• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia07/06/2022

Nova imagem do Hubble permitirá investigar as galáxias mais raras do universo

Trecho de céu fotografado por 3D-DASH, mostrando os objetos mais brilhantes e raros do universo, como galáxias monstruosas. Crédito: Gabe Brammer

07/06/22 - 10h03min

Uma equipe internacional de cientistas divulgou ontem (6 de junho) a maior imagem de infravermelho próximo já obtida pelo Telescópio Espacial Hubble, da Nasa/ESA, permitindo aos astrônomos mapear as regiões de formação de estrelas do universo e aprender como as galáxias mais antigas e distantes se originaram. Denominada 3D-DASH, essa pesquisa de alta resolução permitirá que os pesquisadores encontrem objetos e alvos raros para observações de acompanhamento com o recém-lançado Telescópio Espacial James Webb (JWST) durante sua missão de décadas.

Uma pré-impressão do artigo a ser publicado na revista The Astrophysical Journal está disponível no arXiv.

“Desde seu lançamento, há mais de 30 anos, o Telescópio Espacial Hubble liderou um renascimento no estudo de como as galáxias mudaram nos últimos 10 bilhões de anos do universo”, disse Lamiya Mowla, pesquisadora do Instituto Dunlap de Astronomia & Astrofísica da Universidade de Toronto (Canadá) e principal autora do estudo. “O programa 3D-DASH estende o legado do Hubble em imagens de área ampla para que possamos começar a desvendar os mistérios das galáxias além da nossa.”

Galáxias dos últimos 10 bilhões de anos representadas no programa 3D-DASH, em painel criado usando imagens 3D-DASH/F160W e ACS-COSMOS/F814W. Crédito: Lamiya Mowla

Pesquisa completa

Pela primeira vez, o 3D-DASH fornece aos pesquisadores uma pesquisa completa no infravermelho próximo de todo o campo COSMOS, um dos campos de dados mais ricos para estudos extragalácticos além da Via Láctea. Como o comprimento de onda mais longo e mais vermelho observado com o Hubble – logo após o que é visível ao olho humano –, o infravermelho próximo significa que os astrônomos são mais capazes de ver as galáxias mais antigas que estão mais distantes.

Os astrônomos também precisam pesquisar uma vasta área do céu para encontrar objetos raros no universo. Até agora, uma imagem tão grande só estava disponível a partir do solo e sofria de baixa resolução, o que limitava o que podia ser observado. O 3D-DASH ajudará a identificar fenômenos únicos, como as galáxias mais massivas do universo, buracos negros altamente ativos e galáxias à beira de colidir e se fundir em um.

“Estou curiosa sobre galáxias monstruosas, que são as mais massivas do universo formadas pela fusão de outras galáxias. Como suas estruturas cresceram e o que levou às mudanças em sua forma?”, disse Mowla, que começou a trabalhar no projeto em 2015, enquanto pós-graduanda na Universidade Yale (EUA). “Foi difícil estudar esses eventos extremamente raros usando imagens existentes, o que motivou o projeto desta grande pesquisa.”

Para visualizar um pedaço de céu tão amplo, os pesquisadores empregaram uma nova técnica com o Hubble conhecida como Drift And SHift (DASH). O DASH cria uma imagem oito vezes maior que o campo de visão padrão do Hubble, capturando várias fotos que são unidas em um mosaico mestre, semelhante a tirar uma foto panorâmica em um smartphone.

Trampolim para pesquisas

O DASH também tira imagens mais rápido do que a técnica típica, batendo oito fotos por órbita do Hubble em vez de uma foto e alcançando em 250 horas o que antes levaria 2 mil horas.

“O 3D-DASH adiciona uma nova camada de observações únicas no campo COSMOS e também é um trampolim para as pesquisas espaciais da próxima década”, disse Ivelina Momcheva, chefe de ciência de dados do Instituto Max Planck de Astronomia (Alemanha) e investigadora principal do estudo. “Isso nos dá uma prévia das futuras descobertas científicas e nos permite desenvolver novas técnicas para analisar esses grandes conjuntos de dados.”

O 3D-DASH cobre uma área total equivalente a quase seis vezes o tamanho da Lua no céu, visto da Terra. Esse recorde provavelmente permanecerá ininterrupto pelo JWST, sucessor do Hubble, que é construído para imagens sensíveis e close-up para capturar detalhes sutis de uma pequena área. É a maior imagem do céu no infravermelho próximo disponível para os astrônomos até que a próxima geração de telescópios seja lançada nos anos 2030, como o Telescópio Espacial Nancy Grace Roman e o Euclid.

Até então, astrônomos profissionais e observadores de estrelas amadores podem explorar os céus usando uma versão interativa online da imagem 3D-DASH criada por Gabriel Brammer, professor do Cosmic Dawn Center no Instituto Niels Bohr, da Universidade de Copenhague (Dinamarca).

A imagem completa está disponível no Mikulski Archive for Space Telescopes.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


3D-DASH