Nasce um lago

O corpo d’água que surgiu em 2019 no fundo da cratera do vulcão Kilauea, no Havaí, pode ser um indício de uma nova erupção explosiva

O lago no fundo da cratera do Kilauea: o marrom enferrujado na superfície se deve a reações químicas na água. Crédito: USGS/ Matthew Patrick

Entre 2010 e 2018, um grande lago de lava borbulhou e respingou na caldeira do cume do vulcão Kilauea, no Havaí. Em maio de 2018, como parte de uma erupção mais ampla que despejou lava das fissuras a leste, o lago foi rapidamente drenado e parte do piso da caldeira do vulcão desabou. Isso deixou um buraco quase tão profundo quanto o World Trade Center.

Mas isso não era tudo o que Pele, a deusa havaiana do fogo e dos vulcões, tinha reservado. Por cerca de um ano, a cratera Halema’uma’u, mais profunda e mais ampla, ficou relativamente calma. Mas em julho de 2019, pilotos de helicóptero começaram a perceber o acúmulo de água em um lago na parte mais baixa da cratera.

Os níveis de água aumentaram constantemente desde então. Hoje, o lago – agora com um brilho marrom enferrujado na superfície devido a reações químicas na água – tem uma área maior que cinco campos de futebol combinados e uma profundidade máxima de aproximadamente 30 metros.

LEIA TAMBÉM: Erupção de vulcão havaiano em 2018 foi desencadeada pela chuva

A sequência de imagens de satélite abaixo mostra a cratera de Halema’uma’u antes que o lago de lava seja drenado (esquerda), depois que o chão da caldeira desabou (no meio) e depois que a água se acumulou no chão da cratera por nove meses (direita). O Operational Land Imager (OLI) no satélite Landsat 8 adquiriu todas as três imagens em cores naturais.

Três etapas da formação do lago. Crédito: Nasa Earth Observatory, Joshua Stevens, com dados do Landsat do US Geological Survey
Explicação simples

Quando o lago de lava estava presente, ele apareceu na parte sudeste de Halema’uma’u, embora uma crosta de lava parcialmente solidificada em sua superfície o fizesse parecer cinza por cima. (A área cinza-claro circular com uma fina coluna de emissões vulcânicas subindo dela marca a localização do lago.) Após o colapso da caldeira, o terreno ao redor do lago mudou drasticamente, incluindo a formação de um novo penhasco de 140 metros (linha fina e escura) ao norte da cratera. Na imagem final, o lago no cume parece pequeno da perspectiva do Landsat (30 metros por pixel). A fotografia no início da matéria, tirada em 21 de abril, oferece uma melhor sensação de escala.

A explicação para o novo lago é simples. “Temos um furo a pouco mais de um quilômetro ao sul da cratera, onde medimos o nível do lençol freático”, explicou Don Swanson, vulcanologista do Observatório Havaiano de Vulcões do US Geological Survey. “Sabemos que o piso da cratera caiu um pouco mais de 70 metros abaixo do lençol freático em 2018. Sempre que você perfura um buraco abaixo do nível do lençol freático, a água eventualmente entra e preenche esse buraco.”

Explicar o que o novo lago significa para o vulcão é onde a história fica mais complicada e interessante. Um dos fatores principais que controlam erupções vulcânicas explosivas é a quantidade de água e outros gases capturados no magma. Se o magma possui muitos gases e vapor dissolvidos, pode ocorrer pressão e erupções explosivas. Caso contrário, a lava tende a fluir suavemente de fissuras no solo – como tem sido o caso no Kilauea nos últimos 200 anos.

Acompanhamento de perto

Erupções calmas são a exceção, não a norma. Nos últimos 2.500 anos, o Kilauea entrou em erupção explosivamente cerca de 60% do tempo, observou Swanson. “Fomos enganados pela calma dos últimos tempos. Se fosse 1720 em vez de 2020, não teríamos visto um fluxo de lava por mais de 200 anos, e poderíamos ter pensado que o Kilauea sempre foi um vulcão explosivo.”

Existem dois cenários que podem levar a uma erupção explosiva. “Em um caso, o magma poderia subir rapidamente pelo conduto e se cruzar com o lago”, disse Swanson. “No segundo, o chão da cratera pode entrar em colapso e derrubar toda a água em uma zona onde ela seria rapidamente aquecida e virar vapor.”

Mas isso não significa que a próxima erupção será explosiva. “A próxima erupção pode acontecer lentamente e a água pode evaporar”, disse ele. “Não queremos ser alarmistas, mas também precisamos ressaltar ao público que há uma possibilidade crescente de erupções explosivas no Kilauea.”

Uma coisa é certa: os geólogos acompanharão de perto o Kilauea e seu novo lago com todas as ferramentas disponíveis, incluindo sismômetros, câmeras térmicas, drones, pesquisas com helicópteros e satélites. “O vulcão está em processo de voltar a um período explosivo que pode durar séculos?”, perguntou Swanson. “Ou isso é apenas um pontinho, e vamos voltar aos fluxos de lava silenciosos como tínhamos nos séculos 19 e 20? Só o tempo irá dizer.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança