Mulheres da elite teriam governado região da Espanha há 4 mil anos

Objetos requintados encontrados em túmulos de mulheres sugerem que elas eram as soberanas, enquanto os homens desempenhavam funções executivas

Vista aérea do sítio de La Almoloya, um dos centros da cultura argárica. Crédito: cortesia Arqueoecologia Social Mediterrània/Universidade Autônoma de Barcelona

As mulheres da classe dominante podem ter desempenhado um papel de destaque na governança de El Argar, uma sociedade que floresceu no sudeste da Península Ibérica entre 2200 a.C. e 1550 a.C. e que, nos últimos dois séculos de sua existência, tornou-se a primeira organização estatal do Mediterrâneo Ocidental.

As conclusões são de pesquisadores da Universidade Autônoma de Barcelona (UAB, na Espanha). Eles conduziram um estudo que analisou o conteúdo de uma tumba principesca (túmulo 38), contendo dois indivíduos e uma grande quantidade de itens valiosos. A tumba foi descoberta em 2014 no sítio arqueológico de La Almoloya, em Pliego, região de Múrcia, sob o que mais tarde foi identificado como o salão de governo de um edifício palaciano. Um artigo sobre o estudo foi publicado na revista “Antiquity”.

“La Almoloya e a sepultura principesca 38 pertencem a esses excepcionais achados arqueológicos, que de vez em quando permitem vislumbrar os súditos dominantes e os objetos emblemáticos das primeiras sociedades estatais emergentes na Europa durante a Idade do Bronze”, afirma Vicente Lull, um dos coordenadores do estudo. A pesquisa deu aos arqueólogos uma visão sobre o poder político e econômico da classe dominante em El Argar.

Objetos de prestígio

Dois indivíduos foram enterrados em um grande jarro de cerâmica: um homem de 35 a 40 anos e uma mulher de 25 a 30 anos. Ao lado deles estava uma série de cerca de 30 objetos valiosos e de prestígio, muitos dos quais foram feitos ou embelezados com prata. Quase todos pertenciam à mulher. Havia um repertório muito completo de joias e objetos pessoais. Eles incluíam pulseiras, tampões para as orelhas, colares, espirais e recipientes com oferendas de animais. O item mais notável era um diadema de prata encontrado na cabeça da mulher.

Um estudo detalhado do diadema encontrado em La Almoloya e sua comparação com quatro outros encontrados no século 19 nos túmulos de mulheres ricas no sítio de El Argar, que dá nome à sociedade e cultura argárica, aponta para o fato de que todos deles, apesar de serem notadamente uniformes, eram peças altamente exclusivas. Eles foram criados em uma oficina de ourives como a recentemente descoberta em Tira del Lienzo. Esse outro sítio argárico foi escavado pela mesma equipe da UAB alguns anos atrás.

“A singularidade desses diademas é extraordinária. Eles eram objetos simbólicos feitos para essas mulheres, transformando-as em sujeitos emblemáticos da classe dominante”, explica Cristina Rihuete, que também participou do estudo. “Cada peça é única, comparável a objetos funerários pertencentes à classe dominante de outras regiões, como Bretanha, Wessex e Únětice (República Checa), ou no Mediterrâneo oriental do século 17 a.C., contemporâneo de nosso túmulo 38”.

Interior do túmulo 38: restos mortais de um casal da classe dominante. Crédito: cortesia Arqueoecologia Social Mediterrània/Universidade Autônoma de Barcelona
Papel destacado

Segundo os pesquisadores, a opulência dos bens funerários encontrados nos túmulos das mulheres da elite de El Argar, nos quais os diademas têm particular importância, é um indicativo do papel destacado desempenhado por essas mulheres na governança de alguns desses assentamentos. É o caso de La Almoloya, berço da sociedade argárica e centro do poder político e econômico mais relevante da região.

As mulheres eram governantes ou os emblemas de poder usados ​​por elas tinham apenas valor simbólico? Essa é a questão na qual a equipe de pesquisa está interessada. E sua resposta é que provavelmente elas eram as governantes. “Na sociedade argárica, as mulheres das classes dominantes eram enterradas com diademas, enquanto os homens eram enterrados com espada e punhal. Os bens funerários enterrados com esses homens eram em menor quantidade e qualidade. Como as espadas representam o instrumento mais eficaz para reforçar as decisões políticas, os homens dominantes de El Argar podem ter desempenhado um papel executivo, embora a legitimação ideológica e, talvez, o governo, estivesse nas mãos de algumas mulheres”, argumentam os pesquisadores.

Descendência compartilhada

De acordo com as análises genéticas conduzidas no Instituto Max Planck (Alemanha), os indivíduos enterrados no túmulo 38 eram contemporâneos e morreram simultaneamente ou próximos um do outro em meados do século 17 a.C. Eles não eram parentes, mas tinham uma filha, que foi encontrada enterrada perto deles. A mulher tinha várias anomalias congênitas, junto com marcas nas costelas que poderiam indicar que ela tinha uma infecção pulmonar no momento da morte. Enquanto isso, o homem também apresentava desgaste nos ossos, indicativo de intensa atividade física, possivelmente passeios a cavalo.

Os objetos de metal do túmulo 38 também se destacam em termos quantitativos. O peso total da prata é de aproximadamente 230 gramas. Isso equivale a 27,5 siclos, moeda usada durante a época de Hamurabi, o governante da Babilônia, na primeira metade do século 18 a.C. (contemporâneo de El Argar), e adaptado por outras economias do Oriente Médio e do Mar Egeu. Assim, a prata encontrada em La Almoloya seria suficiente para pagar cerca de 938 salários diários ou comprar 3.350 kg de cevada.

Notavelmente, o peso médio das três espirais de prata de tamanho médio usadas por ambos os indivíduos é de 8,44 g, o que corresponde ao peso do shekel mesopotâmico (8,33 g). Além disso, os pesos de outras espirais de prata encontradas no túmulo 38 são praticamente frações ou multiplicações dessa figura. “Esta pode ser uma distribuição aleatória ou pode indicar um sistema padronizado de pesos e medidas que espelham exemplos orientais contemporâneos. Mais pesquisas são necessárias para determinar isso. Mas a possibilidade de detectar um sistema métrico por trás das espirais de prata é uma indicação adicional da extensão do controle econômico exercido pela classe dominante em El Argar”, ressalta Roberto Risch, coautor do estudo.

Unidade política

Ao contrário das tumbas encontradas em El Argar, onde não há conhecimento do espaço em que foram colocados, os bens funerários no túmulo 38 e o diadema ofereceram a possibilidade de interpretar a sua localização dentro de um cenário arquitetônico. “A presença de objetos emblemáticos enterrados em um lugar tão importante como é o ‘parlamento’ de La Almoloya poderia representar a unidade política entre as regiões argáricas durante o último período desta sociedade, no século 17 a.C. O edifício foi destruído em um incêndio logo depois dos enterros”, explica Rafael Micó, também codiretor do projeto.

A sociedade de El Argar floresceu de 2.200 a 1550 a.C. no sudeste da Península Ibérica (Múrcia e Almeria). Ela representa uma sociedade do início da Idade do Bronze com centros urbanos e construções monumentais, uma divisão de trabalho desenvolvida, sepulturas intramuros com marcadas assimetrias funerárias de gastos entre indivíduos, fronteiras políticas e violência institucionalizada no contexto de uma sociedade estatal de classe. Os assentamentos mais importantes são El Argar, La Bastida e La Almoloya.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago