• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Astronomia05/08/2022

O passado complicado de Zeta Ophiuchi, uma estrela em fuga

Nesta imagem composta, uma onda de choque vermelha em arco semelhante a fitas de luz vermelha se afasta de Zeta Ophiuchi, cercada por uma nuvem verde fantasmagórica de gás. Crédito: raios X – Nasa/CXC/Dublin Inst. Advanced Studies/S. Green et al.; infravermelho – Nasa/JPL/Spitzer

05/08/22 - 07h43min

Zeta Ophiuchi é uma estrela com um passado complicado. Ela provavelmente foi ejetada de seu local de nascimento por uma poderosa explosão estelar. Uma nova imagem do Observatório de Raios X Chandra, da Nasa, ajuda a contar mais sobre a história dessa estrela fugitiva.

Localizada a cerca de 440 anos-luz da Terra, Zeta Ophiuchi é uma estrela quente 20 vezes mais massiva que o Sol. Observações anteriores forneceram evidências de que ela já esteve em órbita próxima de outra estrela, antes de ser ejetada a cerca de 160 mil quilômetros por hora, quando essa companheira foi destruída em uma explosão de supernova há mais de um milhão de anos.

Dados infravermelhos divulgados anteriormente pelo Telescópio Espacial Spitzer, da Nasa, agora aposentado, vistos nesta nova imagem composta, revelam uma onda de choque espetacular (vermelho e verde) formada pela matéria soprando da superfície da estrela e colidindo com o gás em seu caminho. Dados do Chandra mostram a emissão de uma bolha de raio X (azul) ao redor da estrela, produzida pelo gás que foi aquecido pelos efeitos da onda de choque a dezenas de milhões de graus.

Emissão de raios X surpreendente

Uma equipe de astrônomos liderada por Samuel Green, do Instituto de Estudos Avançados de Dublin, na Irlanda, construiu os primeiros modelos detalhados de computador da onda de choque. Eles começaram a testar se os modelos podem explicar os dados obtidos em diferentes comprimentos de onda, incluindo observações de raios X, luz óptica, infravermelho e rádio. Todos os três modelos de computador diferentes preveem uma emissão de raios X mais fraca do que a observada. A bolha de emissão de raios X é mais brilhante perto da estrela, enquanto dois dos três modelos de computador preveem que a emissão de raios X deve ser mais brilhante perto da onda de choque.

No futuro, esses pesquisadores planejam testar modelos mais complicados com física adicional – incluindo os efeitos da turbulência e aceleração de partículas – para ver se a concordância com os dados de raios X melhorará.

Um artigo descrevendo esses resultados foi aceito na revista Astronomy and Astrophysics e uma pré-impressão está disponível aqui. Os dados do Chandra usados ​​aqui foram originariamente analisados ​​por Jesús Toala, do Instituto de Astrofísica da Andaluzia (Espanha), que também escreveu a proposta que levou às observações.

Saiba mais

+ CPF do remetente deverá constar nas encomendas enviadas pelos Correios
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Astrônomos chegam a consenso sobre a idade do universo
+ Fã ‘faz diagnóstico’ de hérnia em Rafa Kalimann, que confirma
+ Corpo de responsável por câmeras de clube onde petista foi assassinado é encontrado no Paraná
+ Por que Saturno é tão temido?
+ Veja objetos, símbolos e amuletos que atraem riqueza
+ Anitta conta o que a levou a fazer tatuagem no ânus
+ Ancestral humano desconhecido deixou pegadas estranhas na África


Astronomy and Astrophysics