• IstoÉ
  • IstoÉ Dinheiro
  • Dinheiro Rural
  • Menu
  • Motorshow
  • Planeta
  • Select
  • Gente
  • GoOutside
  • Hardcore
Anuncie
Assine
Revista Planeta
MenuMenu
FECHAR
  • Home
  • Astronomia
  • Arqueologia
  • Ciência
  • Viagem
  • Espiritualidade
  • Siga-nos:Facebook
Arqueologia04/03/2022

O que explica nossa dor lombar? Resposta pode estar nos neandertais

Neandertais: angulação lombar diferente da dos humanos modernos. Crédito: Charles R. Knight, “Le Moustier” (1920)/Wikimedia Commons

04/03/22 - 11h31min

Examinar as colunas vertebrais dos neandertais, um parente humano extinto, pode explicar doenças relacionadas às costas experimentadas pelos humanos hoje, concluiu uma equipe de antropólogos em um novo estudo comparativo.

A análise centra-se na curvatura da coluna, que é causada, em parte, por uma cunha, ou angulação, das vértebras e dos discos intervertebrais – o material mais macio entre as vértebras.

“Os neandertais não são distintos dos humanos modernos em angulação lombar e, portanto, provavelmente possuíam costas lombares curvas como nós”, explicou Scott Williams, professor associado do Departamento de Antropologia da Universidade de Nova York (EUA) e um dos autores do artigo publicado na revista PNAS Nexus. “No entanto, ao longo do tempo, especificamente após o início da industrialização no final do século 19, vemos um aumento nos ossos das costas dos humanos de hoje – uma mudança que pode estar relacionada a instâncias mais altas de dor nas costas e outros problemas, em sociedades pós-industriais.”

Uma imagem e legenda da coluna vertebral humana, que ilustra como a angulação contribui para sua curvatura, pode ser baixada do Google Drive.

Postura diferente

Há muito se pensa que os neandertais tinham uma postura diferente dos humanos modernos.

“Boa parte dessa perspectiva deriva do encaixe das vértebras lombares ou inferiores dos neandertais – suas espinhas dorsais nessa região se curvam menos do que as dos humanos modernos estudados nos EUA ou na Europa”, explicou Williams.

No entanto, grande parte dessa visão foi baseada em uma análise dos humanos modernos a partir do final do século 19 – bem após o início da industrialização, que alterou significativamente nossas vidas diárias. Móveis, por exemplo, tornaram-se mais amplamente disponíveis e trabalhos de mesa mais prevalentes – ambos encorajando sentar-se e, com isso, mudanças na postura. Essas mudanças foram aliadas à redução de ocupações de alta atividade, como a agricultura. Além disso, aflições específicas passaram a ser associadas a condições de trabalho que provocam má postura.

“Pesquisas anteriores mostraram que taxas mais altas de dor lombar estão associadas a áreas urbanas e especialmente em ambientes de ‘oficina fechada’, onde os funcionários mantêm posturas de trabalho tediosas e dolorosas, como sentar-se constantemente em bancos em uma posição inclinada para a frente”, observou Williams.

Angulação lombar maior

Em outras palavras, examinando a coluna de humanos que viveram na era pós-industrial, pesquisadores anteriores podem ter concluído erroneamente que a formação das colunas é atribuída ao desenvolvimento evolutivo e não a mudanças nas condições de vida e trabalho.

Para abordar essa possibilidade, Williams e seus colegas examinaram colunas vertebrais pré-industriais e pós-industriais de humanos modernos masculinos e femininos de todo o mundo – uma amostra que incluiu mais de 300 espinhas dorsais, totalizando mais de 1.600 vértebras – juntamente com amostras de colunas de neandertais.

No geral, eles descobriram que as espinhas dorsais em pessoas pós-industriais mostraram mais angulação lombar do que as de pessoas pré-industriais. Além disso, as espinhas dos neandertais eram significativamente diferentes daquelas dos povos pós-industriais, mas não dos povos pré-industriais. Notavelmente, os cientistas não encontraram diferenças relacionadas à geografia em amostras da mesma época.

“Um estilo de vida pré-industrial versus pós-industrial é o fator importante”, explicou Williams. Ele reconhece que, como a curvatura lombar é composta de tecidos moles (ou seja, discos intervertebrais), e não apenas ossos, não se pode afirmar que a lordose lombar nos neandertais era diferente da observada nos humanos modernos.

Compensações

“Os ossos geralmente são tudo o que é preservado em fósseis, então é tudo com o que temos que trabalhar”, acrescenta.

No entanto, as distinções na formação da coluna vertebral entre humanos pré-industriais e pós-industriais oferecem novos insights sobre as condições das costas que muitos enfrentam hoje.

“A diminuição dos níveis de atividade física, a má postura e o uso de móveis, entre outras mudanças no estilo de vida que acompanharam a industrialização, resultaram, com o tempo, em estruturas inadequadas de tecidos moles para suportar a lordose lombar durante o desenvolvimento”, disse Williams. “Para compensar, nossos ossos da parte inferior das costas assumiram mais angulações do que nossos predecessores pré-industriais e neandertais, potencialmente contribuindo para a frequência de dores lombares que encontramos nas sociedades pós-industriais.”

Saiba mais
+ Carolina Dieckmann pede R$ 9 milhões por mansão no Rio
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua

angulação