Observatório examina berçário de estrelas perto do Sistema Solar

A nebulosa de emissão RCW 36, a 2.300 anos-luz do Sol, é apenas parte de um complexo de formação estelar maior

RCW 36: nuvens com regiões densas a ponto de bloquear a radiação por trás delas. Crédito: ESO

Esta nova imagem da nebulosa de emissão RCW 36 (ou Gum 20), obtida pelo instrumento FORS (Focal Reducer and low dispersion Spectrograph), do Observatório Europeu do Sul (ESO), mostra uma das regiões de formação de estrelas massivas mais próximas do nosso Sistema Solar, a cerca de 2.300 anos-luz daqui. Situada na constelação da Vela, a RCW 36 constitui apenas uma parte de um complexo de formação estelar ainda maior, conhecido como Vela Molecular Ridge.

Algumas regiões nas nuvens da RCW 36 são suficientemente densas para bloquear a radiação por trás delas, criando assim manchas e fios de escuridão. Apesar da sua aparência escura, tais nuvens são os únicos locais no universo onde ocorre formação estelar; nodos de hidrogênio molecular e poeira cósmica se juntam e colapsam para formar estrelas rodeadas por pequenas famílias de planetas, tal como aconteceu no nosso Sistema Solar.

LEIA TAMBÉM: Hubble mostra detalhes de “montanha” que forma estrelas

O FORS está montado no Very Large Telescope do ESO, um dos observatórios astronômicos mais avançados do mundo. A imagem foi selecionada como parte do programa Joias Cósmicas do ESO, uma iniciativa que visa obter imagens de objetos interessantes, intrigantes ou visualmente atrativos, utilizando os telescópios do ESO, para fins de educação e divulgação científica. O programa utiliza tempo de telescópio que não pode ser usado em observações científicas. Todos os dados coletados também podem ser adequados para fins científicos e são disponibilizados aos astrônomos através do arquivo científico do ESO.