• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured22/12/2021

Mutações em gene favorecem desenvolvimento do câncer de pele

Micrografia de melanoma maligno: descoberta de pesquisadores americanos pode ajudar no tratamento. Crédito: Nephron/Wikipedia

22/12/21 - 10h44min

Mutações do gene MLL4 nas células epiteliais da pele podem inibir a renovação das células saudáveis ​​e levar ao câncer de queratinócitos (as células mais comuns na pele), que coletivamente superam todos os outros cânceres humanos. Direcionar caminhos alterados por mutações MLL4 para induzir a morte da célula e a renovação celular adequadas oferece uma abordagem para suprimir o crescimento do tumor, de acordo com um novo estudo da Universidade da Pensilvânia (EUA). O estudo foi publicado este mês na revista Science Advances.

O gene MLL4 é um dos genes mais comumente alterados em todos os cânceres humanos. Trabalhos anteriores mostraram que o MLL4 está relacionado à supressão de tumores em uma variedade de cânceres, mas seu papel no câncer de pele era desconhecido.

Para descobrir como o MLL4 influencia o crescimento do câncer, os pesquisadores eliminaram apenas esse gene nos tecidos epiteliais de camundongos e descobriram que as células da pele proliferaram, a pele engrossou e uma forma de renovação e morte normal das células da pele, chamada ferroptose, foi inibida.

Impacto significativo

“As células da pele precisam ser capazes de sofrer morte celular”, disse o dr. Brian Capell, professor assistente de Dermatologia e Genética e principal autor do estudo. “Se as células não morrem e se transformam, elas permanecem, continuam a crescer e se tornam cancerosas. Vimos que a perda de MLL4 prejudicou a ferroptose, ativando genes que estimulam o crescimento do tumor e, ao mesmo tempo, suprimindo genes que previnem a proliferação cancerosa.”

Para combaterem o desenvolvimento de células cancerosas em indivíduos com mutações genéticas MLL4, os pesquisadores acreditam que medicamentos específicos capazes de promover a ferroptose podem ser uma forma futura de inibir o crescimento do câncer e estimular a renovação de células saudáveis.

“A boa notícia é que atualmente existem produtos farmacêuticos que corrigem e promovem as vias que são prejudicadas quando o MLL4 sofre mutação”, disse Capell. “Nosso laboratório planeja estudar se esses medicamentos promotores da ferroptose podem ser eficazes para tratar câncer de pele como o carcinoma de células escamosas. Outro caminho potencial para o tratamento envolve testar se esses medicamentos podem ser administrados em combinação com outras drogas anticâncer, como imunoterapias para melhorar as habilidades de cada um para interromper o câncer.”

Além do câncer, os cientistas da Universidade da Pensilvânia acreditam que a modulação da ferroptose pode ter um impacto significativo em outras doenças de pele marcadas por uma alteração anormal desse órgão, também, como a psoríase.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Brian Capell