• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured25/05/2022

Mudança do clima torna ondas de calor no sul da Ásia 30 vezes mais prováveis

Mulher indiana bebe água durante a onda de calor no país, em 29 de março de 2022: problema tende a piorar. Crédito: UNDP India

25/05/22 - 08h40min

Uma análise feita por cientistas do grupo World Weather Attribution (WWA) mostrou que o calor extremo que atinge boa parte da Índia e do Paquistão nas últimas semanas tornou-se 30 vezes mais provável por causa das mudanças climáticas. Desde março, a porção ocidental do subcontinente indiano, no sul da Ásia, sofre com temperaturas muito acima da média histórica, o que vem desencadeando problemas de abastecimento de água e energia, além do derretimento de geleiras glaciais na região do Himalaia, causando o colapso de reservatórios e a inundação de aldeias.

De acordo com a análise, um evento da mesma natureza em condições pré-industriais teria sido cerca de 1ºC mais frio em comparação com o que se experimenta atualmente na Índia e no Paquistão. Além disso, projeções de aquecimento futuro indicam que ondas de calor podem se tornar ainda mais frequentes nas próximas décadas se o planeta continuar em uma trajetória de aquecimento acima dos 2ºC em relação aos níveis pré-industriais até o final deste século.

Onda de calor seca

“É importante notar que esta onda de calor precoce foi acompanhada por chuvas e umidade muito abaixo da média e, portanto, constituiu uma onda de calor seca, tornando a umidade muito menos importante para os impactos na saúde do que as ondas de calor que ocorrem no final da temporada e nas áreas costeiras”, destacou o estudo. Os autores também alertaram para a necessidade de se avançar com medidas de adaptação em um cenário no qual eventos desse tipo se tornem mais frequentes, o que é crônico em países extremamente desiguais, como é o caso de Índia e Paquistão. “Mitigar ainda mais o aquecimento é essencial para evitar a perda de vidas e meios de subsistência”.

GuardianNY TimesReuters e Washington Post repercutiram o estudo, que também teve destaque no EcoDebate.

Em tempo: Ainda sobre clima extremo, a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos projetou que a temporada 2022 de tempestades tropicais no Atlântico será a 7ª seguida com eventos acima da média histórica. Segundo a NOAA, existe 65% de chance de uma temporada acima do normal, com um total de tempestades nomeadas de 14 a 21, dos quais seis a dez podem se tornar furacões, incluindo três a seis de grande porte (categorias 3, 4 e 5). ReutersWall Street Journal e Washington Post repercutiram a informação.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


ásia