Neandertais tinham mães mais velhas e pais mais novos

Estudo com dados genéticos de mais de 27 mil islandeses revelou também que é provável que os neandertais tenham se miscigenado com os denisovanos

Islandeses: DNA neandertal mais parecido com o da Croácia do que com o da Rússia. Crédito: Pxfuel

Quando os ancestrais dos humanos modernos deixaram a África 50 mil anos atrás, encontraram os neandertais. Nesse encontro, a população neandertal contribuiu com cerca de 2% do genoma para as populações não africanas atuais. Uma equipe de cientistas da Universidade de Aarhus (Dinamarca), do deCODE Genetics (Islândia) e do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária, em Leipzig (Alemanha), conduziu o estudo mais abrangente até o momento usando dados obtidos de 27.566 islandeses, para descobrir quais partes de nossos genomas contêm DNA neandertal e qual o papel que ele desempenha nos seres humanos modernos. O trabalho foi apresentado em artigo na revista “Nature“.

Toda pessoa de descendência não africana compartilha cerca de 2% de seu DNA com os neandertais. No entanto, pessoas diferentes carregam diferentes pedaços de DNA neandertal; portanto, quando os autores os adicionaram, eles poderiam reconstruir pelo menos 38% do genoma neandertal usando 14 milhões de fragmentos de DNA dessa espécie.

Comparando esse DNA neandertal com os genomas neandertal e denisovano (espécie ou subespécie de hominídeo descoberta na Sibéria), que foram sequenciados no Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária, os pesquisadores descobriram que a população neandertal que se misturava com os islandeses modernos era mais semelhante a um neandertal encontrado na Croácia do que aos neandertais encontrados na Rússia. Inesperadamente, eles também descobriram que os islandeses carregam vestígios de DNA denisovano, que antes se pensava estar presente em asiáticos e populações de Papua Nova Guiné. Uma possibilidade é que os ancestrais da população neandertal que se misturavam com os humanos modernos também tivessem se misturado aos denisovanos.

LEIA TAMBÉM: DNA de neandertais estava presente em povos antigos da África

Diferenças nos padrões de mutação

Em cada geração, os pais transmitem seu DNA aos filhos, e a idade de cada pai afeta muito os tipos de mutações que eles transmitem. “Comparando as mutações genéticas nos fragmentos de DNA neandertal com os correspondentes fragmentos modernos de DNA humano, descobrimos que, em média, as crianças neandertais tinham mães mais velhas e pais mais jovens em comparação aos humanos modernos”, diz o primeiro autor, Laurits Skov, pesquisador da Universidade de Aarhus e do Instituto Max Planck de Antropologia Evolucionária.

Os autores mostraram também que o DNA neandertal tem um efeito relativamente menor na saúde e na aparência humana atualmente. Os poucos casos em que o DNA neandertal tem efeito entre os islandeses levam a um risco ligeiramente reduzido de câncer de próstata, altura um pouco menor e tempo de coagulação do sangue um pouco mais rápido.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança