O que sabemos de fato sobre dose infecciosa e carga viral da covid-19

Quantos vírus são necessários para estabelecer uma infecção? Quanto mais vírus, pior a doença? Duas especialistas respondem a essas e outras perguntas sobre o novo coronavírus

Coronavírus: ainda falta bastante para os cientistas entenderem esse microrganismo. Crédito: Niaid-RML

À medida que a pandemia de covid-19 se espalha, tornou-se claro que as pessoas precisam entender fatos básicos sobre o SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, para tomar decisões informadas sobre cuidados com a saúde e políticas públicas. Dois conceitos virológicos básicos receberam muita atenção recentemente – a “dose infecciosa” e a “carga viral” do SARS-CoV-2.

Como virologistas da gripe, esses são conceitos nos quais frequentemente pensamos ao estudar infecções e transmissão de vírus respiratórios.

O que é ‘dose infecciosa’?

A dose infecciosa é a quantidade de vírus necessária para estabelecer uma infecção. Dependendo do vírus, as pessoas precisam ser expostas a apenas 10 partículas de vírus – por exemplo, para vírus influenza – ou a milhares de outros vírus que contaminam humanos para serem infectadas.

Os cientistas não sabem quantas partículas virais do SARS-CoV-2 são necessárias para desencadear a infecção. A covid-19 é claramente muito contagiosa, mas isso pode ocorrer porque poucas partículas são necessárias para a infecção (a dose infecciosa é baixa) ou porque as pessoas infectadas liberam muitos vírus em seu ambiente.

LEIA TAMBÉM: O que o coronavírus faz ao seu corpo que o torna tão mortal

O que é ‘carga viral’?

A carga viral é a quantidade de um vírus específico em uma amostra de teste retirada de um paciente. Para covid-19, isso significa quantos genomas virais são detectados em um swab (coleta de amostra) nasofaríngeo do paciente. A carga viral reflete o quão bem um vírus está se replicando em uma pessoa infectada. Uma carga viral alta para SARS-CoV-2 detectada em um swab de paciente significa que um grande número de partículas de coronavírus está presente nesse paciente.

Uma carga viral alta está ligada ao maior risco de pneumonia grave ou morte?

Intuitivamente, pode fazer sentido dizer que quanto mais vírus, pior a doença. Mas, na realidade, a situação é mais complicada.

No caso da SARS original ou da gripe, o fato de uma pessoa desenvolver sintomas leves ou pneumonia depende não apenas da quantidade de vírus nos pulmões, mas também da resposta imune e da saúde geral.

No momento, não está claro se a carga viral da SARS-CoV-2 pode nos dizer quem receberá pneumonia grave. Dois estudos publicados na revista “The Lancet” relataram que pessoas que desenvolvem pneumonia mais grave tendem a ter, em média, cargas virais mais altas quando são internadas pela primeira vez no hospital.

Esses estudos também relataram que as cargas virais permanecem mais altas por mais dias em pacientes com doença mais grave. No entanto, a diferença não foi dramática e as pessoas com cargas virais semelhantes desenvolveram doenças leves e graves.

Para complicar ainda mais o quadro, outros estudos descobriram que alguns pacientes assintomáticos tinham cargas virais semelhantes aos pacientes com sintomas de covid-19. Isso significa que a carga viral por si só não é um preditor claro do resultado da doença.

Outra pergunta comum é se o aumento da dose do vírus após a infecção – por exemplo, através da exposição prolongada a uma pessoa infectada, como a experiência dos profissionais de saúde – resultará em doenças mais graves. No momento, simplesmente não sabemos se é esse o caso.

A carga viral alta aumenta a capacidade de transmitir o vírus para outras pessoas?

Em geral, quanto mais vírus você tiver nas vias aéreas, mais você liberará quando expirar ou tossir, embora exista muita variação de pessoa para pessoa. Vários estudos têm relatado que os pacientes têm a maior carga viral do coronavirus no momento em que são diagnosticados.

Isso significa que os pacientes transmitem covid-19 de maneira mais eficaz no início de sua doença ou mesmo antes de saberem que estão doentes. Essa é uma má notícia. Significa que as pessoas que parecem e se sentem saudáveis ​​podem transmitir o vírus para outras pessoas.

Por que é difícil responder a perguntas básicas sobre a quantidade de vírus para o SARS-CoV-2?

Normalmente, pesquisadores como nós determinam as características de um vírus a partir de uma combinação de estudos experimentais altamente controlados em modelos animais e observações epidemiológicas de pacientes.

Mas como o SARS-CoV-2 é um novo vírus, a comunidade de pesquisa está apenas começando a fazer experimentos controlados. Portanto, toda a informação que temos vem da observação de pacientes que foram todos infectados de maneiras diferentes, têm condições de saúde subjacentes diferentes e são de diferentes idades e ambos os sexos. Essa diversidade dificulta tirar conclusões sólidas que serão aplicadas a todos, apenas a partir de dados observacionais.

Onde a incerteza sobre cargas virais e doses infecciosas nos deixa?

Estudar as cargas virais e a dose infecciosa provavelmente será importante para tomar melhores decisões para os profissionais de saúde. Para o resto de nós, independentemente da carga viral dos pacientes ou da dose infecciosa de SARS-CoV-2, é melhor reduzir a exposição a qualquer quantidade de vírus, pois fica claro que o vírus é transmitido de maneira eficiente de pessoa para pessoa.

As práticas atuais de distanciamento social e o contato limitado com grupos de pessoas em espaços fechados reduzirão a transmissão do SARS-CoV-2. Além disso, o uso de máscaras faciais reduzirá a quantidade de vírus liberada por indivíduos pré-sintomáticos e assintomáticos. Então, fique em casa e fique seguro.

 

* Marta Gaglia é professora assistente de Biologia Molecular e Microbiologia da Universidade Tufts (EUA); Seema Lakdawala é professora assistente da Universidade de Pittsburgh (EUA)

** Este artigo foi republicado do site The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original aqui.

Veja também

+ Invasão de vespas assassinas aumenta tensão com 2020 nos EUA
+ Anticoagulante reduz em 70% infecção de células pelo coronavírus
+ Assintomáticos: 5 dúvidas sobre quem pega o vírus e não tem sintomas
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança