Novo telescópio espacial revela detalhes de planeta superesquisito

Primeiro estudo feito a partir de dados do Cheops mostra que o exoplaneta WASP-189b, um dos mais extremos já descobertos, tem temperatura de 3.200 °C e ferro na forma gasosa

Concepção artística do exoplaneta WASP-189b orbitando sua estrela: um dos planetas extrassolares mais extremos já descobertos. Crédito: © ESA

Oito meses depois de o telescópio espacial Cheops iniciar sua missão, o primeiro estudo científico usando dados obtidos por ele foi divulgado. O Cheops é a primeira missão da Agência Espacial Europeia (ESA) dedicada a caracterizar exoplanetas conhecidos, aqueles que orbitam estrelas fora do Sistema Solar.

A primeira descoberta de um exoplaneta ocorreu em 1995 graças a dois astrônomos suíços, Michel Mayor e Didier Queloz, que no ano passado receberam o Prêmio Nobel por esse feito. O Cheops foi desenvolvido como parte de uma parceria entre a ESA e a Suíça. Sob a liderança da Universidade de Berna e da ESA, um consórcio de mais de 100 cientistas e engenheiros de 11 países europeus esteve envolvido na construção do satélite durante cinco anos. O Centro de Operações Científicas do Cheops está localizado no observatório da Universidade de Genebra.

Usando dados do Cheops, os cientistas realizaram recentemente um estudo detalhado do exoplaneta WASP-189b. Os resultados acabam de ser aceitos para publicação na revista “Astronomy & Astrophysics”. Willy Benz, professor de astrofísica da Universidade de Berna e chefe do consórcio Cheops, disse: “Essas observações demonstram que o Cheops atende plenamente às altas expectativas em relação ao seu desempenho.”

LEIA TAMBÉM: Planetas errantes podem ser mais numerosos que estrelas

Planeta ultraextremo

O WASP-189b, o alvo das observações do Cheops, é um exoplaneta na órbita da estrela HD 133112, uma das estrelas mais quentes conhecidas a ter um sistema planetário. “O sistema WASP-189 está a 322 anos-luz de distância e localizado na constelação de Libra”, explica a autora principal do estudo, Monika Lendl, da Universidade de Genebra.

“O WASP-189b é especialmente interessante porque é um gigante gasoso que orbita muito perto de sua estrela hospedeira. Leva menos de três dias para girar em torno de sua estrela e está 20 vezes mais perto da estrela do que a Terra está do Sol”, diz Lendl. O planeta é mais de 1,5 vez maior que Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar.

Lendl explica ainda que objetos planetários como o WASP-189b são muito exóticos. “Eles têm um lado diurno permanente, que está sempre exposto à luz da estrela, e, consequentemente, um lado noturno permanente”, observa. Isso significa que seu clima é completamente diferente daquele dos gigantes gasosos Júpiter e Saturno. “Com base nas observações usando o Cheops, estimamos a temperatura do WASP-189b em 3.200 graus Celsius. Planetas como o WASP-189b são chamados de ‘Júpiteres ultraquentes’. O ferro derrete em altas temperaturas e até se torna gasoso. Esse objeto é um dos planetas mais extremos que conhecemos até agora”, diz Lendl.

Informações sobre o sistema WASP-189. Crédito: © ESA
Medições altamente precisas

“Não podemos ver o próprio planeta porque ele está muito longe e muito perto de sua estrela hospedeira, então temos de contar com métodos indiretos”, explica Lendl. Para isso, o Cheops usa medições de brilho altamente precisas: quando um planeta passa na frente de sua estrela, visto da Terra, a estrela parece mais fraca por um curto período de tempo. Esse fenômeno é denominado trânsito.

Lendl diz: “Como o exoplaneta WASP-189b está tão perto de sua estrela, seu lado diurno é tão brilhante que podemos até medir a luz ‘ausente’ quando o planeta passa atrás de sua estrela; isso é chamado de ocultação. Observamos várias dessas ocultações do WASP-189b com o Cheops. Parece que o planeta não reflete muita luz das estrelas. Em vez disso, a maior parte da luz das estrelas é absorvida pelo planeta, aquecendo-o e fazendo-o brilhar”.

Os pesquisadores acreditam que o planeta não é muito reflexivo porque não há nuvens presentes em seu lado diurno. “Isso não é surpreendente, pois os modelos teóricos nos dizem que as nuvens não podem se formar em temperaturas tão altas”, diz Lendl.

Trânsito assimétrico

Willy Benz diz: “Também descobrimos que o trânsito do gigante gasoso na frente da sua estrela é assimétrico. Isso acontece quando a estrela possui zonas mais brilhantes e mais escuras em sua superfície. Graças aos dados do Cheops, podemos concluir que a própria estrela gira tão rapidamente que sua forma não é mais esférica, mas elipsoidal. A estrela está sendo puxada para fora em seu equador”.

A estrela em torno da qual o WASP-189b orbita é muito diferente do Sol. Monika Lendl diz: “A estrela é consideravelmente maior e mais de 2.000 graus Celsius mais quente do que o nosso Sol. Por ser muito quente, a estrela parece azul e não branco-amarelada como o Sol.”

Willy Benz diz: “Apenas um punhado de planetas orbita essas estrelas quentes, e esse sistema é de longe o mais brilhante.” Como consequência, é uma referência para estudos futuros. “Esperamos mais descobertas espetaculares em exoplanetas graças às observações do Cheops. Os próximos artigos já estão em preparação.”

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança