O lugar escolhido quando se quer filmar cenas de Marte na Terra

Wadi Rum, na Jordânia, é um cenário perfeito para tramas passadas no Planeta Vermelho

Wadi Rum: Marte na Terra. Crédito: Nasa Earth Observatory/Lauren Dauphin, com dados Landsat do US Geological Survey

O Wadi Rum (wadi, ou uádi, é o leito de um rio temporário) se parece com poucos outros lugares na Terra. Sua paisagem desértica lembra, na verdade, o que já se viu e o que se imagina ver em solo marciano, ressalta o site da Nasa Earth Observatory. Certamente por esse motivo, as paisagens nesse vale no sul da Jordânia têm inspirado vários cineastas a usá-lo como locação em filmes passados em Marte.

Entre eles está Ridley Scott, diretor do filme de 2015 Perdido em Marte. Scott fez uso frequente do cenário do Wadi Rum, muitas vezes trazendo os espectadores em passeios panorâmicos por inselbergs (montanhas que emergem abruptamente do plano circundante), pináculos e torres de rocha impressionantes enquanto o astronauta Mark Watney (vivido no filme por Matt Damon) tenta sobreviver em Marte e voltar para a Terra.

Quando se vê esse lugar do espaço, é fácil entender por que Scott o escolheu. As cores e texturas do Wadi Rum (mostradas na imagem do Landsat 8 reproduzida acima em cores naturais) são semelhantes às encontradas em Marte. A área, que aparece no filme em várias ocasiões, apresenta imponentes inselbergs de arenito e granito que pontuam vales cobertos por areia rica em ferro. Inclui uma das formações rochosas mais icônicas da região: os Sete Pilares da Sabedoria, um grupo de pilares de pedra natural que se projetam da borda norte de Jebel Um Ishrin.

Pequenas alterações

Muitas das formações rochosas proeminentes no Wadi Rum são compostas por camadas parcialmente erodidas de rocha sedimentar (sobretudo arenitos roxos e brancos). Elas se formaram centenas de milhões de anos atrás, quando o nível do mar estava mais alto e a área era lama no fundo do oceano no topo da base de granito. Depois que o nível do mar caiu e expôs as novas rochas sedimentares, uma combinação de elevação tectônica, vento e água as erodiu e esculpiu, deixando vales cheios de areia e terreno irregular.

Scott sentiu que o cenário era uma boa aproximação de Marte e fez apenas algumas alterações durante a edição. Ele acrescentou uma poeira vermelha de fundo a muitas cenas e, ocasionalmente, adicionou nuvens geradas por computador e tempestades de poeira para um efeito dramático. “Não fiz nada além de filmar na hora certa, nas posições certas”, disse ele ao site Space.com. “Para mim, [Wadi Rum] é a Oitava Maravilha do Mundo. É incrível.”

O Wadi Rum está presente em vários outros filmes conhecidos por aficionados de Marte e fãs de filmes de ficção científica. A lista inclui Planeta Vermelho (2000), Os Últimos Dias em Marte (2013), Prometheus (2012), Rogue One: Uma História Star Wars (2016) e Star Wars: A Ascensão Skywalker (2019), todos usando o Wadi Rum como cenário para Marte ou outros planetas desérticos fictícios. “Fiquei maravilhado com aquele lugar, era muito, muito especial”, disse Matt Damon sobre o tempo que passou filmando lá. “[É] um dos lugares mais espetaculares e belos que já vi, e como nada que já vi em qualquer outro lugar da Terra.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago