• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured23/06/2022

Mulheres têm propensão maior a sofrer de covid longa do que homens

Crédito: engin akyurt/Unsplash

23/06/22 - 11h51min

Um estudo publicado na revista Current Medical Research and Opinion revela que as mulheres são “significativamente” mais propensas a sofrer de covid longa do que os homens e experimentam sintomas substancialmente diferentes.

A covid longa é uma síndrome na qual as complicações persistem por mais de quatro semanas após a infecção inicial da covid-19, às vezes por muitos meses.

Pesquisadores do Escritório da Johnson & Johnson da principal autoridade de saúde dos EUA para a saúde das mulheres, que realizaram a análise de dados de cerca de 1,3 milhão de pacientes, observaram que mulheres com covid longa estão apresentando uma variedade de sintomas, incluindo problemas de ouvido, nariz e garganta; distúrbios do humor, neurológicos, cutâneos, gastrointestinais e reumatológicos; assim como o cansaço. Os pacientes do sexo masculino, no entanto, eram mais propensos a apresentar distúrbios endócrinos, como diabetes e distúrbios renais.

Conhecimento crucial

“O conhecimento sobre as diferenças sexuais fundamentais que sustentam as manifestações clínicas, a progressão da doença e os resultados de saúde da covid-19 é crucial para a identificação e o desenho racional de terapias eficazes e intervenções de saúde pública que sejam inclusivas e sensíveis às possíveis necessidades de tratamento diferencial de ambos. sexos”, explicam os autores.

“As diferenças na função do sistema imunológico entre mulheres e homens podem ser um importante fator de diferenças sexuais na síndrome de covid longa. As mulheres montam respostas imunes inatas e adaptativas mais rápidas e robustas, que podem protegê-las da infecção inicial e da gravidade. No entanto, essa mesma diferença pode tornar as mulheres mais vulneráveis ​​a doenças autoimunes prolongadas.”

Como parte da revisão, os pesquisadores restringiram sua pesquisa de trabalhos acadêmicos àqueles publicados entre dezembro de 2019 e agosto de 2020 para a covid-19 e janeiro de 2020 a junho de 2021 para síndrome de covid longa. O tamanho total da amostra abrangendo artigos revisados ​​foi de 1.393.355 indivíduos únicos.

Embora o número de participantes pareça grande, apenas 35 do total de 640.634 artigos na literatura forneceram dados desagregados por sexo com detalhes suficientes sobre sintomas e sequelas da covid-19 para entender como mulheres e homens experimentam a doença de maneira diferente.

Transtornos de humor

Na análise dos dados coletados, os resultados mostram que as pacientes do sexo feminino eram muito mais propensas a apresentar transtornos de humor, como depressão, sintomas no ouvido, no nariz e na garganta, dor musculoesquelética e sintomas respiratórios. Os pacientes do sexo masculino, por outro lado, eram mais propensos a sofrer de distúrbios nos rins.

Os autores observam que essa síntese da literatura disponível está entre as poucas que detalham as condições de saúde específicas que ocorrem como resultado de doenças relacionadas à covid por sexo. Muitos estudos examinaram as diferenças entre os sexos na hospitalização, admissão na UTI, suporte ventilatório e mortalidade. Mas a pesquisa sobre as condições específicas causadas pelo vírus e seus danos em longo prazo ao corpo foram pouco estudadas quando se trata de sexo.

Dados anteriores limitados

“Diferenças entre sexos nos resultados foram relatadas durante surtos anteriores de coronavírus”, acrescentam os autores. “Portanto, as diferenças nos resultados entre mulheres e homens infectados com SARS-CoV-2 poderiam ter sido antecipadas. Infelizmente, a maioria dos estudos não avaliou ou relatou dados granulares por sexo, o que limitou os dados clínicos específicos do sexo que podem estar afetando o tratamento”. Idealmente, os dados desagregados por sexo devem ser disponibilizados mesmo que não seja o objetivo principal do pesquisador, para que outros pesquisadores interessados ​​possam usá-los para explorar diferenças importantes entre os sexos.

O artigo também observa fatores complicadores dignos de estudo adicional. Notavelmente, as mulheres podem estar em maior risco de exposição ao vírus em certas profissões, como enfermagem e educação. Além disso, “pode haver disparidades no acesso aos cuidados com base no gênero que podem afetar a história natural da doença, levando a mais complicações e sequelas”.

Este último serve como um grito de guerra: a disponibilidade de dados desagregados por sexo e a análise intencional é imperativa se quisermos garantir que os resultados díspares no curso da doença sejam abordados. Nenhuma pesquisa está completa a menos que os dados sejam disponibilizados para as pessoas que desejam responder à pergunta: sexo e gênero importam?

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

covid longa