Nasa prepara “mapa do tesouro” para achar água em forma de gelo em Marte

Informações serão essenciais para a instalação e a sobrevivência de astronautas no Planeta Vermelho

A área de Marte destacada nesta imagem contém água em forma de gelo perto da superfície que seria facilmente acessível para os astronautas. O gelo da água foi identificado como parte de um mapa usando dados de orbitadores da Nasa (clique sobre a imagem para ver o giro do planeta). Crédito: Nasa/JPL-Caltech

A Nasa tem grandes planos para levar novamente astronautas à Lua em 2024, um trampolim no caminho para enviar seres humanos a Marte. Mas onde devem pousar as primeiras pessoas no Planeta Vermelho? Um artigo publicado na revista “Geophysical Research Letters” ajudará nesse sentido, fornecendo um mapa de água em forma de gelo que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície.

O gelo da água será uma consideração importante para qualquer local de pouso em potencial. Com pouco espaço de sobra a bordo de uma espaçonave, qualquer missão humana em Marte terá que colher o que já está disponível para beber água e produzir combustível de foguete.

O conceito que a Nasa chama de “utilização in situ de recursos” é um fator importante na seleção de locais de pouso humano em Marte. Os satélites que orbitam Marte são essenciais para ajudar os cientistas a determinar os melhores locais para a construção da primeira estação de pesquisa marciana. Os autores do novo artigo usam dados de duas dessas naves espaciais, Mars Reconnaissance Orbiter (MRO) e Mars Odyssey, da Nasa, para localizar gelo de água que poderia estar ao alcance dos astronautas no Planeta Vermelho.

LEIA TAMBÉM: Comportamento do oxigênio em Marte é um enigma para cientistas

“Você não precisaria de uma retroescavadeira para desenterrar esse gelo. Você poderia usar uma pá”, disse o principal autor do artigo, Sylvain Piqueux, do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na sigla em inglês) da Nasa, em Pasadena, Califórnia. “Continuamos a coletar dados sobre gelo enterrado em Marte, focando nos melhores lugares para os astronautas pousarem.”

Tesouro enterrado

A água em estado líquido não pode durar no ar de Marte; com tão pouca pressão do ar, ela evapora de sólido para gás quando exposta à atmosfera.

O gelo da água marciana está trancado no subsolo por todas as latitudes médias do planeta. Essas regiões próximas aos polos foram estudadas pela sonda Phoenix, da Nasa, que raspou o gelo, e a MRO, que tirou muitas imagens do espaço de impactos de meteoros que escavaram esse gelo. Para encontrar o gelo que os astronautas poderiam escavar facilmente, os autores do estudo se basearam em dois instrumentos sensíveis ao calor: o Mars Climate Sounder, da MRO, e a câmera do Sistema de Imagem de Emissão Térmica (THEMIS) da Mars Odyssey.

Este mapa colorido mostra gelo subterrâneo em Marte. Cores frias estão mais próximas da superfície do que cores quentes; zonas negras indicam áreas onde uma sonda afundaria em poeira fina; a caixa delineada representa a região ideal para enviar os astronautas para que extraiam o gelo da água. Crédito: Nasa/JPL-Caltech/ASU

Por que usar instrumentos sensíveis ao calor ao procurar gelo? O gelo da água enterrada altera a temperatura da superfície marciana. Os autores do estudo cruzaram as temperaturas sugestivas de gelo com outros dados, como reservatórios de gelo detectados por radar ou vistos após impactos de meteoros. Dados do espectrômetro de raios gama da Odyssey, feitos sob medida para o mapeamento de depósitos de gelo na água, também foram úteis.

Como esperado, todos esses dados sugerem uma grande quantidade de gelo de água nos polos marcianos e nas latitudes médias. Mas o mapa revela depósitos particularmente rasos que os futuros planejadores de missões podem querer estudar mais.

Escolha do local de pouso

Embora existam muitos lugares em Marte que os cientistas gostariam de visitar, poucos fariam locais de pouso práticos para astronautas. A maioria dos cientistas se instalou nas latitudes médias norte e sul, que têm luz solar mais abundante e temperaturas mais quentes do que os polos. Mas há uma forte preferência pelo pouso no hemisfério norte, que geralmente é mais baixo em altitude e fornece mais atmosfera para desacelerar uma espaçonave de pouso.

Uma grande parte de uma região chamada Arcadia Planitia é o alvo mais tentador do hemisfério norte. O mapa mostra muito azul e roxo nessa região, representando gelo de água a menos de 30 centímetros abaixo da superfície; cores quentes têm mais de 60 centímetros de profundidade. As amplas zonas negras no mapa representam áreas em que uma espaçonave de pouso afundaria em poeira fina.

Sylvain Piqueux está planejando uma campanha abrangente para continuar estudando o gelo enterrado em diferentes estações, observando como a abundância desse recurso muda com o tempo.

“Quanto mais procuramos gelo na superfície, mais encontramos”, disse a cientista adjunta do projeto de MRO Leslie Tamppari, do JPL. “Observar Marte com várias naves espaciais ao longo dos anos continua a nos fornecer novas maneiras de descobrir esse gelo.”