Nova York testa nova tática na sua guerra contra os ratos

Metrópole americana está usando máquina italiana que atrai os roedores com isca e depois os afoga

Rato no metrô nova-iorquino: roedores "traumatizam" famílias da cidade, segundo presidente do Brooklyn. Foto: m01229/Wikimedia

A guerra de uma das maiores metrópoles do mundo contra os ratos está em uma nova (e aparentemente promissora) etapa: autoridades de Nova York divulgaram ontem (5 de setembro) que estão utilizando uma nova máquina para eliminar os roedores. A iniciativa, segundo reportagem da agência France-Presse publicada no jornal “The Guardian”, vem na sequência de anos de diversas tentativas frustradas. Elas incluem ideias como controle de natalidade e recipientes de lixo à prova dos bichos, e já consumiram juntas dezenas de milhões de dólares.

Fabricada na Itália, a máquina, chamada Ekomille, é semelhante a um gabinete com cerca de 60 centímetros de altura e operada por bateria. Atraídos por uma isca, os ratos sobem uma escada interna para comê-la. Um sensor aciona então uma alavanca de disparo, que mergulha os animais em uma bandeja com um líquido à base de álcool. “Isso os derruba e eles se afogam”, disse Anthony Giaquinto, presidente da Rat Trap, importadora dos aparelhos.

A bandeja pode armazenar 80 carcaças de ratos.

LEIA TAMBÉM: Vitória da natureza: como seria a Terra sem os humanos

Segundo as autoridades responsáveis, o novo expediente foi testado durante um mês em arredores do bairro do Brooklyn. O resultado foram 107 ratos mortos. Considerada um sucesso, a estratégia será aplicada agora em alguns dos distritos do bairro mais infestados pelos roedores.

Milhares de nova-iorquinos ligam todos os anos para uma linha de ajuda do departamento de saúde com queixas de ratos. De acordo com Eric Adams, presidente (o equivalente a subprefeito) do Brooklyn, Nova York foi atingida por uma “crise” de ratos. Ele afirmou que as famílias estavam sendo “traumatizadas” pelos animais.