• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Featured17/11/2021

Número de células imunes contra covid-19 segue alto 6 meses após vacinação

Vacinas contra a covid-19 que usam RNA mensageiro são eficientes por no mínimo seis meses e também ajudam a reconhecer e combater a variante delta

17/11/21 - 10h25min

Um estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade Johns Hopkins (EUA) fornece evidências de que os linfócitos T CD4+ – células do sistema imunológico também conhecidas como células T auxiliares – produzidos por pessoas que receberam uma das duas vacinas de RNA mensageiro (mRNA) disponíveis para covid-19 persistem seis meses após a vacinação em níveis apenas ligeiramente reduzidos a partir de duas semanas após a vacinação e em níveis significativamente mais elevados do que aqueles que não foram vacinados.

Os pesquisadores também descobriram que as células T que estudaram reconhecem e ajudam a proteger contra a variante delta do SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), a variante delta – atualmente a cepa predominante do SARS-CoV-2 nos EUA – causa mais infecções e se espalha mais rapidamente do que as formas anteriores do vírus.

Os resultados do estudo foram relatados pela primeira vez online na revista Clinical Infectious Diseases.

Implicações importantes

“Pesquisas anteriores sugeriram que a resposta imunológica humoral – onde o sistema imunológico circula anticorpos neutralizantes de vírus – pode cair seis meses após a vacinação. Enquanto isso, nosso estudo indica que a imunidade celular – onde o sistema imunológico ataca diretamente as células infectadas – permanece forte”, afirmou o autor sênior do estudo, dr. Joel Blankson, professor de medicina na Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins. “A persistência dessas células T induzidas pela vacina, junto com o fato de que elas são ativas contra a variante delta, tem implicações importantes para orientar o desenvolvimento da vacina contra a covid e determinar a necessidade de reforços contra a covid no futuro.”

Para chegarem a esses resultados, Blankson e seus colegas obtiveram sangue de 15 participantes do estudo (10 homens e cinco mulheres) em três momentos: antes da vacinação, entre sete e 14 dias após a segunda dose da vacina Pfizer/BioNTech ou Moderna, e seis meses após a vacinação. A idade média dos participantes era 41 e nenhum tinha evidência de infecção anterior por SARS-CoV-2.

Os linfócitos T CD4+ recebem o apelido de células T auxiliares porque auxiliam outro tipo de célula do sistema imunológico, o linfócito B (célula B), a responder a proteínas de superfície – antígenos – em vírus como o SARS-CoV-2. Ativadas pelas células T CD4+, as células B imaturas se tornam células plasmáticas que produzem anticorpos para marcar células infectadas para descarte do corpo ou células de memória que “lembram” a estrutura bioquímica do antígeno para uma resposta mais rápida a infecções futuras. Portanto, uma resposta de células T CD4+ pode servir como uma medida de quão bem o sistema imunológico responde a uma vacina e produz imunidade humoral.

Frequência significativamente alta

Em seu estudo, Blankson e colegas descobriram que o número de células T auxiliares que reconhecem as proteínas spike SARS-CoV-2 era extremamente baixo antes da vacinação – com uma mediana de 2,7 unidades formadoras de manchas (SFUs, cujo nível é uma medida de frequência de células T) por milhão de células mononucleares do sangue periférico (PBMCs, identificadas como qualquer célula do sangue com núcleo redondo, incluindo linfócitos). Entre 7 e 14 dias após a vacinação, a frequência de células T aumentou para uma mediana de 237 SFUs por milhão de PBMCs. Seis meses após a vacinação, o nível caiu ligeiramente para uma mediana de 122 SFUs por milhão de PBMCs – uma frequência de células T ainda significativamente maior do que antes da vacinação.

Os pesquisadores também analisaram seis meses após a vacinação na capacidade das células T CD4+ de reconhecer proteínas de pico no topo da variante delta SARS-CoV-2. Eles descobriram que o número de células T que reconhecem a variante delta da proteína spike não era significativamente diferente do número de células T sintonizadas com a proteína da cepa do vírus original.

Embora o estudo tenha sido limitado por causa do pequeno número de participantes, Blankson considera que ele aponta áreas que merecem mais pesquisas. “A expansão robusta das células T em resposta à estimulação com proteínas spike é certamente indicada, apoiando a necessidade de mais estudos para mostrar que as doses de reforço aumentam com sucesso a frequência de células T específicas para SARS-CoV-2 que circulam no sangue”, disse ele. “O bônus adicional é descobrir que essa resposta também é provavelmente forte para a variante delta.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

BioNTech