O intrigante cometa azul viaja pelo Sistema Solar

O cometa C/2016 R2 (PANSTARRS) atrai a atenção dos cientistas por causa das moléculas e dos compostos raros detectados na sua coma

O C/2016 R2 (PANSTARRS) em sua jornada pelo Sistema Solar: aproximação do Sol a cada 20 mil anos. Crédito: SO/SPECULOOS Team/E. Jehin

Esta imagem mostra o cometa C/2016 R2 (PANSTARRS) localizado nos confins do Sistema Solar. Tal como o seu nome sugere, esse cometa foi descoberto em 2016 pelos telescópios Pan-STARRS no Havaí. A imagem foi capturada por um projeto baseado no Observatório do Paranal do Observatório Europeu do Sul (ESO) no Chile chamado SPECULOOS — Search for habitable Planets EClipsing ULtra-cOOl Stars (Busca de planetas habitáveis que eclipsam estrelas ultrafrias).

Os cometas são bolas de poeira, gelo, gás e rochas. Quando passam perto do Sol, o gelo se aquece, transforma-se em gás e escapa num processo chamado outgassing. Esse processo forma envelopes difusos em torno do núcleo do cometa, as chamadas comas, e caudas bem distintas.

LEIA TAMBÉM: Astrônomos detectam segundo objeto interestelar em nosso sistema

Observações SPECULOOS mostram que a cauda do C/2016 R2 (PANSTARRS) muda drasticamente ao longo de apenas uma noite, criando um conjunto dinâmico de imagens. Esta imagem corresponde a observações obtidas em 18 de janeiro de 2018 durante uma fase de testes do telescópio Callisto do SPECULOOS, e foi tirada quando o cometa estava a 2,85 UA do Sol (1 Unidade Astronômica corresponde à distância média entre a Terra e o Sol) e viajando rumo ao interior do Sistema Solar.

Linhas distintas

Esse cometa é particularmente intrigante por causa das moléculas e compostos raros que os cientistas detectaram na sua coma: monóxido de carbono e íons de nitrogênio. Esses compostos dão ao cometa linhas de emissão azuis distintas — daí seu apelido “cometa azul”.

O tímido C/2016 R2 (PANSTARRS) passa perto do Sol apenas uma vez a cada 20 mil anos. Sua mais recente aproximação ocorreu em maio de 2018. Esta imagem foi obtida quando o telescópio seguia o movimento do cometa. Por isso, os traços brilhantes de luz no fundo da imagem correspondem a estrelas distantes, mas o cometa e a sua coma gasosa estão bem focados, uma prova do poder de rastreamento do SPECULOOS.