Mulheres se excitam tanto quanto homens frente a imagens sexuais

Imagens eróticas causam basicamente o mesmo efeito no cérebro nos dois sexos biológicos. Imagem: "A Planta de Adônis", Hokusai/Wikimedia

Mapeamento do cérebro mostra que os dois sexos biológicos reagem basicamente da mesma forma a essas imagens

 

A ideia de que os homens são mais propensos a se excitar quando veem imagens sexuais parece ser um equívoco, segundo um estudo publicado na revista “PNAS” e noticiado no jornal “The Guardian”. “Pelo menos no nível da atividade neural (…), os cérebros de homens e mulheres respondem da mesma maneira à pornografia”, afirma Hamid Noori, do Instituto Max Planck de Cibernética Biológica (Alemanha), um dos autores da pesquisa.

Noori e seus colegas chegaram a essa conclusão analisando os resultados de 61 estudos publicados envolvendo adultos de diferentes sexos biológicos e orientação sexual. Os pesquisadores lhes mostraram tanto imagens cotidianas de pessoas como imagens eróticas, enquanto uma máquina mapeava seu cérebro. Segundo Noori, todos os participantes classificaram as imagens sexuais como excitantes antes de seu cérebro ser escaneado.

 

LEIA TAMBÉM: Neurossexismo: o cérebro é masculino ou feminino?

 

A equipe de Noori encontrou poucos sinais de diferenças funcionais entre as pessoas que passaram pelos testes. Quando imagens sexuais foram mostradas, observou-se uma mudança na atividade nas mesmas regiões do cérebro dos dois sexos biológicos, incluindo a amígdala, a ínsula e o corpo estriado. “Muitas dessas regiões estão associadas ao processamento de informações emocionais e parte delas também está conectada ao circuito de processamento de recompensas”, diz Noori.

Segundo os autores do estudo publicado na “PNAS”, as diferenças na forma como os cérebros de homens e mulheres respondem às imagens eróticas podem ter sido exageradas, com pesquisas anteriores possivelmente afetadas por amostras pequenas ou atitudes diferentes entre os participantes em relação ao material apresentado.

blog comments powered by Disqus