• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia08/04/2022

Núcleo misterioso explica linhagens de Homo sapiens da Ásia Oriental na Europa

Crédito: ConexaoCabeca/Pixabay

08/04/22 - 11h44min

Os antigos restos humanos desenterrados na caverna Bacho Kiro (na atual Bulgária) e recentemente descritos geneticamente contêm um dado surpreendente: eles foram mais intimamente relacionados aos asiáticos orientais contemporâneos do que aos europeus contemporâneos. Vários cenários foram propostos para explicar a descoberta, mas esse resultado intrigante até agora levantou mais perguntas do que respostas sobre os movimentos populacionais antigos subjacentes que poderiam explicar a presença de indivíduos geneticamente do leste asiático na Europa há cerca de 45 mil anos.

Um estudo publicado na revista Genome Biology and Evolution tentou resolver o mistério, colocando esses indivíduos no contexto mais amplo dos genomas humanos do Paleolítico da Eurásia e coanalisando a genética e as evidências arqueológicas. O estudo foi liderado por Leonardo Vallini e pelo prof. Luca Pagani, da Universidade de Pádua (Itália), em colaboração com a drª Giulia Marciani e o prof. Stefano Benazzi, da Universidade de Bolonha (Itália).

No cenário proposto pelos autores, a colonização da Eurásia Oriental e Ocidental foi caracterizada por vários eventos de expansão e extinção local a partir de um centro populacional, onde os ancestrais de todos os eurasianos prosperaram após se aventurarem pela primeira vez fora da África há cerca de 70-60 mil anos.

Expansão fracassada

Uma expansão precoce e fracassada do Homo sapiens ocorreu em algum momento antes de 45 mil anos atrás. O único representante dessa migração, que não está relacionada nem aos europeus modernos nem aos asiáticos modernos, foi recuperado de Zlatý kůň, na atual República Tcheca, e ainda não está claro o quão difundida ela foi.

“Então, por volta de 45 mil anos atrás, uma nova expansão emanou desse centro e colonizou uma ampla área que vai da Europa ao leste da Ásia e Oceania e está associada a um modo de produção de ferramentas de pedra conhecido como Paleolítico Superior Inicial”, disse Leonardo Vallini, primeiro autor do estudo.

O destino desses colonos foi diferente na Ásia Oriental e na Europa: enquanto no primeiro eles perduraram e acabaram levando à formação das populações modernas do leste do continente, os representantes europeus dessa expansão declinaram e desapareceram em grande parte, deixando Bacho Kiro, o esquivo indivíduo Oase achado na Romênia e alguns outros restos como os únicos testemunhos desse povoamento precoce da Europa.

“É curioso notar que, por volta da mesma época, também os últimos neandertais foram extintos”, afirmou Giulia Marciani, da Universidade de Bolonha e coautora do estudo.

Ancestralidade peculiar

“Finalmente, uma última expansão ocorreu algum tempo antes de 38 mil anos atrás e recolonizou a Europa a partir do mesmo centro populacional, cuja localização ainda não foi esclarecida”, resumiu Luca Pagani, autor sênior do estudo. “Embora mesmo na Europa houvesse interações ocasionais com sobreviventes da onda anterior, uma extensa e generalizada mistura entre as duas ondas só ocorreu na Sibéria, onde deu origem a uma ancestralidade peculiar conhecida como Antigos Euroasiáticos do Norte (Ancient North Eurasian), que acabou contribuindo para a ancestralidade. dos nativos americanos”.

Essa migração está associada a um conjunto cultural diferente denominado Paleolítico Superior, que caracteriza os principais sítios paleolíticos europeus. “É digno de nota que, do ponto de vista cultural, essas novas ferramentas de pedra têm sido frequentemente descritas como uma montagem independente, em vez de um desenvolvimento local de tecnologias pré-existentes na Europa: é revigorante ver que a informação genética e cultural pode ser conciliada sob um cenário abrangente”, concluiu Telmo Pievani, da Universidade de Pádua e coautor do estudo.

Os autores concluem que mais esforços devem ser direcionados para esclarecer a localização geográfica desse centro populacional e identificar as causas internas e externas subjacentes a esses movimentos populacionais antigos, bem como as dinâmicas culturais associadas.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

África