Relatórios de patologia sobre mais de 50 orcas (as “baleias assassinas”) encalhadas ao longo de quase uma década no nordeste do Pacífico e no Havaí mostram que elas enfrentam uma variedade de ameaças mortais – muitas delas decorrentes de interações humanas.

Um estudo que analisa esses relatórios foi publicado na revista “PLOS ONE”. Os resultados obtidos indicam que compreender e estar ciente de cada ameaça é fundamental para o gerenciamento e conservação das populações de baleias assassinas. O trabalho também apresenta uma compreensão básica da saúde das orcas.

O estudo foi conduzido por uma equipe de especialistas em mamíferos marinhos e orcas liderados pelo Ministério da Agricultura da Colúmbia Britânica (Canadá) e coordenados pela SeaDoc Society, um programa do governo americano sediado na Universidade da Califórnia.

As baleias incluem aquelas oriundas de populações saudáveis, bem como espécies ameaçadas, como as baleias residentes do sul regularmente avistadas nas costas da Colúmbia Britânica e dos estados de Washington e Oregon (EUA).

O fator humano

Das 52 baleias encalhadas entre 2004 e 2013, as causas de morte foram determinadas em 42%. Por exemplo, um filhote morreu de sepse após uma lesão em um anzol para capturar halibutes (tipo de peixe do hemisfério norte). Outro morreu de fome devido a uma deformidade facial congênita. Duas baleias morreram devido ao trauma contundente causado por ataques a navios. Outras causas de morte incluem doenças infecciosas e deficiências nutricionais.

Apesar de não haver uma causa comum de morte, o estudo encontrou um tema similar: as mortes causadas por humanos ocorreram em todas as classes de idade – de jovens a subadultos e adultos.

“Na Colúmbia Britânica, perdemos nove baleias assassinas residentes no sul: dois adultos, dois subadultos e 1 filhote morreram de trauma; um foi por ataque de hélice confirmado, com um adulto e dois subadultos de ataques de navios suspeitos”, disse o autor principal Stephen Raverty, patologista veterinário do Ministério da Agricultura da Colúmbia Britânica e professor adjunto do Instituto de Oceanos e Pesca da Universidade da Colúmbia Britânica (UBC). “Uma dessas espécies icônicas morreu de uma infecção secundária à identificação para monitoramento por satélite. Outra morte foi devido a causas naturais, e as outras duas estão indeterminadas. Metade das mortes de baleias assassinas do sul identificadas neste estudo foi causada por interações humanas.”

‘Podemos fazer um trabalho melhor’

“Ninguém gosta de pensar que estamos prejudicando diretamente os animais”, disse um dos coautores do estudo e diretor da SeaDoc Society, Joe Gaydos, veterinário da vida selvagem da Universidade da Califórnia em Davis. “Mas é importante perceber que não os estamos prejudicando apenas indiretamente por causa de coisas como falta de salmão, perturbação de navios ou toxinas. Também são ataques de navios e anzóis. O fato de os humanos estarem matando baleias assassinas diretamente em todas as classes de idade é significativo; diz que podemos fazer um trabalho melhor.”

Em 2004, Raverty e Graydos codesenvolveram um protocolo padronizado de necropsia de baleia assassina. Revisado em 2014 com a ajuda da patologista Judy St. Leger, que trabalha para o SeaWorld, esse guia ajudou a melhorar os exames de baleias mortas.

“Os resultados de necropsias sistemáticas de baleias assassinas mortas nesta revisão são únicos e estabelecerão informações básicas para avaliar futuros esforços de mitigação”, disse Raverty. “Este trabalho contribui para uma melhor compreensão dos impactos que as atividades humanas em andamento e os eventos ambientais têm sobre as baleias assassinas.”

Os autores reconhecem que o relatório é uma imagem incompleta da saúde e mortalidade das orcas. As necropsias só podem ser realizadas em baleias em estado adequado para recebê-las e, mesmo assim, nem sempre a causa da morte pode ser determinada. Mas o relatório oferece uma das análises mais abrangentes até o momento na multidão de ameaças humanas e ambientais que afetam as baleias assassinas e pode ajudar a informar estratégias para melhor protegê-las.

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago