Neandertais se especializaram em ferramentas com ossos de elefante

Peças encontradas em sítio na Itália demonstram uma sofisticação inesperada na variedade e nos métodos de produção das ferramentas

Ferramentas de osso de elefante escavadas em Castel di Guido, na Itália. Crédito: Villa et al. 2021, PLOS ONE

Os humanos antigos podiam fazer coisas impressionantes com ossos de elefante. Foi o que descobriram a arqueóloga Paola Villa, da Universidade do Colorado em Boulder (EUA), e seus colegas ao pesquisarem ferramentas escavadas em um local na Itália onde um grande número de elefantes havia morrido. A equipe descobriu que os humanos que habitavam esse local há cerca de 400 mil anos se apropriaram dessas carcaças para produzir uma variedade sem precedentes de ferramentas de osso. Algumas delas foram elaboradas com métodos sofisticados que não se tornariam comuns antes de aproximadamente 100 mil anos.

“Vemos outros locais com ferramentas de osso neste momento”, disse Villa, curadora adjunta do Museu de História Natural da Universidade do Colorado em Boulder. “Mas não existe essa variedade de formas bem definidas.” Ela e seus colegas publicaram os resultados de seu estudo na revista PLOS ONE.

Presas de elefante e outros ossos no sítio de Castel di Guido durante a escavação. Crédito: Villa et al. 2021, PLOS ONE
Bom uso

A pesquisa se concentra em um local chamado Castel di Guido, não muito longe da Roma moderna. Centenas de milhares de anos atrás, esse era o local de um barranco escavado por um riacho temporário – um ambiente onde criaturas de 4 metros de altura chamadas elefantes de bico reto (Palaeoloxodon antiquus) matavam a sede e ocasionalmente morriam.

Os hominídeos de Castel di Guido fizeram bom uso dos restos mortais, ocupando o local continuamente ao longo dos anos. Os pesquisadores relatam que esses seres da Idade da Pedra produziram ferramentas usando uma abordagem sistemática e padronizada, um pouco como um único indivíduo trabalhando em uma linha de montagem primitiva.

“Em Castel di Guido, os humanos estavam quebrando os ossos longos dos elefantes de maneira padronizada e produzindo espaços em branco padronizados para fazer ferramentas de osso”, disse Villa. “Esse tipo de aptidão só se tornou comum muito mais tarde.”

Ferramentas de osso de elefante pontiagudas de Castel di Guido. Crédito: Villa et al. 2021, PLOS ONE
Caixa de ferramentas da Idade da Pedra

Esses feitos de engenhosidade surgiram em um momento significativo para os hominídeos em geral. Há cerca de 400 mil anos, os neandertais (Homo neanderthalensis) estavam apenas começando a surgir na Europa. Villa suspeita que os residentes de Castel di Guido eram neandertais.

“Cerca de 400 mil anos atrás, você começou a ver o uso habitual do fogo, e foi o início da linhagem neandertal”, disse Villa. “Esse é um período muito importante para Castel di Guido.”

Pode ter sido produtivo também. Em seu novo estudo, Villa e seus colegas identificaram 98 ferramentas de osso de Castel di Guido, sítio escavado de 1979 a 1991. As descobertas representam o maior número de ferramentas de osso lascadas feitas por hominídeos pré-modernos que os pesquisadores descreveram até agora. Essa rica caixa de ferramentas oferecia uma ampla gama de itens úteis. Algumas ferramentas eram pontiagudas e poderiam, teoricamente, ser usadas para cortar carne. Outros eram cunhas que podem ter sido úteis para partir fêmures pesados ​​de elefantes e outros ossos longos.

“Primeiramente você faz uma ranhura onde pode inserir essas peças pesadas que têm uma aresta de corte”, disse Villa. “Então você martela e, em algum ponto, o osso vai quebrar.”

Mas uma ferramenta se destacou do resto: a equipe descobriu um único artefato esculpido em um osso de gado selvagem que era longo e liso em uma extremidade. Assemelha-se ao que os arqueólogos chamam de lissoir (polidor), um tipo de ferramenta que os hominídeos usavam para tratar couro. O curioso: as ferramentas lissoir não se tornaram comuns até cerca de 300 mil anos atrás.

“Em outros locais há 400 mil anos, as pessoas usavam apenas os fragmentos ósseos disponíveis”, disse Villa.

Ferramenta lissoir feita de osso de gado selvagem. Crédito: Villa et al. 2021, PLOS ONE
Achados úteis

Villa não acha que os hominídeos de Castel di Guido fossem mais inteligentes do que seus colegas em outras partes da Europa. Em vez disso, esses primeiros humanos simplesmente usaram os recursos que tinham por ali. Ela explicou que essa região da Itália não tem muitos pedaços grandes de sílex que ocorrem naturalmente. Então, os humanos antigos não podiam fazer muitas ferramentas de pedra grandes.

O que a região pode ter tido em grande quantidade, no entanto, eram elefantes mortos. À medida que a Idade da Pedra avançava, elefantes de bico reto lentamente desapareciam da Europa. Durante a era dos artesãos de ossos de Castel di Guido, esses animais podem ter migrado para depressões geológicas com acúmulo de água, às vezes morrendo de causas naturais ali. Os humanos então encontravam os restos mortais e aproveitavam seus ossos longos.

“O pessoal de Castel di Guido tinha um intelecto cognitivo que lhes permitia produzir uma tecnologia óssea complexa”, disse Villa. “Em outras assembleias, havia ossos suficientes para as pessoas fazerem algumas peças, mas não o suficiente para iniciar uma produção padronizada e sistemática de ferramentas de osso.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago