• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia20/07/2022

Mudança climática causou agitação civil entre os maias

Mayapan, no Yucatán: turbulência social no século 15. Crédito: Bradley Russell

20/07/22 - 10h11min

Um longo período de turbulência na cidade pré-colombiana maia de Mayapan, na região de Yucatán, no México, foi marcado por declínios populacionais, rivalidades políticas e conflitos civis. Entre 1441 e 1461 d.C., o conflito atingiu um desafortunado clímax – o colapso institucional completo e o abandono da cidade. Tudo isso ocorreu durante uma seca prolongada.

Coincidência? Não é provável, segundo uma nova pesquisa do antropólogo e professor Douglas Kennett, da Universidade da Califórnia em Santa Barbara (EUA). Seu trabalho foi publicado na revista Nature Communications.

Kennett e seus colaboradores nas áreas de arqueologia, história, geografia e ciências da terra sugerem que a seca pode de fato ter alimentado o conflito civil que gerou a violência, a qual por sua vez levou às instabilidades institucionais que precipitaram o colapso do governo de Mayapan. Esse trabalho transdisciplinar, disseram os pesquisadores, “destaca a importância de entender as complexas relações entre os sistemas natural e social, especialmente ao avaliar o papel das mudanças climáticas na exacerbação das tensões políticas internas e do faccionalismo em áreas onde a seca leva à insegurança alimentar”.

Impacto devastador

“Encontramos relações complexas entre as mudanças climáticas e a estabilidade/instabilidade social em nível regional”, disse Kennett em entrevista. “O conflito civil induzido pela seca teve um impacto local devastador na integridade das instituições estatais de Mayapan que foram projetadas para manter a ordem social. No entanto, a fragmentação das populações em Mayapan resultou em uma reorganização populacional e social altamente resiliente por cem anos até os espanhóis chegaram ao litoral do Yucatán.”

Os pesquisadores examinaram dados arqueológicos e históricos de Mayapan, incluindo registros de isótopos, dados de radiocarbono e sequências de DNA de restos humanos, para documentar em particular um intervalo de agitação entre 1400 e 1450 d.C. Eles então usaram fontes regionais de dados climáticos e os combinaram com um registro local mais recente de seca de depósitos de cavernas sob a cidade, explicou Kennett.

“As tensões entre facções existentes que se desenvolveram entre grupos rivais foram uma vulnerabilidade social essencial no contexto de secas prolongadas durante esse intervalo”, disse Kennett. “Dor, sofrimento e morte resultaram de instabilidades institucionais em Mayapan e a população se fragmentou e voltou para suas terras de origem em outros lugares da região.”

As vulnerabilidades reveladas nos dados, descobriram os pesquisadores, estavam enraizadas na dependência maia da agricultura de milho de sequeiro, falta de armazenamento de grãos centralizado e de longo prazo, investimentos mínimos em irrigação e um sistema sociopolítico liderado por famílias de elite com interesses políticos concorrentes.

Resiliência

De fato, os autores argumentam que “dificuldades de longo prazo causadas pelo clima provocaram tensões inquietantes que foram atiçadas por atores políticos cujas ações culminaram em violência política mais de uma vez em Mayapan”.

No entanto, significativamente, uma rede de pequenos estados maias também provou ser resiliente após o colapso em Mayapan, em parte migrando pela região para cidades que ainda estavam prosperando. Apesar da descentralização, impactos comerciais, agitação política e outros desafios, observa o documento, eles se adaptaram e persistiram no início do século 16. Tudo aponta para a complexidade das respostas humanas à seca na Península de Yucatán naquela época – uma consideração importante tanto para o futuro quanto para o passado.

“Nosso estudo demonstra que a convergência de informações de várias disciplinas científicas nos ajuda a explorar questões grandes e altamente relevantes”, disse Kennett, “como o impacto potencial das mudanças climáticas na sociedade e outras questões com enormes implicações sociais”.

“As mudanças climáticas me preocupam, particularmente no oeste dos EUA, mas são realmente as complexidades das mudanças sociais em resposta às perturbações climáticas que mais me preocupam”, acrescentou. “Os registros arqueológicos e históricos fornecem lições do passado, e também temos muito mais informações sobre o clima de nossa Terra e as vulnerabilidades potenciais em nossos próprios sistemas sociopolíticos.”

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


climática