Nasa: 5 coisas legais sobre a missão Lucy e a exploração dos asteroides troianos

Nasa: 5 coisas legais sobre a missão Lucy e a exploração dos asteroides troianos
Nasa: 5 coisas legais sobre a missão Lucy e a exploração dos asteroides troianos (Foto: Southwest Research Institute)

Uma nave espacial está indo aos estranhos asteroides troianos de Júpiter pela primeira vez. Adriana Ocampo, cientista planetária da sede da NASA em Washington, D.C. disse em uma coletiva de imprensa que a missão Lucy irá mudar profundamente a nossa compreensão da evolução planetária em nosso sistema solar.

A missão foi lançada a partir do Centro Espacial Kennedy em Cape Canaveral, na Flórida, no último sábado (16).

Os asteróides troianos são dois grupos de rochas espaciais que estão gravitacionalmente presas na mesma órbita de Júpiter ao redor do sol. Um grupo de troianos orbita à frente de Júpiter, já o outro segue o gigante gasoso em torno do sol.

Cientistas planetários acham que os asteroides poderiam ter se formado a diferentes distâncias do sol antes de se misturarem onde ficam atualmente, podendo ser alguns dos objetos mais antigos e primitivos do sistema solar, segundo eles.

A missão marcará várias outras novidades, desde os tipos de objetos que visitará até a forma como aciona seus instrumentos. Aqui estão cinco coisas legais que você deve saber sobre nossa primeira visita aos Trojans.

1. Os asteroides troianos são uma cápsula do tempo do sistema solar

Os troianos ocupam pontos conhecidos como pontos Lagrangianos, onde a gravidade do Sol e de Júpiter efetivamente se cancelam. Isso significa que suas órbitas são estáveis ​​por bilhões de anos.

Segundo Hal Levison, cientista planetário do Southwest Research Institute em Boulder, Colorado, e o principal investigador da missão, eles provavelmente foram colocados em suas órbitas pelo suspiro final do processo de formação do planeta.

Mas isso não significa que eles sejam todos iguais. Os cientistas podem dizer da Terra que alguns deles são cinzas e alguns são vermelhos, indicando que eles podem ter se formado em lugares diferentes antes de se estabelecerem em suas órbitas atuais. Talvez as cinzas tenham se formado mais perto do sol e as vermelhas tenham se formado mais longe do sol, de acordo com Levison.

Estudar as semelhanças e diferenças dos troianos pode ajudar os cientistas planetários a descobrir se e quando os planetas gigantes se moveram antes de se estabelecerem em suas posições atuais.

2. A espaçonave visitará mais objetos individuais do que qualquer outra espaçonave

Lucy visitará oito asteroides, incluindo suas luas. Ao longo de sua missão de 12 anos, eles visitarão um asteroide no cinturão de asteroides principal entre Marte e Júpiter, e sete troianos, dois dos quais são sistemas binários onde um par de asteróides orbita um ao outro.

A espaçonave observará a composição, forma, gravidade e geologia dos asteróides em busca de pistas de onde eles se formaram e como chegaram aos pontos de Lagrange.

Eles deverão chegar ao primeiro destino em abril de 2025, que será um asteroide no cinturão principal. Em seguida, a missão visitará cinco asteroides do grupo de troianos que orbitam o Sol à frente de Júpiter: Euribates e seu satélite Queta em agosto de 2027, Polymele em setembro de 2027, Leucus em abril de 2028 e Orus em novembro de 2028. Por fim, a nave espacial mudará para o outro lado de Júpiter e visitará os asteroides gêmeos Patroclus e Menoetius no grupo de rochas espaciais à direita em março de 2033.

3. Lucy terá uma rota de voo diferente 

Para fazer tantas paradas, Lucy precisará percorrer um caminho complexo. Primeiro, a espaçonave passará pela Terra duas vezes para obter um impulso gravitacional de nosso planeta que ajudará a impulsioná-la para o seu primeiro asteroide.

O sobrevoo mais próximo da Terra, em outubro de 2022, a levará a 300 quilômetros da superfície do planeta, mais perto do que a Estação Espacial Internacional, o Telescópio Espacial Hubble e muitos satélites. Os observadores na Terra podem até ser capazes de vê-la.

Então, em dezembro de 2030, depois de mais de um ano explorando o enxame  de troianos, Lucy voltará às vizinhanças da Terra para mais um impulso. O estilingue gravitacional final enviará a espaçonave para o outro lado do Sol para visitar o enxame “à direita”. Isso fará de Lucy a primeira espaçonave a se aventurar no sistema solar externo e voltar para perto da Terra novamente.

4. Lucy viajará mais longe do sol do que qualquer outra nave movida a energia solar

Outro recorde que Lucy vai quebrar tem a ver com sua fonte de energia: o sol. Lucy funcionará com energia solar até 850 milhões de quilômetros de distância do Sol, tornando-se a espaçonave movida a energia solar mais distante de todos os tempos.

Para fazer isso, Lucy tem um par de painéis solares enormes. Cada matriz de 10 lados tem mais de 7,3 metros de largura e inclui cerca de 4.000 células solares por painel, como um prédio de cinco andares.

5. A inspiração para o nome de Lucy é terrestre

As missões da NASA costumam receber nomes de cientistas famosos ou com siglas que descrevem o que a missão fará. Lucy, por outro lado, tem o nome de um fóssil.

Em 1974, quando o paleoantropólogo Donald Johanson e um estudante de graduação descobriram um fóssil de um ancestral humano que viveu há 3,2 milhões de anos, a equipe ouviu a música dos Beatles “Lucy in the Sky with Diamonds” no acampamento e chamou o fóssil de “Lucy”. Coincidentemente, o primeiro asteroide que a espaçonave Lucy visitará se chama Donaldjohanson.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago