Novo método revela o destino das células oculto em nossos genes

Ferramenta desenvolvida por equipe internacional de cientistas vai ajudar no desenvolvimento de terapias para um vasto número de doenças

Células humanas: interações genéticas determinam seu futuro. Crédito: Arek Socha/Pixabay

À medida que as células se desenvolvem, as mudanças na maneira como nossos genes interagem determinam seu destino. As diferenças nessas interações genéticas podem, por exemplo, tornar nossas células mais robustas à infecção por vírus. Ou podem impulsionar nossas células imunes a matar as células cancerígenas.

Compreender como essas associações de genes funcionam no desenvolvimento de tecidos e órgãos humanos é importante para a criação de tratamentos médicos para doenças complexas tão amplas como câncer, distúrbios do desenvolvimento ou moléstias cardíacas.

Uma nova tecnologia chamada sequenciamento de RNA de célula única possibilitou estudar o comportamento de genes em células humanas e de mamíferos em uma resolução sem precedentes. A novidade promete acelerar descobertas científicas e médicas.

LEIA TAMBÉM: Coronavírus e câncer usam mesmo mecanismo para se espalhar nas células

Juntamente com uma equipe de colaboradores internacionais de China, EUA e Reino Unido, cientistas da Universidade de Sydney (Austrália) desenvolveram uma abordagem analítica para esse sequenciamento de célula única, capaz de testar grandes mudanças no comportamento dos genes no tecido humano. Ela foi chamada de teste de ordem superior de célula única (scHOT, na abreviatura em inglês).

Mapeamento da correlação entre genes dentro de um bulbo olfativo de camundongo. Crédito: Universidade de Sydney
Exploração completa

O estudo a esse respeito foi publicado na revista “Nature Methods”. Nele, a equipe demonstra a eficácia do método, identificando genes em camundongos cuja variabilidade muda nas células durante o desenvolvimento do fígado embrionário.

Liderada pelo professor Jean Yang, da Faculdade de Matemática e Estatística da Universidade de Sydney, a equipe também encontrou novos pares de genes que covariam em expressão através do bulbo olfativo do camundongo. Esse tecido é importante para a compreensão de doenças no desenvolvimento neurológico.

Tais resultados indicam que o scHOT é uma nova e poderosa ferramenta capaz de descobrir associações genéticas ocultas em nossas células. Ele também deve facilitar a exploração completa dessas tecnologias de célula única de ponta para fazer importantes descobertas biológicas.

A pesquisa recentemente apresentada ajudará a descobrir associações genéticas ocultas em nossas células, fornecendo uma nova maneira de visualizar e descrever a complexidade biológica.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança