Nasa procura vida em Marte – e pedras para trazer para casa

Sonda Perseverance pousará em um local com grandes possibilidades de preservar eventuais indícios de vida no planeta, e coletará amostras que serão trazidas à Terra para análise

Em uma sala no Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa em Pasadena, Califórnia, engenheiros observaram o primeiro teste de direção do veículo espacial Perseverance. Esse robô procurará sinais de vida microbiana passada em Marte, estudará o clima e a geologia do planeta e coletará amostras para um futuro retorno à Terra. Crédito: Nasa/JPL-Caltech

A Nasa deu há pouco o salto gigante seguinte na busca por sinais de vida além da Terra.

Em 30 de julho, a Nasa lançou sua espaçonave mais sofisticada e ambiciosa para Marte: o rover (robô) apropriadamente chamado Perseverance. Esse foi o terceiro lançamento para Marte em julho, após a sonda Hope dos Emirados Árabes Unidos e a chinesa Tianwen-1. A sonda Perseverance procurará assinaturas da vida antiga preservada nas rochas de Marte. E, pela primeira vez, esse veículo espacial coletará amostras de rochas que serão trazidas de volta à Terra, onde poderão ser examinadas em laboratórios nas próximas décadas.

Marte é um dos poucos destinos no Sistema Solar que teve condições adequadas para a vida como a conhecemos. Existe a chance de a Perseverance coletar a amostra de Marte que responde à pergunta: “Estamos sozinhos no universo?” Essa questão é especialmente relevante agora. Durante a pandemia de coronavírus, a missão permaneceu notavelmente na rota do lançamento, apesar de perturbações e atrasos, e fomos lembrados de que a vida na Terra é vulnerável e preciosa.

LEIA TAMBÉM: Impactos de asteroides criaram ingredientes da vida na Terra e em Marte

Como duas especialistas em ciência planetária e membros da equipe de ciências da Perseverance, esperamos que essa missão seja a melhor chance – pelo menos em nossas vidas – de criar uma revolução científica em astrobiologia.

Cratera Jezero, local de pouso da missão. No passado de Marte, a água esculpia canais e transportava sedimentos para formar leques e deltas nas bacias dos lagos. As cores verdes indicam detecções de minerais carbonáticos que podem ter se formado no lago. Crédito: Nasa/ JPL-Caltech/ASU
À procura de vida na cratera Jezero

Em 18 de fevereiro de 2021, se tudo correr conforme o planejado, a Perseverance entrará na atmosfera marciana a quase 21 mil quilômetros por hora, e sete minutos estressantes depois será pousada suavemente sobre a superfície por um propulsor a jato. O veículo espacial pousará na cratera Jezero, um local que a Nasa espera que forneça uma janela para o momento em que a chuva caía e os rios fluíam no passado de Marte.

Nos últimos 30 anos, uma frota de veículos espaciais e orbitais construiu uma imagem de um Marte antigo semelhante à Terra. Entre 3 e 4 bilhões de anos atrás, Marte hospedava vastas redes de rios tão extensos quanto o Mississippi, lagos profundos que continham os blocos de construção da vida e fontes termais que borbulhavam com potencial de vida. Esses ambientes aquosos foram capazes de existir porque Marte antigo tinha uma atmosfera espessa. No entanto, essa atmosfera está se esvaindo, deixando a superfície hoje fria, seca e inóspita.

Após cinco anos de debate , a cratera Jezero foi selecionada como o local em Marte com maior probabilidade de preservar sinais de vida que poderiam ter habitado o planeta bilhões de anos atrás, quando a vida microbiana estava começando na Terra. Imagens de satélite de Jezero mostram um rio que leva à cratera e termina em um grande delta, que deve ter se formado em um antigo lago de vida longa. Um anel de minerais carbonáticos ao redor da borda da cratera pode ter se formado ao longo de praias antigas e pode preservar rochas com texturas microbianas conhecidas como estromatólitos. Os estromatólitos registram alguns dos primeiros sinais de vida na Terra, e a Perseverance procurará sinais de vida semelhantes em Marte.

Tecnologia avançada de exploração

A Perseverance terá muitos recursos novos que transformarão a maneira como exploramos Marte. O rover carrega o Ingenuity, um pequeno helicóptero que será o primeiro veículo a voar em outro planeta. Como a atmosfera de Marte hoje é tão fina – apenas 1% da atmosfera da Terra –, o engenho precisa ser extremamente leve (pouco mais de 1,8 quilo) e com lâminas muito grandes (pouco mais de 1,2 metro de ponta a ponta) para decolar. O Ingenuity capturará imagens da paisagem distante e nos ajudará a acompanhar a travessia exploratória do veículo espacial. Futuras missões em Marte poderiam adotar esse modelo de rovers e aeronaves trabalhando em conjunto.

Olhando ainda mais adiante, a Perseverance ajudará a nos prepararmos para futuras missões humanas em Marte. Um dos muitos desafios para os astronautas será a lista de bagagem para uma viagem de ida e volta de dois anos, que inclui ar, água e combustível de foguete para chegar em casa. Se esses recursos pudessem ser colhidos em Marte, as missões humanas seriam muito mais viáveis. A Perseverance testará um processo para criar oxigênio a partir da atmosfera de dióxido de carbono de Marte. No futuro, instrumentos semelhantes poderão ser enviados à frente dos astronautas. Assim, o ar respirável e o propulsor de foguetes de oxigênio líquido estariam esperando quando chegarem.

Nesta ilustração, o rover usa sua broca para coletar uma amostra de rocha em Marte. O veículo espacial coletará e armazenará amostras de rocha e solo na superfície do planeta, que futuras missões deverão recuperar e trazer para a Terra. Crédito: Nasa/JPL-Caltech
Trazendo as amostras para a Terra

O objetivo mais imediato da missão é procurar evidências de vidas passadas, e a carga científica da Perseverance permitirá que o veículo espacial procure materiais orgânicos e texturas microbianas na escala de um grão de sal. No entanto, encontrar evidências definitivas da vida microbiana é extremamente difícil. Por fim, precisaremos examinar amostras da cratera Jezero com instrumentos avançados na Terra. É por isso que a Perseverance também coletará núcleos de rochas do tamanho de lápis que serão trazidos à Terra por uma série de missões no final da década de 2020.

Ao lançar as bases para o retorno de amostras com a Perseverance, a Nasa está dando o próximo salto gigante na exploração de Marte. As rochas coletadas pela Perseverance podem ser nosso único tiro no futuro próximo para procurar sinais de vida com amostras de outro planeta. Essa missão, portanto, não é apenas “vá longe ou vá para casa” – é “vá longe e vá para casa”.

 

* Briony Horgan é professora associada de Ciência Planetária da Universidade Purdue; Melissa Rice é professora associada de Ciência Planetária da Western Washington University (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança