A antiga Punt foi um importante parceiro comercial dos egípcios por pelo menos 1.100 anos. Era uma importante fonte de bens de luxo, incluindo incenso, ouro, peles de leopardo e babuínos vivos. Punt estava em algum lugar na região sul do Mar Vermelho, na África ou na Arábia. Sua localização geográfica tem sido motivo de debate por mais de 150 anos.

Um novo estudo que rastreia as origens geográficas de babuínos egípcios mumificados descobriu que eles se originaram de uma área que inclui os modernos Etiópia, Eritreia, Djibuti, Somália e Iêmen, o que fornece uma nova visão sobre a localização de Punt. Publicados na revista “eLife”, os resultados também demonstram a enorme variedade náutica dos primeiros marinheiros egípcios.

Uma equipe que incluiu primatologistas, egiptólogos, geógrafos e geoquímicos, liderada pelo Dartmouth College (EUA), analisou a composição isotópica de babuínos descobertos em túmulos e templos egípcios antigos e babuínos modernos de toda a África oriental e do sul da Arábia.

“A navegação de longa distância entre o Egito e Punt, duas entidades soberanas, foi um marco importante na história da humanidade porque impulsionou a evolução da tecnologia marítima. O comércio de produtos de luxo exóticos, incluindo babuínos, foi o motor por trás das primeiras inovações náuticas”, explica Nathaniel J. Dominy, professor de antropologia no Dartmouth College e autor principal do estudo.

Rota das especiarias

“Muitos estudiosos veem o comércio entre o Egito e Punt como o primeiro longo passo marítimo em uma rede de comércio conhecida como rota das especiarias, que viria a moldar fortunas geopolíticas por milênios. Outros estudiosos colocam de forma mais simples, descrevendo a relação Egito-Punt como o início da globalização econômica”, acrescentou Dominy.

“Os babuínos eram fundamentais para esse comércio. Então, determinar a localização de Punt é importante. Por mais de 150 anos, Punt foi um mistério geográfico. Nossa análise é a primeira a mostrar como os babuínos mumificados podem ser usados ​​para munir de informação esse debate duradouro.”

Os antigos egípcios reverenciavam babuínos ao longo de sua história, com as primeiras evidências datando de 3.000 a.C. Os babuínos foram até deificados, entrando no panteão dos deuses como manifestações de Thoth (Tote), um deus associado à Lua e à sabedoria.

Uma espécie, Papio hamadryas (o babuíno sagrado), era frequentemente retratada em pinturas de parede e outras obras, como um homem, em uma posição sentada com a cauda enrolada para a direita do corpo. A espécie estava entre os tipos de babuínos que eram mumificados nessa mesma posição com os lençóis cuidadosamente enrolados em seus membros e cauda. Outra espécie, Papio anubis (o babuíno verde-oliva), também foi mumificada, mas era tipicamente embrulhada em um grande casulo de uma maneira que refletia muito menos cuidado. No entanto, os babuínos nunca existiram naturalmente na paisagem egípcia e foram um produto do comércio exterior da região.

Mapa da África e crânio do espécime EA6738, um babuíno mumificado recuperado da antiga Tebas (Luxor dos dias modernos) e agora no acervo do Museu Britânico. A análise isotópica de EA6738 indica importação de algum lugar na região  em vermelho, um local provável para a lendária terra de Punt. Crédito: Jonathan Chipman e Nathaniel J. Dominy
Oxigênio e estrôncio

O estudo se concentrou em babuínos mumificados do período do Novo Reino (1550-1069 a.C.), disponíveis no Museu Britânico, e em espécimes do período ptolomaico (305-30 a.C.), disponíveis no Museu Petrie de Arqueologia Egípcia do University College de Londres. Além disso, os autores examinaram tecidos de 155 babuínos de 77 locais em todo o leste da África e sul da Arábia, abrangendo todos os locais hipotéticos para Punt. A equipe mediu as composições de isótopos de oxigênio e estrôncio e usou um método chamado mapeamento isotópico para estimar as origens geográficas dos espécimes recuperados do Novo Reino e sítios ptolomaicos no Egito.

O estrôncio é um elemento químico encontrado na rocha, que é específico de uma localização geográfica. Conforme o estrôncio sofre erosão, sua composição é absorvida pelo solo e pela água e entra na cadeia alimentar. À medida que os animais bebem a água e comem as plantas, seus dentes, pelos e ossos obtêm uma assinatura geográfica. Ela reflete onde esses animais viveram respectivamente no passado e mais recentemente.

Os babuínos devem beber água todos os dias e são considerados bebedores obrigatórios. Seus corpos refletem a composição de oxigênio da água na paisagem. O esmalte dos dentes adultos de um animal reflete a composição única de estrôncio de seu ambiente quando os dentes se formaram no início da vida. Em contraste, pelo e osso têm assinaturas de isótopos que refletem os meses anteriores (pelo) ou anos (ossos) de comportamento alimentar.

Localização limitada

De modo semelhante ao estrôncio, as composições de oxigênio (especificamente, isótopos) da água também podem variar de acordo com a localização geográfica. Mas os pesquisadores descobriram que os dados dos espécimes nessa categoria eram inconclusivos e refletiam apenas valores específicos do Egito.

Os resultados demonstram que os dois babuínos mumificados de P. hamadryas do período do Novo Reino, EA6738 e EA6736, nasceram fora do Egito. Provavelmente, eles vieram de um local na Eritreia, Etiópia ou Somália, o que restringe a localização de Punt.

Espécime EA6736 recuperado do Templo de Khons,do Novo Reino, hoje no acervo do Museu Britânico. Crédito: © The Trustees of the British Museum, distribuído sob termos de licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0.

Os dados sugerem que EA6736, um babuíno P. hamadryas, deve ter morrido logo, um dia ou meses, após chegar ao Egito. Os resultados indicam que seu esmalte e pelo não tiveram tempo suficiente para se converter à assinatura de oxigênio local da água potável.

Cinco espécies de P. anubis mumificados do período ptolomaico refletiram níveis de estrôncio consistentes com uma origem egípcia. Isso fornece indícios tentadores de um programa de reprodução em cativeiro para babuínos nesta época, provavelmente em Mênfis, uma antiga capital no Baixo Egito, a noroeste do Mar Vermelho.

Como os pesquisadores explicam no estudo, a localização estimada de Punt ainda é provisória, mas o papel que os babuínos desempenharam na rede de comércio do Mar Vermelho e sua distribuição geográfica são essenciais para a compreensão das origens históricas do comércio marítimo internacional.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago