• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Ciência07/05/2022

O multiverso estourou na cultura pop – mas o que é? Ele existe mesmo?

Crédito: Marvel Studios

07/05/22 - 18h54min

Se você precisa de um novo vilão ou de um velho Homem-Aranha, seu filme de ficção científica soará mais cientificamente respeitável se você usar a palavra multiverso. O multiverso da Marvel coloca diferentes versões do nosso universo “lá fora”, em algum lugar. Nesses filmes, com a mistura certa de tecnologia, magia e imaginação, é possível viajar entre esses universos.

Por exemplo (spoilers!), em Homem-Aranha: Sem Volta para Casa, descobrimos que existem outros universos e outras Terras, algumas das quais têm seu próprio Homem-Aranha local. No universo do filme, a magia é possível.

Essa magia, graças a um feitiço falho do super-herói Doutor Estranho, faz com que alguns dos outros Homens-Aranha sejam transportados para o nosso universo, junto com alguns supervilões.

Em Doutor Estranho no Multiverso da Loucura (que estreou no Brasil em maio), a bufonaria do universo no universo ameaça uma “dessacralização da realidade”.

Então, quais dessas ideias a Marvel tomou emprestadas da ciência e quais são pura ficção?

Crédito: Marvel Studios

Multiverso ‘light’: um universo realmente grande

Poderia haver outras Terras? Poderia haver outras pessoas lá fora, que se parecem muito conosco, em um planeta que se parece com o nosso? Cientificamente, é possível, porque não sabemos o quão grande é o nosso universo.

Podemos ver bilhões de anos-luz no espaço, mas não sabemos quanto mais espaço existe lá fora, além do que podemos ver.

Se houver mais espaço lá fora, cheio de galáxias, estrelas e planetas, então há cada vez mais chances de uma Outra Terra existir. Algum lugar. Com espaço suficiente e planetas suficientes, qualquer possibilidade se torna provável.

A ficção do multiverso da Marvel decorre da capacidade de viajar entre essas Outras Terras. Há uma boa razão pela qual o Dr. Estranho precisa usar magia para isso.

De acordo com Albert Einstein, não podemos viajar pelo espaço mais rápido que a luz. E enquanto formas mais exóticas de viajar ao redor do universo são cientificamente possíveis – buracos de minhoca, por exemplo –, nós não sabemos como fazê-las, o universo não parece fazê-las naturalmente, e não há razão para pensar que elas nos conectariam a Outra-Terra em vez de uma parte aleatória do espaço vazio.

Então, quase certamente, se Outra Terra está lá fora em algum lugar, é inimaginavelmente distante, mesmo para um astrônomo.

Em “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura”, o multiverso é rompido por vários feitiços mágicos e habilidades especiais. Crédito: Marvel Studios

Mudando as leis da natureza

O multiverso da Marvel pode parecer selvagem, mas do ponto de vista científico é realmente muito manso. Muito normal. Muito familiar. Aqui está o porquê.

Os blocos básicos de construção do nosso universo – prótons e nêutrons (e seus quarks), elétrons, luz, etc. – são capazes de fazer coisas incríveis, como a vida humana. Seu corpo é surpreendente: coleta de energia, processamento de informações, construção de minimáquinas, autorreparação.

Os físicos descobriram que a capacidade dos blocos de construção do nosso universo de criar formas de vida é extremamente rara. Qualquer bloco antigo não serve.

Se os elétrons fossem muito pesados, ou a força que mantém os núcleos atômicos juntos fosse muito fraca, as coisas do universo nem mesmo se uniriam, muito menos fariam algo tão maravilhoso quanto uma célula viva. Ou, na verdade, qualquer coisa que pudesse ser chamada de viva.

Como nosso universo conseguiu a mistura certa de ingredientes? Talvez tenhamos ganhado na loteria cósmica. Talvez, em escalas muito maiores do que nossos telescópios podem ver, outras partes do universo tenham diferentes blocos de construção.

Nosso universo é apenas uma das opções – particularmente afortunada – entre um multiverso de universos com ingressos perdidos.

Este é o multiverso científico: não apenas mais do nosso universo, mas universos com diferentes ingredientes fundamentais. A maioria está morta, mas muito raramente surge a combinação certa para formas de vida.

O multiverso da Marvel, por outro lado, apenas reorganiza os átomos e forças familiares do nosso universo (além de um pouco de magia). Isto não é suficiente.

Em “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, três diferentes Homens-Aranha do universo alternativo (e franquias de filmes alternativos do Homem-Aranha) se unem para combater vilões de todo o multiverso. Crédito: IMDB

Inflação cósmica e o Big Bang

Como era o nosso universo no passado? As evidências sugerem que o universo era mais quente, mais denso e mais suave. Isso é chamado de Teoria do Big Bang.

Mas houve um Big Bang? Houve um momento em que o universo foi infinitamente quente, infinitamente denso e contido em um único ponto? Bem, talvez. Mas não temos certeza, então os cientistas exploraram várias outras opções.

Uma ideia, chamada inflação cósmica, diz que na primeira fração de segundo do universo, ele se expandiu de modo extremamente rápido. Se isso for verdade, explicaria algumas coisas sobre por que nosso universo se expande exatamente da maneira como o faz.

Mas como você faz um universo se expandir tão rapidamente? A resposta é um novo tipo de campo de energia. Ele tem o controle dos primeiros momentos do universo, provoca uma rápida expansão e depois passa as rédeas para as formas mais familiares de matéria e energia: prótons, nêutrons, elétrons, luz, etc.

A inflação cósmica pode fazer um multiverso. Aqui está como. De acordo com essa ideia, a maior parte do espaço está se expandindo, inflando, dobrando de tamanho, momento a momento. Espontânea e aleatoriamente, em pequenas ilhas, o novo campo de energia converte sua energia em matéria comum com energias extremamente altas, liberando o que agora vemos como um Big Bang.

Se essas altas energias embaralham e redefinem as propriedades básicas da matéria, então cada ilha pode ser pensada como um novo universo com propriedades diferentes. Fizemos um multiverso.

“Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo” (2022) é sobre uma mulher comum tentando pagar seus impostos, que também deve lutar contra um mal que se estende por todo o multiverso. Crédito: IMDB

Então existe um multiverso?

No ciclo do método científico, o multiverso está em fase exploratória. Temos uma ideia que pode explicar algumas coisas, se for verdade. Isso o torna digno de nossa atenção, mas ainda não é bem ciência. Precisamos encontrar evidências mais diretas, mais decisivas.

Algo que sobrou das consequências do gerador multiverso pode ajudar. Uma ideia de multiverso também poderia prever os números vencedores em nosso bilhete de loteria.

No entanto, como o Dr. Estranho explica, “o multiverso é um conceito sobre o qual sabemos assustadoramente pouco”.

* Lucas Barnes é professor de física na Western Sydney University (Austrália).

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative CommonsLeia o artigo original aqui.

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

alternativo