Nasa acha três planetas intrigantes ao redor de estrela próxima

Um desses planetas extrassolares é um pouco maior que a Terra, e os outros dois são de um tipo não existente no nosso sistema solar

,
Súmula da Nasa dos planetas descobertos, incluindo seus tamanhos relativos e como eles se comparam à Terra. As temperaturas dadas para os planetas do TOI 270 são temperaturas de equilíbrio, calculadas sem os efeitos de aquecimento de quaisquer possíveis atmosferas. Imagem: Centro de Voos Espaciais Goddard da Nasa/Scott Wiessinger

O Transiting Exoplanet Survey Satellite (Tess), o mais novo caçador de planetas da Nasa, descobriu três novos mundos – um ligeiramente maior que a Terra e dois de um tipo não encontrado em nosso sistema solar – em órbita de uma estrela próxima, informa Francis Reddy no site da agência espacial americana. Um artigo descrevendo o sistema foi publicado na revista “Nature Astronomy”.

Os astros encontrados ocupam uma lacuna observada nos tamanhos de planetas conhecidos e prometem estar entre os alvos mais curiosos para futuros estudos.

O Objeto de Interesse do Tess (TOI, na sigla em inglês) 270 é uma estrela fraca e fria, identificada pelo nome de catálogo UCAC4 191-004642. Essa estrela anã do tipo M é cerca de 40% menor que o Sol em tamanho e massa e tem uma temperatura de superfície cerca de um terço menor que a do Sol. O sistema planetário está a aproximadamente 73 anos-luz de distância, na constelação de Pictor.

 

LEIA TAMBÉM: Estudo reduz número de planetas capazes de abrigar vida

 

“Esse sistema é exatamente o que o Tess foi projetado para encontrar – planetas pequenos e temperados que passam ou transitam em frente a uma estrela hospedeira inativa, sem atividade estelar excessiva, como labaredas”, disse o pesquisador Maximilian Günther, do Instituto Kavli de Astrofísica e Pesquisa Espacial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). “Esta estrela é calma e muito próxima de nós e, portanto, muito mais brilhante do que as estrelas hospedeiras de sistemas comparáveis. Com observações de acompanhamento prolongadas, em breve poderemos determinar a composição desses mundos, estabelecer se as atmosferas estão presentes e quais gases elas contêm e muito mais”.

 

Planeta rochoso

O planeta mais interno, TOI 270 b, é provavelmente um mundo rochoso cerca de 25% maior que a Terra. Ele orbita a estrela a cada 3,4 dias a uma distância cerca de 13 vezes mais próxima do que Mercúrio orbita o Sol. Com base em estudos estatísticos de exoplanetas conhecidos de tamanho similar, os cientistas calculam que o TOI 270 b tem uma massa cerca de 1,9 vezes maior que a da Terra.

Devido à sua proximidade com a estrela, o planeta b é um mundo bem quente. Sua temperatura de equilíbrio (a temperatura baseada apenas na energia que recebe da estrela, sem considerar os efeitos adicionais de aquecimento de uma possível atmosfera) é de cerca de 254 graus centígrados.

Os outros dois planetas, TOI 270 c e d, são, respectivamente, 2,4 e 2,1 vezes maiores que a Terra e orbitam a estrela a cada 5,7 e 11,4 dias. Embora tenham apenas cerca de metade do seu tamanho, ambos podem ser semelhantes a Netuno, com composições dominadas por gases, em vez de rocha. Eles provavelmente pesam cerca de 7 e 5 vezes a massa da Terra, respectivamente.

Espera-se que todos os planetas estejam presos à estrela, o que significa que eles só giram uma vez a cada órbita e mantêm o mesmo lado voltado para a estrela em todos os momentos, assim como a Lua em sua órbita ao redor da Terra.

 

Mini-Netunos

Os planetas c e d podem ser considerados mini-Netunos, um tipo de planeta não visto em nosso sistema solar. Os pesquisadores esperam que uma maior exploração do TOI 270 possa ajudar a explicar como dois desses mini-Netunos se formaram ao lado de um mundo quase do tamanho da Terra.

“Um aspecto interessante deste sistema é que seus planetas se estendem por uma lacuna bem estabelecida em tamanhos planetários conhecidos”, disse Fran Pozuelos, pesquisador de pós-doutorado da Universidade de Liège, na Bélgica, e coautor do estudo. “É incomum que os planetas tenham tamanhos entre 1,5 e 2 vezes o da Terra por razões provavelmente relacionadas ao modo como os planetas se formam, mas este ainda é um tópico altamente controverso. O TOI 270 é um excelente laboratório para estudar as margens dessa lacuna e nos ajudará a entender melhor como os sistemas planetários se formam e evoluem.”

A equipe de Günther está particularmente interessada no planeta mais externo, o TOI 270 d. Ela estima que a temperatura de equilíbrio ali seja de cerca de 66 °C. Isso torna aquele mundo o mais temperado do sistema – e, como tal, uma raridade entre os planetas em trânsito conhecidos.

A equipe espera que novas pesquisas revelem planetas adicionais além dos três já encontrados. Se o TOI 270 d tem um núcleo rochoso coberto por uma atmosfera espessa, sua superfície seria muito quente para a presença de água líquida, considerada um requisito fundamental para um mundo potencialmente habitável. Mas estudos posteriores podem descobrir planetas rochosos adicionais a distâncias ligeiramente maiores da estrela, onde temperaturas mais baixas podem permitir que a água líquida se acumule em suas superfícies.