especialmente quando se trata de crianças, mas um planeta em aquecimento terá efeitos significativos na saúde humana”, disse Tasian. “Como pesquisadores pediátricos, temos o dever de explorar o peso da mudança climática na saúde humana, já que as crianças de hoje viverão essa realidade no futuro.”

Veja também
+ Jovem grava momento em que mulher morre sem saber que se tratava de sua mãe
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago