Na era do gelo, caçadores ficaram no norte da Europa em vez de migrar

Evidências de ossos de raposas-do-ártico encontrados na Polônia mostram um sistema de caça deliberado e organizado

Raposa-do-ártico: objeto de caça intencional e organizada na Polônia de cerca de 27 mil anos atrás. Crédito: Pikist

Os antigos caçadores optaram por ficar na parte mais fria do norte da Europa, em vez de migrar para escapar das condições congelantes do inverno, descobriram arqueólogos britânicos e poloneses. Seu estudo foi publicado na revista “Journal of Archeological Science: Reports”.

Evidências de ossos de raposa-do-ártico mostram que comunidades que viviam há cerca de 27.500 anos matavam pequenas presas nas planícies inóspitas do norte da Europa durante os meses de inverno da última Idade do Gelo.

Os pesquisadores não encontraram evidências de moradias, sugerindo que as pessoas permaneciam por pouco tempo ou viviam em tendas na área escavada, Cracóvia Spadzista, no sul da Polônia (um dos maiores sítios do Paleolítico Superior na Europa Central). Até agora não estava claro se as pessoas se retiravam para outro lugar a cada inverno para evitar o frio intenso.

LEIA TAMBÉM: Estudo avalia 5 mil anos de história do gato doméstico na Europa Central

O dr. Alexander Pryor, da Universidade de Exeter (Reino Unido), que liderou o estudo, disse: “Nossa pesquisa mostra que os invernos rigorosos da última era do gelo não eram uma barreira para a atividade humana na área. Os caçadores faziam escolhas muito específicas sobre onde e quando matar suas presas.”

Pesquisadores escavando em busca de ossos para análise. Crédito: Universidade de Exeter
Reconstrução de detalhes

Os habitantes de Cracóvia Spadzista de cerca de 27.500 anos atrás mataram e massacraram um grande número de mamutes-lanudos e raposas-do-ártico no local. Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram reconstruir detalhes de como as raposas se moviam na paisagem antes de morrer, e também em que época do ano morriam. As descobertas foram feitas por meio da análise da química interna e das estruturas de crescimento do esmalte de seus dentes e raízes.

A análise dos dentes de quatro das 29 raposas caçadas mostra que cada uma nasceu e cresceu em um local diferente e migrou dezenas ou centenas de quilômetros para a região. Elas foram mortas por caçadores – por armadilhas, fossos ou outros métodos de captura – interessados em suas peles quentes e grossas, bem como em carne e gordura para comida. As carcaças foram trazidas de volta ao local para serem esfoladas e massacradas.

A análise do cemento dentário (tecido mineralizado especializado que recobre a superfície da raiz) de pelo menos 10 raposas demonstra que a maioria foi morta entre o final do inverno e o final da primavera, provavelmente no final do inverno. As raposas variavam em idade, de pré-adultas a muito velhas.

O estudo também envolveu Sylwia Pospuła, Piotr Wojtal, Nina Kowalik e Jarosław Wilczyński, da Academia Polonesa de Ciências, e Tereza Nesnídalová, da Universidade de Exeter.

Produção de ferramentas

Cerca de 2.400 ossos de raposa-do-ártico foram encontrados cerca de 30 metros ao sul de uma grande concentração de ossos de mais de 100 mamutes-lanosos que dominam o local, em uma área usada para a produção de ferramentas líticas e processamento de presas menores.

O estudo sugere que a raposa-do-ártico colonizou a área porque se deslocava em longas distâncias temporada a temporada, algo que esses animais ainda hoje fazem, para encontrar comida.

Pryor disse: “A raposa-do-ártico fornecia comida e peles para os caçadores do Paleolítico, com sua pelugem atingindo o comprimento total por volta do início de dezembro. Essa pele de inverno geralmente começa a cair no início da primavera. As raposas também armazenam reservas substanciais de gorduras corporais sazonalmente, que são maiores do final do outono até o inverno e não começam a se esgotar seriamente até o início da primavera. Os caçadores provavelmente atacavam as raposas no final do inverno, antes do início da queda de pelos e da perda de suprimentos essenciais de gordura. Os números elevados de restos de raposas encontrados no local sugerem que o que estava acontecendo era uma estratégia de aquisição deliberada e organizada, em vez de uma simples caça acidental.”

A análise dos dentes sugere que os caçadores estavam engajados na caça de inverno em grande escala de raposas-do-ártico solitárias que estavam amplamente espalhadas pela paisagem. O local foi usado como acampamento base para visitas abrangentes de manutenção de linhas de captura e processamento de peles.

Krakow Spadzista era um dos locais mais ao norte da Europa central durante o final do período Gravetiano (entre 31 mil e 22 mil anos atrás), quando grande parte da região das planícies do norte já havia sido abandonada. A temperatura média anual ficava então entre -1,0 °C e +4,3 °C.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança