Notas

 

● Diploma ao Parque dos Abrolhos

O Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, localizado no extremo sul da Bahia, recebeu no dia 2 de fevereiro, em Brasília, o diploma de sítio Ramsar, conferido pela Convenção sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional. O reconhecimento é resultado de um esforço conjunto do Ministério do Meio Ambiente, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade/ Parque Nacional Marinho dos Abrolhos e da ONG Conservação Internacional, que encabeçaram o processo de candidatura da unidade de conservação. Na data escolhida comemorou-se também o Dia Mundial das Áreas Úmidas. Criado em 1983, o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos corresponde a uma significativa área de proteção e conservação ambiental que abriga importantes espécies de fauna e flora costeiras. Os limites do parque compreendem duas áreas distintas: a maior, representada pelo Parcel dos Abrolhos e pelo Arquipélago dos Abrolhos, e a porção menor, o Recife dos Timbebas. Em sua totalidade, o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos ocupa uma área de aproximadamente 88.250 hectares e está situado na região dos Abrolhos, caracterizada por um mosaico de ambientes marinhos e costeiros, compostos por áreas de recifes de corais, fundos de algas, manguezais, praias, restingas e remanescentes de Mata Atlântica. A localidade possui ainda um alto nível de endemismo (ocorrências de espécies exclusivas da região) e apresenta a maior biodiversidade marinha do Atlântico Sul. Além de relevante área de conservação ambiental, o Parque dos Abrolhos se destaca também por seus atrativos turísticos. Pessoas de diversas partes do mundo visitam a região anualmente para apreciar suas belezas naturais, que se mantêm preservadas graças às ações conjuntas do governo federal, de ONGs e das comunidades locais. Localizada próximo às cidades de Caravelas, Nova Viçosa, Alcobaça e Prado, a unidade é um valioso repositório de peixes de uma das zonas de pesca mais importantes do Brasil. A Convenção sobre Zonas Úmidas de Importância Internacional é conhecida como Convenção de Ramsar. O Parque dos Abrolhos passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia.

 

● Crise e educação

A crise econômica internacional que ainda assola o mundo, provocando recessão em vários países, atingiu também as escolas, sobretudo no mundo pobre. É o que revela um relatório da Unesco. A educação também sofreu no mundo rico. No Brasil, os reflexos de um problema que já é crônico ameaçam comprometer nosso futuro. A falta de qualificação da mão de obra começa a entravar o desenvolvimento.

 

 

 

 

● Haiti e Zilda Arns

O representante da Unesco no Brasil, Vincent Défourny, lamentou a morte de Zilda Arns no terremoto que atingiu o Haiti no dia 12 de janeiro. Zilda era fundadora e coordenadora internacional da ONG Pastoral da Criança, um dos projetos beneficiados pelo programa Criança Esperança, realizado pela Rede Globo em parceria com a Unesco. “O mundo perdeu uma figura generosa, que conseguia mobilizar e dar esperança às pessoas. A Unesco lamenta a perda da importante parceira que tanto fez pela infância no Brasil e no mundo”, afirmou Défourny. Ele lembrou ainda que nos últimos seis anos a organização apoiou o trabalho da Pastoral da Criança e pôde testemunhar, de forma privilegiada, o compromisso e a dedicação de Zilda. “Seu exemplo com certeza continuará inspirando a equipe que ela liderou nos últimos 20 anos”, observou. Défourny também expressou preocupação e solidariedade com todos os que estão no Haiti e com os colegas da ONU e da Unesco, que integram a missão de paz no país.

 

● Biodiversidade no Brasil

O ano de 2010 foi instituído pela Assembleia-Geral das Nações Unidas como o Ano Internacional da Biodiversidade. Biodiversidade pode ser definida como a “variabilidade entre os organismos vivos de todas as origens, incluindo os ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos dos quais fazem parte; compreende a diversidade dentro de cada espécie, entre as espécies e dos ecossistemas”. As questões de biodiversidade se ligam ao nosso dia a dia tanto na forma de sobrevivência, como alimentação e água, quanto nos aspectos culturais. Os seres humanos compartilham o planeta com 13 milhões de espécies vivas distintas – entre elas, plantas, animais e bactérias, das quais somente 1,75 milhão possui nome e está classificada. O Brasil possui grandes reservas de recursos naturais, vastos biomas contendo enormes massas de água doce e amplas áreas dotadas de rica e complexa biodiversidade. Essas riquezas e potencialidades encontram-se ameaçadas, entretanto, em razão da exploração descontrolada pelo homem. Essa situação talvez seja particularmente evidente no que diz respeito ao destino de seus principais biomas.

Reservas da biosfera no Brasil: Mata Atlântica e cinturão verde da cidade de São Paulo, Cerrado, Pantanal, Caatinga, Amazônia Central e Serra do Espinhaço. O Brasil também tem vários sítios naturais declarados Patrimônio Mundial.

Informações: http://www.unesco.org/ mabdb/mab-cont/index.asp

 

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança

COMPARTILHAR