• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia12/01/2022

O buraco negro no centro da Via Láctea anda caótico e imprevisível

Esta imagem de raios X do centro galáctico mescla todas as observações do Observatório Swift de 2006 a 2013. Sagitário A* está no centro. Os raios X de baixa energia (300 a 1.500 elétron-volts) aparecem em vermelho. Verdes são de energia média (1.500 a 3.000 eV). Azuis são de alta energia (3.000 a 10.000 eV). Crédito: Nasa/Swift/N. Degenaar

12/01/22 - 09h31min

Uma equipe internacional de pesquisadores, liderada pelo pós-graduando Alexis Andrés, descobriu que o buraco negro no centro da Via Láctea, Sagitário A*, não apenas brilha irregularmente de dia para dia, mas também em longo prazo. A equipe analisou 15 anos de dados para chegar a essa conclusão.

A pesquisa foi iniciada por Andrés em 2019, quando ele era estudante de verão na Universidade de Amsterdã (Holanda). Nos anos que se seguiram, ele continuou sua pesquisa, publicada na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Sagitário A* é uma forte fonte de rádio, raios X e raios gama (a luz visível é bloqueada por gases e poeiras intervenientes). Os astrônomos sabem há décadas que Sagitário A* pisca todos os dias, emitindo rajadas de radiação que são dez a cem vezes mais brilhantes do que os sinais normais observados no buraco negro.

Acaso excluído

Para saber mais sobre essas misteriosas erupções, a equipe de astrônomos, liderada por Andrés, pesquisou padrões em 15 anos de dados disponibilizados pelo Observatório Neil Gehrels Swift, da Nasa, um satélite em órbita da Terra dedicado à detecção de explosões de raios gama. O Observatório Swift observa raios gama de buracos negros desde 2006. A análise dos dados mostrou altos níveis de atividade de 2006 a 2008, com um declínio acentuado na atividade nos próximos quatro anos. Depois de 2012, a frequência de erupções aumentou novamente – os pesquisadores tiveram dificuldade em distinguir um padrão.

Nos próximos anos, a equipe de astrônomos espera reunir dados suficientes para poder descartar se as variações nas erupções de Sagitário A* se devem à passagem de nuvens gasosas ou estrelas, ou se algo mais pode explicar a atividade irregular observada no buraco negro central da nossa galáxia.

“O longo conjunto de dados do Observatório Swift não aconteceu por acaso”, disse a coautora e supervisora ​​anterior de Andrés, drª Nathalie Degenaar, também da Universidade de Amsterdã. Seu pedido para essas medições específicas do satélite Swift foi concedido enquanto ela era aluna de doutorado. “Desde então, venho solicitando mais tempo de observação regularmente. É um programa de observação muito especial que nos permite realizar muitas pesquisas.”

O coautor dr. Jakob van den Eijnden, da Universidade de Oxford (Reino Unido), comentou as descobertas da equipe: “Como exatamente as erupções ocorrem é algo que permanece incerto. Anteriormente, pensava-se que mais erupções se seguiriam após nuvens gasosas ou estrelas passarem pelo buraco negro, mas ainda não há evidências disso. E ainda não podemos confirmar a hipótese de que as propriedades magnéticas do gás circundante também desempenham um papel.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

Alexis Andrés