Mudança climática deixará costa da Antártida verde, dizem cientistas

Alterações já são perceptíveis no litoral da Península Antártica, onde se observam florescências de algas verdes

O pesquisador Matt Davey colhe amostras de algas da neve em Lagoon Island, Antártida: mudanças perceptíveis. Crédito: Sarah Vincent

Cientistas criaram o primeiro mapa de algas microscópicas em grande escala já que floresciam na superfície da neve ao longo da costa da Península Antártica. Os resultados indicam que é provável que essa “neve verde” se espalhe à medida que as temperaturas globais aumentam.

A equipe, envolvendo pesquisadores das universidades de Cambridge e Edimburgo (Reino Unido) e da British Antarctic Survey, combinou dados de satélite com observações no solo durante dois verões na Antártida para detectar e medir as algas verdes da neve. Cada alga individualmente tem um tamanho microscópico, mas, quando cresce em massa, torna a neve verde brilhante e pode ser vista do espaço. O estudo foi publicado na revista “Nature Communications”.

“Este é um avanço significativo em nossa compreensão da vida terrestre na Antártida e como ela pode mudar nos próximos anos à medida que o clima esquenta”, disse Matt Davey, do Departamento de Ciências Vegetais da Universidade de Cambridge, que liderou o estudo. “As algas da neve são um componente essencial da capacidade do continente de capturar dióxido de carbono da atmosfera através da fotossíntese.”

LEIA TAMBÉM: Temperatura na Antártida bate novo recorde de calor

Florescências de algas verdes da neve são encontradas ao redor da costa antártica, particularmente em ilhas ao longo da costa oeste da Península Antártica. Eles crescem em áreas “mais quentes”, onde as temperaturas médias ficam um pouco acima de 0 ° Celsius durante o verão austral (de novembro a fevereiro). A Península é a parte da Antártida que experimentou o aquecimento mais rápido na última parte do século passado.

Influência animal

A equipe descobriu que a distribuição de algas verdes da neve também é fortemente influenciada por aves e mamíferos marinhos, cujos excrementos atuam como um fertilizante natural altamente nutritivo para acelerar o crescimento de algas. Mais de 60% das flores foram encontradas a cinco quilômetros de uma colônia de pinguins. Também foram observadas algas crescendo perto dos locais de nidificação de outras aves, incluindo skuas, e áreas onde as focas vêm à terra.

A equipe usou imagens do satélite Sentinel 2 da Agência Espacial Europeia (ESA), tiradas entre 2017 e 2019, e as combinou com medições feitas na Antártida em Ryder Bay, Ilha Adelaide e na Península de Fildes, na Ilha Rei George.

“Identificamos 1.679 florescências separadas de algas verdes na superfície da neve, que juntas cobriam uma área de 1,9 km2, o que equivale a um sumidouro de carbono de cerca de 479 toneladas por ano”, disse Davey. No contexto, é a mesma quantidade de carbono emitida por cerca de 875 mil viagens médias de carros a gasolina no Reino Unido.

Quase dois terços das florescências de algas verdes estavam em pequenas ilhas baixas, sem terreno alto. À medida que a Península Antártica se aquece devido ao aumento da temperatura global, essas ilhas podem perder a cobertura de neve do verão e, com isso, as algas da neve. No entanto, em termos de massa, a maioria das algas da neve é ​​encontrada em um pequeno número de flores maiores no norte da Península e nas ilhas Shetland do Sul, em áreas onde elas podem se espalhar por terrenos mais altos à medida que a neve baixa derrete.

Massa em crescimento

“À medida que a Antártida se aquece, prevemos que a massa total de algas da neve aumentará, pois a expansão para áreas mais altas superará significativamente a perda de pequenas manchas de algas nas ilhas”, disse Andrew Gray, principal autor do artigo e pesquisador da Universidade de Cambridge e da NERC Field Spectroscopy Facility, em Edimburgo.

A fotossíntese é o processo pelo qual plantas e algas geram sua própria energia, usando a luz solar para capturar dióxido de carbono da atmosfera e liberar oxigênio. Existem muitos tipos diferentes de algas, desde as minúsculas espécies unicelulares medidas nesse estudo até as grandes espécies de folhas como algas gigantes. A maioria das algas vive em ambientes aquosos e, quando há excesso de nitrogênio e fósforo, elas podem se multiplicar rapidamente para criar florescências visíveis de algas.

Os pesquisadores dizem que a quantidade total de carbono contida nas algas da neve antártica provavelmente será muito maior porque o dióxido de carbono também é absorvido por outras algas vermelhas e alaranjadas, que não puderam ser medidas nesse estudo. Eles planejam mais trabalho para medir essas outras proliferações de algas, e também para medir toda a Antártida, usando uma mistura de trabalho de campo e imagens de satélite.

A Antártida é o continente mais ao sul do mundo, normalmente conhecido como uma terra congelada de neve e gelo. Mas a vida terrestre pode ser abundante, principalmente ao longo de sua costa, e está respondendo rapidamente às mudanças climáticas na região. Musgos e líquens formam os dois maiores grupos visíveis de organismos fotossintetizantes e foram os mais estudados até o momento. O novo estudo descobriu que as algas microscópicas também desempenham um papel importante no ecossistema da Antártida e em seu ciclo de carbono.

O pesquisador Matt Davey colhe amostras de algas da neve em Lagoon Island, Antártida: mudanças perceptíveis. Crédito: Sarah Vincent

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança