• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured06/07/2022

Nova pílula antirressaca decompõe até 70% do álcool em uma hora

Crédito: Pxfuel

06/07/22 - 11h16min

Um novo suplemento antirressaca acaba de ser colocado à venda no Reino Unido. É comercializado pela empresa sueca Myrkl como “a pílula pré-bebida que funciona”.

Diz-se que a pílula decompõe até 70% do álcool após 60 minutos. Isso significa que, se alguém beber 50 mililitros de destilados a 40%, que contém 20 ml de álcool puro, apenas 6 ml do álcool entrarão na corrente sanguínea. Isso é o mesmo que a pessoa que bebe apenas 15 ml de destilados.

Essa queda na quantidade de álcool absorvida pelo corpo é refletida por uma redução nos efeitos de curto prazo do álcool, como euforia e ansiedade reduzida.

A empresa que fabrica esse suplemento recomenda que sejam tomadas duas pílulas de uma a 12 horas antes de beber álcool.

O suplemento probiótico contém duas bactérias amigáveis ​​ao intestino – Bacillus subtilis e Bacillus coagulans – produzidas a partir de farelo de arroz fermentado. Essas bactérias naturalmente decompõem o álcool em água e dióxido de carbono. Uma cápsula resistente a ácidos protege as bactérias dos ácidos naturais do estômago para que possam chegar ao intestino, onde a maior parte do álcool é absorvida pela corrente sanguínea.

O que a ciência diz

A pílula é destinada a quem não quer ressaca depois de beber no dia anterior. Mas essas pílulas podem realmente prevenir uma ressaca?

A ressaca se deve principalmente aos efeitos desidratantes do álcool, que podem causar dor de cabeça. O efeito direto do álcool no estômago também pode causar dor de estômago e náusea. Se menos álcool for ingerido no corpo, os riscos de ficar desidratado são menores. Mas como as pílulas só funcionam depois que o álcool passa do estômago para o intestino, elas não vão parar o efeito do álcool no estômago.

A evidência para o Myrkl é baseada em um único estudo de pesquisa publicado. Vinte e quatro jovens adultos brancos saudáveis ​​foram convidados a tomar duas pílulas de Myrkl ou pílulas simuladas (placebo) todos os dias durante sete dias. Eles receberam então uma pequena quantidade de álcool (entre 50 ml e 90 ml de destilados) com base em seu peso. Seu nível de álcool no sangue foi testado pelas duas horas seguintes.

Os pesquisadores descobriram que nos primeiros 60 minutos, a quantidade de álcool no sangue foi 70% menor naqueles que receberam Myrkl em comparação com a pílula de placebo.

Embora esse estudo tenha sido bem desenhado, incluindo a alocação aleatória de pessoas para os grupos de Myrkl ou de pílulas fictícias, vários problemas tornam os resultados mais fracos. Primeiramente, os pesquisadores só relataram resultados de 14 das 24 pessoas porque dez tinham níveis mais baixos de álcool no sangue no início.

Em segundo lugar, os resultados variaram entre diferentes pessoas, o que reduz a precisão do estudo. E em terceiro, os pesquisadores testaram sete dias de tratamento antes de uma única bebida alcoólica, mas a empresa recomenda apenas dois comprimidos de uma a 12 horas antes de beber qualquer quantidade.

O estudo também deixa muitas perguntas sem resposta. A pílula funciona em pessoas que não são jovens, saudáveis ​​e brancas? Funciona em pessoas com doenças intestinais ou hepáticas? Existem diferenças no efeito da pílula entre homens e mulheres? O que acontece quando comida e álcool são tomados juntos? Os medicamentos alteram a ação das pílulas?

Já se sabe que as bactérias intestinais amigáveis ​​são alteradas por doenças de longo prazo e estilo de vida (tabagismo, consumo regular de álcool e dieta). Sabe-se também que o álcool é absorvido de forma diferente de acordo com o peso, sexo, atividade física e consumo alimentar. Esses fatores podem reduzir ou aumentar o efeito das bactérias amigáveis ​​nas pílulas Myrkl.

Os probióticos são seguros e amplamente disponíveis. Eles podem ser comprados como iogurtes, bebidas ou pílulas em muitos supermercados e lojas de alimentos saudáveis. As duas bactérias nas pílulas Myrkl também são seguras para a maioria das pessoas. No entanto, os probióticos administrados a pessoas com doenças podem perturbar o equilíbrio natural das bactérias intestinais saudáveis, causando infecção ou sintomas intestinais.

Uma pílula antes de beber para evitar a ressaca no dia seguinte seria benéfica para algumas pessoas. No entanto, com todas as perguntas não respondidas em torno da Myrkl, a melhor cura para a ressaca continua a ser beber menos álcool no dia anterior.

* Ashwin Dhanda é professor associado honorário de Hepatologia na Universidade de Plymouth (Reino Unido).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


álcool