O futuro do trabalho é híbrido. Veja como torná-lo bem-sucedido

Entre prós e contras, o trabalho durante a pandemia de covid-19 revelou que a mistura entre os modelos presencial e virtual pode obter os melhores resultados. Confira aqui como seria isso

Transformações no trabalho observadas durante a pandemia vieram para ficar. Crédito: Pxfuel

A covid-19 mudou a forma como trabalhamos.

Mesmo antes da pandemia, a força de trabalho dos EUA dependia cada vez mais de tecnologias de colaboração remota, como videoconferência e a plataforma de comunicação Slack. A crise global acelerou a adoção dessas ferramentas e práticas de trabalho de forma inédita. Em abril de 2020, cerca de metade das empresas do país relatou que mais de 80% de seus funcionários trabalhavam em casa por causa da covid-19.

Essa mudança foi possível devido a décadas de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias que dão suporte ao trabalho remoto, mas nem todos usam essas tecnologias com a mesma facilidade. Já em 1987, uma pesquisa inovadora identificou alguns dos desafios enfrentados pelas mulheres que trabalham em casa usando a tecnologia. Isso incluía as dificuldades de cuidar dos filhos, separação trabalho-casa e oportunidades de crescimento de funcionários.

Desde então, aprendemos muito mais sobre colaboração virtual. Como professora associada de sistemas de informação, tenho interesse no que podemos esperar ao anteciparmos ansiosamente um futuro pós-pandêmico. Uma coisa se destaca: os arranjos de trabalho híbridos – isto é, funcionários que fazem algumas tarefas no escritório e outras virtualmente – certamente serão uma grande parte do cenário.

Definição variável

Uma pesquisa de abril de 2021 mostra que 99% dos líderes de recursos humanos esperam que os funcionários trabalhem em algum tipo de arranjo híbrido no futuro. Muitos já começaram. Como apenas um exemplo, o Dropbox, o serviço de hospedagem de arquivos, fez uma mudança permanente durante a pandemia, permitindo que os funcionários trabalhassem em casa e realizassem reuniões de equipe no escritório.

A definição de “híbrido” varia em outras organizações. Alguns funcionários podem estar no escritório alguns dias por semana ou em dias alternados. Outros negócios podem exigir apenas um contato pessoal ocasional, talvez reunindo-se em um local centralizado uma vez a cada trimestre.

De qualquer forma, a pesquisa mostra que muitas empresas falham na implementação de uma força de trabalho virtual.

O compartilhamento de conhecimentos e a resolução colaborativa de problemas são características difíceis de replicar em um ambiente virtual. Crédito: Pxfuel
Trabalho remoto x presencial

O trabalho interno promove estrutura e transparência, o que pode aumentar a confiança entre a administração e os trabalhadores. O desenvolvimento de uma cultura organizacional acontece naturalmente. Conversas casuais no escritório – um trabalhador caminhando pelo corredor para uma conversa rápida e não programada com um colega, por exemplo – podem levar ao compartilhamento de conhecimentos e à resolução colaborativa de problemas. Isso é difícil de replicar em um ambiente virtual, que geralmente depende de agendamento antecipado para reuniões online – embora isso ainda seja viável com planejamento e comunicação suficientes.

Mas se você olhar para métricas diferentes, o trabalho no escritório perde para o trabalho em casa. Minha pesquisa recente descobriu que trabalhadores remotos relatam mais produtividade e gostam de trabalhar em casa por causa da flexibilidade, da capacidade de usar roupas casuais e do tempo de deslocamento reduzido ou inexistente. O trabalho remoto também economiza dinheiro. Há uma economia de custo significativa para o espaço de escritório, um dos maiores itens de linha do orçamento para as organizações.

Os arranjos híbridos tentam combinar o melhor dos dois mundos.

Não é perfeito

É verdade que o trabalho híbrido enfrenta muitos dos mesmos obstáculos do trabalho presencial. O planejamento e a comunicação deficientes, reuniões ineficazes ou desnecessárias e confusão sobre as responsabilidades da tarefa acontecem tanto remotamente quanto pessoalmente.

Talvez o maior problema ao trabalhar em casa: questões de tecnologia e segurança. Redes domésticas, um alvo mais fácil para ameaças cibernéticas, são normalmente mais vulneráveis ​​do que redes de escritórios. Os funcionários remotos também têm maior probabilidade de compartilhar computadores com alguém de fora de sua organização. As organizações híbridas devem investir antecipadamente para resolver esses problemas complicados e muitas vezes caros.

Com o trabalho híbrido, os gerentes não conseguem ver o trabalho ocorrendo. Isso significa que eles devem medir o desempenho dos funcionários com base nos resultados com métricas de desempenho claras, em vez do foco tradicional no comportamento do funcionário.

Outra armadilha potencial: as linhas de falha podem se desenvolver dentro de equipes híbridas – ou seja, mal-entendidos ou falta de comunicação entre os que estão no escritório e os que estão em casa. Esses dois grupos podem começar a se dividir, potencialmente levando a tensões e conflitos entre eles – um cenário “nós contra eles”.

Reuniões de trabalho realizadas com grande frequência ou pouco propósito são contraproducentes. Crédito: Pxfuel
Estabelecendo um ambiente híbrido

Existem inúmeras recomendações sobre a melhor maneira de desenvolver um modelo híbrido. Aqui estão algumas das melhores ideias.

Reunir-se com muita frequência ou com pouco propósito – isto é, reunir-se apenas por se encontrar – leva à fadiga e ao esgotamento. Nem todo mundo precisa estar em todas as reuniões, mas a delicadeza da administração é necessária para garantir que ninguém se sinta excluído. E os dias sem reuniões podem ajudar na produtividade e permitir aos funcionários um bloco de tempo ininterrupto para se concentrar em projetos complexos.

Ouvir os funcionários é fundamental para garantir que o ambiente híbrido esteja funcionando. A busca contínua de feedback, por meio de conversas individuais, grupos de foco ou pesquisas de recursos humanos, também é importante. Assim como reconhecer e recompensar os funcionários com elogios pessoais ou virtuais por suas realizações. Incentivos de desempenho, como recompensas financeiras ou lembranças de agradecimento, incluindo entrega de comida, ajudam a desenvolver uma cultura de apoio que aumenta o comprometimento do funcionário.

Finalmente: tanto os gerentes quanto os funcionários devem ser transparentes em sua comunicação e compreensão dos planos híbridos. As políticas devem estar em vigor para definir quais tarefas acontecem no escritório e remotamente. O acesso a comunicações confiáveis é essencial, especialmente para trabalho remoto. Todos os funcionários devem receber as mesmas informações simultaneamente e em tempo hábil. Afinal, seja no escritório ou online, os funcionários não querem se sentir os últimos a saber.

* Alanah Mitchell é professora associada e presidente de gerenciamento de informações e análise de negócios na Universidade Drake (EUA).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago