Neandertais fizeram jornada épica até o sul da Sibéria

Ferramentas de pedra revelam que intrépidos neandertais que viveram nas Montanhas Altai viajaram mais de 3 mil quilômetros a partir do leste da Europa

Escavações na Caverna Chagyrskaya: evidências de uma migração independente. Crédito: Richard Roberts

Um novo estudo, publicado na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences” (PNAS), revelou que os neandertais fizeram uma caminhada intercontinental de mais de 3 mil quilômetros para chegar às Montanhas Altai, na Sibéria, equipados com um kit de ferramentas distinto usado para matar e matar bisontes e cavalos.

Os neandertais são nossos primos evolutivos mais próximos e sobreviveram até cerca de 40 mil anos atrás na Europa Ocidental. Seu legado vive hoje no DNA de todas as pessoas com ascendência europeia ou asiática.

Os fósseis neandertais foram relatados pela primeira vez nas Montanhas Altai – o posto mais oriental da sua faixa geográfica conhecida – em 2007. Aninhada no sopé, a Caverna Chagyrskaya produziu 74 fósseis de neandertais, mais do que qualquer outro local na região, além de quase 90 mil ferramentas de pedra e numerosos instrumentos ósseos feitos pelos neandertais.

Uma equipe multidisciplinar de pesquisadores de Rússia, Austrália, Ucrânia, Polônia, Alemanha e Canadá realizou investigações detalhadas do local para descobrir novas pistas sobre a história desses neandertais siberianos.

LEIA TAMBÉM: Extinção dos neandertais pode ter sido golpe de azar, dizem cientistas

Os depósitos de cavernas de 3,5 metros de espessura foram escavados pela primeira vez em 2007. A datação dos sedimentos e dos ossos de um bisonte esquartejado indicou que os neandertais viveram na caverna em algum momento entre 59 mil e 49 mil anos atrás – pouco antes de os humanos modernos terem entrado nessa região.

Pátria ancestral

“A descoberta mais surpreendente foi a proximidade entre as ferramentas de pedra de Chagyrskaya e as ferramentas [paleolíticas] micoquienses de sítios arqueológicos da Europa Central e Oriental”, disse a líder do projeto, Kseniya Kolobova, do Instituto de Arqueologia e Etnografia da Academia Russa de Ciências em Novosibirsk.

Usando uma variedade de testes estatísticos, Kolobova e sua equipe de arqueólogos compararam as distintas ferramentas de pedra encontradas na Caverna Chagyrskaya com as recuperadas de locais micoquienses na Europa e na Ásia Central. Eles identificaram a região entre a Crimeia e o norte do Cáucaso como a provável pátria ancestral dos fabricantes de ferramentas de Chagyrskaya.

Ferramentas de pedra micoquienses usadas como faca de carne pelos neandertais na Caverna Chagyrskaya cerca de 54 mil anos atrás. Crédito: Alexander Fedorchenko

“Essa parte do leste da Europa fica entre 3 mil e 4 mil quilômetros de distância da Caverna Chagyrskaya, o equivalente a caminhar de Sydney a Perth ou de Nova York a Los Angeles – uma jornada verdadeiramente épica”, disse o coautor Richard Roberts, da Universidade de Wollongong (Austrália).

A análise de restos de animais e plantas extraídos dos depósitos da Caverna Chagyrskaya mostrou que os neandertais eram habilidosos em caçar bisontes e cavalos no ambiente frio, seco e sem árvores, enquanto o estudo microscópico dos sedimentos forneceu pistas adicionais sobre as condições de vida que eles tinham de suportar.

“Os neandertais foram extremamente adaptados à vida nas paisagens de estepes e tundra-estepes, e poderiam ter chegado às Montanhas Altai do leste da Europa contornando o Mar Cáspio e depois para o leste ao longo do cinturão das estepes”, afirmou o coautor e geoarqueólogo Maciej Krajcarz, do Instituto de Ciências Geológicas da Academia Polonesa de Ciências.

Migrações separadas

A nova evidência arqueológica indica pelo menos duas migrações separadas de neandertais para o sul da Sibéria. Ela é apoiada de forma independente por estudos de genoma completo do DNA antigo obtido a partir de fósseis de neandertais.

A primeira migração ocorreu há mais de 100 mil anos, abrindo uma trilha para o local vizinho da Caverna Denisova – famosa como o lar dos enigmáticos denisovanos, um grupo irmão dos neandertais, que às vezes também ocupavam a caverna. Um evento de migração mais recente – originário da Europa Oriental, possivelmente há cerca de 60 mil anos – levou à chegada dos neandertais à Caverna Chagysrkaya, equipados com seu distinto conjunto de ferramentas micoquienses.

Estudos de DNA confirmam uma ligação entre os neandertais que viveram na Europa e os que moraram na Caverna Chagyrskaya. Apesar da proximidade geográfica das cavernas Chagyrskaya e Denisova, o genoma do neandertal de Chagyrskaya é mais semelhante ao dos neandertais europeus do que ao neandertal de 110 mil anos de idade da Caverna Denisova.

“Ao combinar essas novas ideias da arqueologia e da genética, podemos começar a reunir a história intrigante dos neandertais mais orientais e os eventos que moldaram a história de nossos antigos parentes humanos”, disse Kolobova.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança