Oceano Atlântico está ficando mais largo

Afastamento registrado por sismômetros colocados no fundo do mar é de quatro centímetros por ano

Trinta e nove sismômetros foram implantados no fundo do oceano em toda a Dorsal Mesoatlântica como parte do experimento PI-LAB. Crédito: Universidade de Southampton

Um aumento de matéria vinda das profundezas da crosta terrestre estaria afastando as Américas da Europa e da África, descobriu uma nova pesquisa.

As placas fixadas nas Américas estão se distanciando das fixadas na Europa e na África quatro centímetros por ano. Entre esses continentes está a Dorsal Mesoatlântica, um local onde novas placas são formadas e há uma linha divisória entre as placas que se movem para o oeste e aquelas que se movem para o leste. Abaixo dessa crista, o material sobe para substituir o espaço deixado pelas placas à medida que se separam.

A sabedoria convencional é que esse processo é normalmente impulsionado por forças de gravidade distantes à medida que as partes mais densas das placas afundam de volta na Terra. No entanto, a força motriz por trás da separação das placas atlânticas permanece um mistério porque o Oceano Atlântico não é cercado por placas densas e em processo de afundamento.

Sensores no fundo do mar

Agora, uma equipe de sismólogos liderada pela Universidade de Southampton (Reino Unido) encontrou evidências de uma ressurgência no manto – o material entre a crosta terrestre e seu núcleo – de profundidades de mais de 600 quilômetros abaixo da Dorsal Mesoatlântica, que pode estar empurrando as placas de baixo, fazendo com que os continentes se afastem ainda mais.

Acredita-se que as ressurgências abaixo das cristas se originem de profundidades muito mais rasas, de cerca de 60 km.

Implantação de um dos sensores remotos. Crédito: Universidade de Southampton

As descobertas, publicadas na revista “Nature”, fornecem uma maior compreensão das placas tectônicas que causam muitos desastres naturais em todo o mundo, incluindo terremotos, tsunamis e erupções vulcânicas.

Ressurgência inesperada

Ao longo de dois cruzeiros de pesquisa nos navios RV Langseth e RRV Discovery, a equipe implantou 39 sismômetros no fundo do Atlântico como parte do experimento PI-LAB (Passive Imaging of the Lithosphere-Asthenosphere Boundary) e Euro-LAB (Experiment to Unearth the Rheological Oceanic Lithosphere-Asthenosphere Boundary). Os dados fornecem a primeira imagem em grande escala e alta resolução do manto abaixo da Dorsal Mesoatlântica.

Esse é um dos poucos experimentos dessa escala já realizados nos oceanos. Ele permitiu à equipe imagens de variações na estrutura do manto da Terra perto de profundidades de 410 km e 660 km. Tais profundezas estão associadas a mudanças abruptas nas fases minerais. O sinal observado era indicativo de uma ressurgência profunda, lenta e inesperada da zona do manto mais próxima do núcleo.

O autor principal do estudo, Matthew Agius, ex-pós-doutorando na Universidade de Southampton e atualmente na Università degli studi Roma Tre (Itália), disse: “Esta foi uma missão memorável que nos levou a um total de dez semanas no mar no meio do Oceano Atlântico. Os resultados incríveis lançam uma nova luz em nossa compreensão de como o interior da Terra está conectado com as placas tectônicas, com observações nunca vistas antes.”

A dra. Kate Rychert e o dr. Nick Harmon, da Universidade de Southampton, e o prof. Mike Kendall, da Universidade de Oxford (Reino Unido), conduziram o experimento e foram os principais cientistas dos navios. O experimento foi financiado pelo NERC (Natural Environment Research Council, Reino Unido) e o ERC (European Research Council).

Impacto sobre o nível do mar

O dr. Harmon observou: “Há uma distância crescente entre a América do Norte e a Europa, e não é impulsionada por diferenças políticas ou filosóficas. É causada pela convecção do manto!”

Além de ajudarem os cientistas a desenvolver melhores modelos e sistemas de alerta para desastres naturais, as placas tectônicas também têm um impacto sobre os níveis do mar e, portanto, afetam as estimativas das mudanças climáticas em escalas de tempo geológicas.

O dr. Rychert disse: “Isso foi completamente inesperado. Tem amplas implicações para nossa compreensão da evolução e habitabilidade da Terra. Também demonstra como é crucial coletar novos dados dos oceanos. Há muito mais para explorar!”

O professor Mike Kendall acrescentou: “Este trabalho é empolgante e refuta suposições de longa data de que as dorsais meso-oceânicas podem desempenhar um papel passivo nas placas tectônicas. Sugere que, em lugares como a Dorsal Mesoatlântica, as forças na crista desempenham um papel importante na separação de placas recém-formadas.”

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago