• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured17/06/2022

‘Nós contra eles’: prejudicar rivais eleva atividade nos circuitos de recompensa do cérebro

Crédito: John Hain/Pixabay

17/06/22 - 10h50min

Os humanos tendem a formar grupos, que muitas vezes entram em conflito com grupos rivais. Mas por que as pessoas mostram uma tendência tão pronta para prejudicar as pessoas em grupos opostos?

Um novo estudo liderado por pesquisadores da Virginia Commonwealth University (EUA) usou tecnologia de imagem funcional do cérebro para revelar uma resposta em potencial: esse comportamento aumenta a atividade na rede de recompensa do cérebro. O trabalho foi aceito para publicação na revista Social Neuroscience.

“Em um momento de aprofundamento das divisões políticas e do conflito global, é crucial para nós entender por que as pessoas se dividem em ‘nós’ e ‘eles’ e então mostrar uma profunda vontade de prejudicar ‘eles’”, disse o dr. David Chester, professor associado do Departamento de Psicologia da Faculdade de Humanidades e Ciências da Virginia Commonwealth University e autor correspondente do estudo. “Nossas descobertas fazem esse entendimento avançar, sugerindo que prejudicar os membros do grupo externo é uma experiência relativamente gratificante.”

Gratificação especial

Os pesquisadores fizeram com que 35 universitários do sexo masculino concluíssem uma tarefa competitiva e agressiva contra um estudante de sua universidade ou de uma universidade rival. Na realidade, os participantes jogaram sem saber contra um programa de computador e nenhuma pessoa real foi prejudicada.

Eles descobriram que os participantes que eram mais agressivos contra membros do grupo externo (estudantes de uma universidade rival) versus membros do grupo interno (estudantes de sua própria universidade) exibiam maior atividade nas regiões centrais do circuito de recompensa do cérebro ⁠— o núcleo accumbens e o córtex pré-frontal ventromedial ⁠— enquanto eles decidiam quão agressivos deveriam ser.

Tanto antes quanto depois da exclusão do grupo externo, a agressão aos membros do grupo externo foi positivamente associada à atividade no estriado ventral durante as decisões sobre quão agressivo ser em relação ao oponente do grupo externo. A agressão contra os membros do grupo externo também foi associada a uma maior atividade pós-exclusão no córtex pré-frontal rostral medial e dorsal durante a provocação de seu oponente do grupo externo. Esses padrões alterados de atividade cerebral sugerem que os mecanismos frontoestriatais podem desempenhar um papel significativo na motivação da agressão contra membros do grupo externo.

Os resultados sugerem que prejudicar os membros do grupo externo é especialmente gratificante e associado à experiência de emoções positivas. Esses mecanismos de reforço psicológico podem ajudar a explicar por que os humanos parecem tão propensos a conflitos intergrupais, disse Chester.

Tratamentos possíveis

“Esta descoberta ajuda a equilibrar a narrativa sobre os processos psicológicos subjacentes à agressão contra membros do grupo externo, que normalmente enfatiza estados emocionais negativos, como raiva e medo”, disse Chester. “Este estudo mostrou que as emoções positivas podem desempenhar um papel na motivação da agressão intergrupal, o que sugere muitas novas direções para pesquisas futuras sobre esse tópico e informa possíveis intervenções que buscam reduzir o conflito grupal.”

As descobertas levantam a possibilidade de que um dia tratamentos que interrompam a recompensa da agressão intergrupal possam ajudar a reduzir o grave e persistente fenômeno humano da violência contra outros grupos, disse Chester.

Chester é diretor do Laboratório de Psicologia Social e Neurociência da VCU, que busca entender por que as pessoas tentam prejudicar umas às outras. No passado, o laboratório se concentrou em conflitos entre dois indivíduos e procurou remover qualquer elemento de associação, identidade ou partidarismo de grupo em experimentos cuidadosamente controlados. Este novo estudo, no entanto, é a primeira incursão do laboratório em explorar os correlatos neurais da agressão intergrupal.

“Essas novas descobertas se encaixam muito bem com nossa pesquisa anterior, que repetidamente implicou os circuitos de recompensa do cérebro (ou seja, o núcleo accumbens e o córtex pré-frontal ventromedial) na promoção de atos agressivos”, disse ele. “Avançamos nessa linha de investigação mostrando que essa atividade de recompensa durante a agressão exerce ainda mais efeito em um contexto intergrupal do que em um contexto não grupal.”

Novos estudos

Embora não tenham ficado surpresos com as novas descobertas, os pesquisadores  se surpreenderam ao encontrar tais resultados mesmo ao experimentar uma rivalidade de grupo fraca.

“Muitos grupos têm histórias antigas de ódio profundo um pelo outro e nosso uso de universidades rivais nem chegou perto de capturar o que muitos conflitos intergrupais verdadeiramente problemáticos parecem em todo o mundo”, disse Chester. “Escolhemos uma rivalidade intergrupal tão leve por várias razões, sendo a principal que invocar um conflito intergrupal profundamente enraizado pode causar sofrimento indevido aos nossos participantes. Mas ainda era surpreendente ver resultados tão claros, apesar de usarmos uma rivalidade entre grupos relativamente pequena. Suponho que nosso efeito observado seria ainda mais forte no contexto de conflito intergrupal entre dois grupos que se odeiam profundamente.”

A área do cérebro implicada no estudo não está apenas associada à recompensa, mas também está envolvida em outros processos psicológicos, como aprendizado, motivação e identidade. Embora Chester tenha afirmado que é possível que a atividade cerebral não estivesse refletindo a experiência subjetiva de prazer, décadas de pesquisa cerebral sugerem que as funções centrais da área estão ligadas de forma confiável à recompensa até o ponto em que os pesquisadores se sentiram à vontade para fazer a inferência, disse o pesquisador. Mais estudos seriam necessários para dizer definitivamente que a recompensa é o “culpado subjacente ao conflito intergrupal”, observou ele.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


agressão