Neandertais já sabiam acender fogo, afirmam cientistas

Indícios colhidos em caverna na Armênia mostram que os neandertais e outros humanos primitivos eram capazes de controlar o fogo e de dar início a ele

Indícios colhidos em caverna da Armênia sugerem que os neandertais sabiam como acender e controlar o fogo. Crédito: Pexels

Acender o fogo foi um diferencial que indiscutivelmente favoreceu a ascensão do Homo sapiens, mas parece que não foi exclusividade dele. Uma equipe de pesquisadores dos Estados Unidos, trabalhando com colegas de Armênia, Reino Unido e Espanha, encontrou evidências convincentes de que humanos primitivos como os neandertais não apenas controlavam o fogo, mas também dominavam a capacidade de gerá-lo.

O estudo a esse respeito, publicado na revista “Scientific Reports”, combina evidências arqueológicas, de hidrocarbonetos e isótopos das interações humanas com o fogo, com a aparência do clima dezenas de milhares de anos atrás.

“Presume-se que o fogo seja o domínio do Homo sapiens, mas agora sabemos que outros humanos antigos, como os neandertais, poderiam criá-lo”, disse Daniel Adler, professor associado de antropologia da Universidade de Connecticut (UConn) e coautor do estudo. “Então, talvez não sejamos tão especiais, afinal.”

LEIA TAMBÉM: Doenças de nossos antepassados deflagraram extinção dos neandertais

Usando moléculas específicas relacionadas ao fogo depositadas no registro arqueológico e uma análise de pistas climatológicas, os pesquisadores examinaram a Caverna Lusakert 1, nas Terras Altas da Armênia.

Habilidade aprendida

“O começo do fogo é uma habilidade que precisa ser aprendida – nunca vi alguém que conseguisse produzir fogo sem antes ser ensinado. Portanto, a suposição de que alguém tem a capacidade de atear fogo à vontade é uma fonte de debate”, afirmou Gideon Hartman, professor associado de antropologia da UConn e coautor do estudo.

Os pesquisadores analisaram amostras de sedimentos para determinar a abundância de hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HAPs), liberados quando o material orgânico é queimado. Um tipo de HAP, os chamado HAPs leves, dispersa-se amplamente e é indicativo de incêndios florestais; já os chamados HAPs pesados, dispersam-se estreitamente e permanecem muito mais próximos da fonte de fogo.

“Observando os marcadores de incêndios feitos localmente, começamos a ver outra atividade humana correlacionada com mais evidências de incêndios produzidos localmente”, observou Alex Brittingham, aluno de doutorado em antropologia da UConn e principal autor do estudo.

Evidências de aumento da ocupação humana no local, como concentrações de ossos de animais nas refeições e evidências de fabricação de ferramentas, correlacionaram-se com o aumento da frequência de incêndios de HAPs pesados.

Os pesquisadores também precisavam descartar a possibilidade de que o tempo instável, que dá origem a raios, acendesse os incêndios. Para isso, eles analisaram a composição de isótopos de hidrogênio e carbono das cutículas cerosas de tecidos vegetais antigos preservados em sedimentos. A distribuição dessas ceras indica em que tipo de clima as plantas cresceram.

Controle

Eles não conseguiram encontrar nenhuma evidência de uma ligação entre as condições paleoclimáticas gerais e o registro geoquímico do fogo, afirmou Michael Hren, professor associado de geociências da UConn e coautor do estudo. “Para acessar rotineiramente os incêndios causados ​​por meios naturais, seria preciso haver condições que produzissem raios em uma frequência relativa que pudesse ter acendido incêndios florestais”, observou Hren.

Ao associarem os dados climáticos às evidências encontradas no registro arqueológico, os pesquisadores determinaram que os habitantes da caverna não estavam vivendo em condições mais secas e propensas a incêndios enquanto utilizavam incêndios dentro da caverna.

De fato, havia menos incêndios florestais para esses humanos antigos colherem no momento em que a frequência de incêndio e a alta frequência de HAPs eram altas na caverna, disse Brittingham. “Parece que eles foram capazes de controlar o fogo fora da disponibilidade natural de incêndios florestais”, afirmou ele.

Brittingham agora está aplicando as mesmas técnicas de pesquisa para analisar outras cavernas ocupadas por humanos primitivos. Atualmente, ele trabalha com uma equipe na Geórgia, entre outros locais, para determinar se o incêndio foi desenvolvido independentemente por grupos em diferentes áreas geográficas. “Era algo que as pessoas na Armênia podiam fazer, mas as pessoas na França não podiam? Foi desenvolvido de forma independente?”, pergunta-se Brittingham.