• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência08/02/2022

Novo atlas revela: geleiras do globo têm menos gelo do que se pensava

Usando dados sobre a velocidade das geleiras, descobriu-se que as montanhas tropicais dos Andes da América do Sul têm até 23% menos gelo e disponibilidade de água doce. Cores mais escuras sobrepostas aqui na cordilheira do Peru, Cordillera Blanca, significam uma velocidade glacial mais rápida. Crédito: IGE-CNRS ©Mapbox ©OpenStreetMap ©Maxar

08/02/22 - 08h56min

O primeiro atlas para medir o movimento e a espessura das geleiras do mundo fornece uma imagem mais clara, mas mista, dos recursos de água doce do globo, de acordo com pesquisadores do Instituto de Geociências Ambientais (IGE), da França, e do Dartmouth College, dos EUA.

A pesquisa mundial, publicada na revista Nature Geoscience, mede a velocidade e a profundidade de mais de 250 mil geleiras de montanha. A pesquisa revisa estimativas anteriores do volume de gelo glacial, agora sugerindo que há 20% menos gelo disponível para o aumento do nível do mar nas geleiras do mundo do que se pensava anteriormente.

Os resultados têm implicações na disponibilidade de água para consumo, geração de energia, agricultura e outros usos em todo o mundo. As descobertas também alteram as projeções para o aumento do nível do mar causado pelo clima que deve afetar as populações em todo o mundo.

“Descobrir quanto gelo é armazenado nas geleiras é um passo fundamental para antecipar os efeitos das mudanças climáticas na sociedade”, disse Romain Millan, pesquisador de pós-doutorado do IGE e principal autor do estudo. “Com essas informações, estaremos mais próximos de conhecer o tamanho dos maiores reservatórios de água glacial e também de considerar como responder a um mundo com menos geleiras.”

Implicações para a população humana

“A descoberta de menos gelo é importante e terá implicações para milhões de pessoas em todo o mundo”, disse Mathieu Morlighem, professor de Ciências da Terra no Dartmouth College e coautor do estudo. “Mesmo com esta pesquisa, no entanto, ainda não temos uma imagem perfeita de quanta água está realmente retida nessas geleiras.”

O novo atlas cobre 98% das geleiras do mundo. De acordo com o estudo, muitas dessas geleiras são mais rasas do que o estimado em pesquisas anteriores. A dupla contagem de geleiras ao longo das periferias da Groenlândia e da Antártida também nublou conjuntos de dados anteriores.

O estudo encontrou menos gelo em algumas regiões e mais gelo em outras, com o resultado geral de que há menos gelo glacial em todo o mundo do que se pensava anteriormente.

A pesquisa descobriu que há quase um quarto a menos de gelo glacial nas montanhas tropicais dos Andes, da América do Sul. A descoberta significa que há até 23% menos água doce armazenada em uma área da qual milhões de pessoas dependem durante suas vidas cotidianas. A redução dessa quantidade de água doce equivale à secagem completa do Mono Lake, o terceiro maior lago da Califórnia.

Mais gelo no Himalaia

Pelo contrário, descobriu-se que as montanhas do Himalaia, da Ásia, têm mais de um terço a mais de gelo do que as estimativas anteriores. O resultado sugere que cerca de 37% a mais de recursos hídricos poderiam estar disponíveis na região, embora as geleiras do continente estejam derretendo rapidamente.

“A tendência geral de aquecimento e perda de massa permanece inalterada. Este estudo fornece a imagem necessária para que os modelos ofereçam projeções mais confiáveis ​​de quanto tempo ainda resta para essas geleiras”, disse Morlighem.

O derretimento das geleiras devido às mudanças climáticas é uma das principais causas do aumento do nível do mar. Atualmente, estima-se que as geleiras contribuam de 25% a 30% para o aumento geral do nível do mar, ameaçando cerca de 10% da população mundial que vive abaixo de 9 metros acima do nível do mar.

A redução em 20% do gelo glacial disponível para o aumento do nível do mar diminui o potencial de contribuição glacial ao nível do mar em 7,5 centímetros, revisando-o para baixo de 33 centímetros para pouco mais de 25 centímetros. Essa projeção inclui contribuições de todas as geleiras do mundo, exceto os dois grandes mantos de gelo da Groenlândia e da Antártida, que têm uma contribuição potencial muito maior para a elevação do nível do mar.

Estimativas incertas

“Comparar as diferenças globais com estimativas anteriores é apenas um lado da imagem”, disse Millan. “Se você começar a olhar localmente, as mudanças são ainda maiores. Para projetar corretamente a evolução futura das geleiras, capturar detalhes finos é muito mais importante do que apenas o volume total.”

De acordo com o estudo, as medições de profundidade existiam anteriormente para apenas cerca de 1% das geleiras do mundo, com a maioria dessas geleiras sendo apenas parcialmente estudada.

As estimativas de gelo glacial que existiam antes do novo estudo eram quase totalmente incertas, de acordo com a equipe de pesquisa. A incerteza se deve, em parte, à falta de medições de fluxo de gelo que mostrem a localização de gelo espesso e fino, todos coletados por meio de técnicas indiretas.

Para criar o enorme banco de dados de fluxo de gelo, a equipe de pesquisa estudou mais de 800 mil pares de imagens de satélite de geleiras, incluindo grandes calotas polares, geleiras alpinas estreitas, geleiras de vale lento e geleiras de maré rápida. As imagens de alta resolução foram adquiridas entre 2017-18 pelo Landsat-8 da Nasa e pelos satélites Sentinel-1 e Sentinel-2 da Agência Espacial Europeia (ESA). Os dados foram processados ​​usando mais de 1 milhão de horas de computação no IGE.

“Geralmente pensamos nas geleiras como gelo sólido que pode derreter no verão, mas o gelo na verdade flui como um xarope espesso sob seu próprio peso”, disse Morlighem. “O gelo flui de altitudes elevadas para altitudes mais baixas, onde acaba se transformando em água. Usando imagens de satélite, podemos rastrear o movimento dessas geleiras do espaço em escala global e, a partir daí, deduzir a quantidade de gelo ao redor do mundo todo.”

Reavaliação

O primeiro mapa global de velocidades de fluxo resultante cobre a maioria das geleiras terrestres do mundo, incluindo regiões onde não existia mapeamento anterior, como as cordilheiras do sul da América do Sul, ilhas subantárticas e Nova Zelândia.

Embora o novo atlas marque uma grande melhoria nas estimativas do potencial de gelo e água das geleiras, a distribuição da espessura das geleiras do mundo ainda está sujeita a grandes lacunas de informação.

“Nossas estimativas são mais próximas, mas ainda incertas, principalmente em regiões onde muitas pessoas dependem de geleiras”, disse Millan. “Coletar e compartilhar medições é complicado, porque as geleiras estão espalhadas por tantos países com diferentes prioridades de pesquisa.”

Segundo a equipe, sem medições diretas de campo, a estimativa dos recursos de água doce da geleira permanecerá incerta.

O estudo exige uma reavaliação da evolução das geleiras do mundo em modelos numéricos, bem como observações diretas da espessura do gelo nos Andes tropicais e no Himalaia, que são grandes caixas d’ água, mas que permanecem pouco documentadas.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Andes