• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia28/12/2021

Múmia de faraó é ‘desembrulhada’ digitalmente pela 1ª vez em 3 mil anos

Máscara facial da múmia nunca antes desembrulhada do faraó Amenófis I. Crédito: S. Saleem e Z. Hawass

28/12/21 - 11h06min - Atualizado em 28/12/21 - 11h07min

Todas as múmias reais egípcias encontradas nos séculos 19 e 20 há muito foram abertas para estudo. Com uma exceção: os egiptólogos nunca foram ousados ​​o suficiente para abrir a múmia do faraó Amenófis I (ou Amenhotep I).

Não por causa de qualquer maldição mítica, mas porque ela está perfeitamente embrulhada, lindamente decorada com guirlandas de flores e com o rosto e o pescoço cobertos por uma realística e requintada máscara facial entremeada com pedras coloridas.

Agora, pela primeira vez, cientistas do Egito usaram tomografia computadorizada tridimensional para “desembrulhar digitalmente” essa múmia e estudar seu conteúdo. Suas descobertas são relatadas na revista Frontiers in Medicine.

Danos de ladrões

Esta foi a primeira vez em três milênios que a múmia de Amenófis foi aberta. A época anterior foi no século 11 a.C., mais de quatro séculos após sua mumificação e sepultamento originais. Os hieróglifos descreveram como, durante o final da 21ª dinastia, os sacerdotes restauraram e reenterraram múmias reais de dinastias mais antigas, para reparar os danos causados ​​pelos ladrões de túmulos.

“O fato de a múmia de Amenófis I nunca ter sido desembrulhada nos tempos modernos nos deu uma oportunidade única: não apenas estudar como ele foi originalmente mumificado e enterrado, mas também como ele foi tratado e enterrado duas vezes, séculos após sua morte, por sumos sacerdotes de Amun”, disse o dr. Sahar Saleem, professor de radiologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Cairo e radiologista do Projeto Múmia Egípcia, o primeiro autor do estudo.

“Desdobrando digitalmente a múmia e ‘descascando’ suas camadas virtuais – a máscara facial, as bandagens e a própria múmia –, poderíamos estudar esse faraó bem preservado com detalhes sem precedentes”, afirmou Saleem.

Múmia do faraó, mostrando seu crânio encolhido e esqueleto dentro das bandagens. Crédito: S. Saleem e Z. Nuwass

Semelhança com o pai

“Mostramos que Amenófis I tinha aproximadamente 35 anos quando morreu. Ele tinha cerca de 169 centímetros de altura, era circuncidado e tinha bons dentes. Dentro de seu invólucro, ele usava 30 amuletos e um cinto de ouro exclusivo com contas de ouro.”

“Amenófis I parece ter se assemelhado fisicamente a seu pai. Ele tinha um queixo estreito, um nariz pequeno e estreito, cabelo encaracolado e dentes superiores ligeiramente protuberantes.”

Saleem continuou: “Não foi possível encontrar nenhum ferimento ou desfiguração devido a doença que justificasse a causa da morte, exceto numerosas mutilações post mortem, presumivelmente por ladrões de túmulos após seu primeiro enterro. Suas entranhas foram removidas pelos primeiros mumificadores, mas não seu cérebro ou coração.”

A múmia de Amenófis I (cujo nome significa “Amun está satisfeito”) foi descoberta em 1881 – entre outras múmias reais reenterradas – no sítio arqueológico Deir el Bahari, no sul do Egito. O segundo faraó da 18ª dinastia do Egito (depois de seu pai Ahmose I, que expulsou os invasores hicsos e reunificou o Egito), Amenófis governou de aproximadamente 1525 a.C. a 1504 a.C. Sua era foi uma espécie de idade de ouro: o Egito era próspero e seguro, e o faraó ordenou uma farra de construções religiosas e liderou expedições militares bem-sucedidas à Líbia e ao norte do Sudão. Após sua morte, ele e sua mãe, Ahmose-Nefertari, foram adorados como deuses.

Crânio do faraó, incluindo os dentes em boas condições. Crédito: S. Saleem e Z. Hawass

Teoria refutada

Sahar Saleem e seu coautor egiptologista, dr. Zahi Hawass, haviam especulado anteriormente que a principal intenção dos restauradores do século 11 era reutilizar o equipamento do enterro real para os faraós posteriores. Mas aqui eles refutam sua própria teoria.

“Mostramos que, pelo menos para Amenófis I, os sacerdotes da 21ª dinastia amorosamente repararam os ferimentos infligidos pelos ladrões de túmulos, restaurando sua múmia à sua antiga glória, e preservaram as magníficas joias e os amuletos no lugar”, disse Saleem.

Hawass e Saleem estudaram mais de 40 múmias reais do Novo Reino no Projeto do Ministério da Antiguidade Egípcia lançado em 2005. Vinte e duas múmias reais, incluindo a de Amenófis I, foram transferidas em abril de 2021 para um novo museu no Cairo. O rosto da múmia de Amenófis I com sua máscara foi o ícone da espetacular “Royal Golden Mummy Parade”, em 3 de março de 2021, no Cairo.

“Mostramos que a tomografia computadorizada pode ser usada lucrativamente em estudos antropológicos e arqueológicos em múmias, incluindo aquelas de outras civilizações, como o Peru”, concluíram Saleem e Hawass.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Ahmose I